Ads Top

Netanyahu anuncia vitória, e já começa a falar com parceiros de coalizão; Pesquisas apontam empate e uma possível quinta eleição


As eleições legislativas israelenses concederam "uma imensa vitória para a direita", declarou na noite desta terça-feira (23) o primeiro-ministro em fim de mandato, Benjamin Netanyahu, cujo partido, Likud, estaria na liderança, segundo as primeiras projeções.


"Cidadãos de Israel, obrigado! Vocês deram uma imensa vitória para a direita e para o Likud sob a minha direção (...) É evidente que uma maioria esmagadora de cidadãos israelenses é de direita e quer um governo de direita, forte e estável", tuitou Netanyahu.


O partido direitista Likud liderava nesta terça-feira as eleições legislativas, as quartas em dois anos, embora sem maioria suficiente para formar um governo sozinho, segundo pesquisas de boca de urna.


O Likud obteria entre 31 e 33 assentos dos 120 do Knesset (Parlamento), seguido do partido Yesh Atid (Há Futuro), do centrista Yair Lapid, com 16 a 18 assentos, segundo as projeções iniciais de três veículos de comunicação.


Os resultados do Likud, junto com os de seus aliados religiosos de direita, dariam ao bloco pró-Netanyahu 53 ou 54 assentos, segundo estas projeções. A maioria para formar o governo é de 61 assentos.


O primeiro-ministro poderia, no entanto, formar uma coalizão majoritária de direita com o apoio do líder conservador radical Naftali Bennett, que obteria sete ou oito assentos, segundo as pesquisas.


Bennett, crítico da gestão do primeiro-ministro, assinou no domingo uma declaração na qual assegura que não fará parte de um governo de Lapid, mas sem dizer se juntaria forças com Netanyahu.


Os partidos que se opõem a Netanyahu ganhariam 54 cadeiras, de acordo com as pesquisas.


Os resultados parciais oficiais serão publicados ao longo da noite, mas a comissão eleitoral deve anunciar os resultados finais na sexta-feira, véspera do início da Páscoa.


Os israelenses viveram nesta terça-feira o quarto episódio de uma saga eleitoral de dois anos sobre o futuro do primeiro-ministro, ele próprio julgado por "corrupção" e arquiteto de uma intensa campanha de vacinação contra a covid-19.


Ser a favor ou contra "Bibi", apelido de Netanyahu em Israel,continua sendo a grande questão desta novela política. Mas, neste quarto episódio, os atores mudaram.


O general Benny Gantz, rival de Netanyahu nas três eleições anteriores, perdeu popularidade depois de chegar a um pacto na primavera passada com seu ex-inimigo para formar um governo de "emergência" em face da pandemia.


Esse governo sindical nacional implodiu em dezembro e, logo depois, Netanyahu lançou uma intensa campanha de vacinação graças a um acordo com a gigante farmacêutica Pfizer.


Na verdade, Netanyahu, 71 anos, sendo os últimos 12 no poder, concentrou sua campanha no sucesso da vacinação em Israel, onde quase 50% da população recebeu as duas doses, ou quase dois terços dos eleitores.


"Espero que sejam as últimas eleições", disse Netanyahu após votar em Jerusalém, esperando que o país pudesse sair do bloqueio político.


- "Duas opções" -


Nesta ocasião, seus principais rivais eram o centrista Yair Lapid, Gideon Saar, um ex-membro da formação de Netanyahu, e Bennett, seguido por uma dezena de partidos.


"Há apenas duas opções aqui: ou Yesh Atid [seu partido] ganha força ou teremos um governo sombrio, racista e homofóbico", disse Lapid ao votar em Tel Aviv.


Para alcançar a maioria de 61 deputados e formar um governo, Netanyahu realmente espera se aliar à direita religiosa, mas também, pela primeira vez, à extrema direita. E o Lapid tem um acordo com partidos de esquerda e centro, mas também com uma parte de direita decepcionada com o primeiro-ministro.


Diante do trunfo da vacinação de Netanyahu, a oposição aproveitou o argumento do julgamento do primeiro-ministro por "corrupção", "desfalque" e "abuso de poder", iniciado há poucos meses e que alimenta um movimento de protestos em todo o país por 39 semanas.


No sábado à noite, milhares de pessoas se reuniram novamente em Jerusalém gritando "Yalla (vamos lá), Bibi" ou "Tchau, Bibi".


Quase três horas antes do fechamento das seções eleitorais, um foguete foi lançado do enclave palestino da Faixa de Gaza para o sul de Israel, uma vasta região onde estava Netanyahu.


Uma porta-voz do exército disse à AFP que este foguete, o primeiro lançado em direção a Israel desde o final de janeiro, caiu em um terreno baldio.


Pouco antes das eleições de setembro de 2019, a Jihad Islâmica - o segundo movimento armado de Gaza - disparou um foguete na direção de um comício de Netanyahu em Israel, que levou a uma escalada armada mortal dois meses depois.


PORÉM AINDA NÃO TEM NADA DEFINIDO SEGUNDO PESQUISAS 


Não está claro se o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu será capaz de formar um governo pela sétima vez em sua carreira política de três décadas, de acordo com pesquisas de boca de urna nas três redes de televisão na terça-feira à noite.

Duas das três pesquisas indicaram que seu bloco de Likud, Shas, Judaísmo Da Torá Unida e o Partido Sionista Religioso receberam apoio suficiente junto com o Partido Yamina de Naftali Bennett, que disse durante a campanha que estava pronto para se juntar a uma coalizão com qualquer bloco político.


O Likud conquistou 31 assentos na KAN, 30 no Canal 12 e 31 no Canal 13. Shas ganhou 9 no KAN e no Canal 12 e 9 no Canal 13; UTJ ganhou 6 no Canal 12 e 7 no Canal 13 e KAN; o Partido Religioso Sionista ganhou 7 no Canal 12 e KAN, com o Canal 13 dando-lhe 6 assentos; e Yamina ganhou 7 no Canal 12, KAN e Canal 13.
Fontes no Likud disseram que Netanyahu tentaria formar um governo o mais rápido possível. Os associados de Bennett disseram que "não estavam no bolso de Netanyahu" e que se juntar ao seu governo não era uma conclusão precipitada.
Netanyahu declarou no Twitter que havia conquistado "uma vitória gigante". Ele ligou para Naftali Bennett, que lhe disse que estava esperando os resultados finais e que iria "agir pelo bem de todos os cidadãos de Israel". Netanyahu também chamou os outros líderes em seu campo político e pediu que eles se juntassem a um governo forte e de direita.
A participação de 67,2% foi uma queda de 4,3% desde a eleição de março passado, na qual a participação foi de 71,5% e a menor das quatro eleições dos últimos dois anos.


O líder do Yesh Atid, Yair Lapid, liderou seu partido para 18 assentos de acordo com o Canal 12 e KAN e 17 de acordo com o Canal 13, mas seu bloco anti-Netanyahu não conseguiu conquistar a maioria. Lapid falou com o líder da Meretz, Nitzan Horovitz, e concordou em "trabalhar para o bem do país". O Partido Nova Esperança de Gideon Sa'ar conquistou 6 assentos decepcionantes de acordo com o Canal 12 e KAN e 6 de acordo com o Canal 13. Em um discurso aos ativistas de seu partido, Sa'ar minimizou sua derrota e pediu para esperar pelos resultados finais. Ele prometeu não entrar em um governo liderado por Netanyahu, embora funcionários do Likud tenham dito que tentariam cortejar os MKs da Nova Esperança.
Yisrael Beytenu ganhou 7 lugares pm todos os três canais; Azul e Branco ganhou 7 de acordo com o Canal 12 e KAN e 8 de acordo com o Canal 13; O trabalho ganhou 7 de acordo com o Canal 13 e KAN e 8 de acordo com n12; e Meretz ganhou 6 de acordo com o Canal 12 e o Canal 13 e 7 de acordo com kan.
Depois de lutar durante toda a campanha, Meretz facilmente ultrapassou o limite eleitoral de 3,25%, de acordo com as pesquisas de saída. Mas o Partido Ra'am (Lista Árabe Unida) não cruzou de acordo com as pesquisas. A Lista Conjunta ganhou de 8 a 9 lugares, eles descobriram.
Gantz agradeceu aos seus partidários por demonstrarem sua confiança nele.
"A partir de amanhã, farei o meu melhor para unir o bloco pró-mudança", disse ele. "E se formos forçados a enfrentar uma quinta rodada de eleições, protegerei vigilantemente nossa democracia, estado de direito e segurança, porque Israel vem em primeiro lugar."
As pesquisas de saída vieram após um dia tenso de brigas internas com ambos os campos políticos. Yamina lutou por assentos com o Partido Sionista Religioso.
Gantz acusou Lapid de enviar falsas declarações sobre azul e branco e outros partidos satélites.
Em uma mensagem enviada por Yesh Atid, Gantz foi citado dizendo que tinha certeza de que já tinha seis assentos garantidos.
Azul e Branco respondeu que Lapid estava disseminando notícias falsas, dizendo que "não importa se Lapid termina com 20 ou 22 mandatos, mas importa se Azul e Branco não cruzar o limite eleitoral e não estará lá para impedir Bibi de governar o país sozinho".
Gantz seguiu pessoalmente dirigindo-se ao golpe, dizendo "É bull****. Cada voto é importante. é fundamental votar em Azul e Branco, para que possamos passar o limite eleitoral.
O que eles estão fazendo [espalhar notícias falsas] é absolutamente irresponsável. Para evitar isso, saia e vote no Azul e Branco."
O líder trabalhista Merav Michaeli apoiou Lapid, dizendo que "os menores partidos não estão mais em perigo e, portanto, chegou a hora de os eleitores seguirem seus corações e votarem em quem eles acreditam".

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.