Ads Top

“A paz com Israel é um objetivo comum da Arábia Saudita e dos Estados Unidos”




A paz saudita-israelense é um objetivo comum entre os EUA e a Arábia Saudita, disse o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, na última segunda-feira 1 de Março de 2021. 


“Procuramos realizar muito com os sauditas”, disse Price em uma coletiva de imprensa, “para encerrar a guerra no Iêmen e aliviar a crise humanitária do Iêmen, para usar nossa liderança para forjar laços entre as divisões mais amargas da região, seja descobrindo um caminho de volta da beira da guerra com o Irã para um diálogo regional significativo, ou forjar uma paz histórica com Israel.”


Porém, alertou Price, isso só é possível “em uma parceria com a Arábia Saudita que respeite os valores da América. As ações sauditas determinarão o quanto dessa ambiciosa agenda positiva compartilhada podemos alcançar.”


Os EUA estão “focados na conduta futura” da Arábia Saudita depois de sancionar algumas autoridades sauditas pelo assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, mas ficaram aquém das sanções contra o príncipe saudita Mohammed bin Salman, disse Price.


As futuras vendas de armas à Arábia Saudita serão avaliadas com base nos interesses e valores dos EUA, disse Price, e instou a Arábia Saudita a desmantelar sua força de intervenção rápida, que estava envolvida na morte de Khashoggi.


Os comentários de Price vieram vários dias depois que os EUA anunciaram uma “recalibração” dos laços EUA-Arábia Saudita, divulgando o relatório do Diretor de Inteligência Nacional sobre o assassinato de Khashoggi, que dizia que há fortes indícios de que o príncipe saudita ordenou a morte de Khashoggi e sancionou oficiais envolvidos.


Price disse que os EUA geralmente não sancionam líderes de países com os quais mantêm relações diplomáticas.


Na manhã de segunda-feira, um oficial israelense confirmou que Israel, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Bahrein discutiram a formação de uma aliança para enfrentar inimigos comuns.


O assunto está sendo “discutido informalmente”, disse a fonte, acrescentando que os países são aliados dos Estados Unidos. Todos os quatro acreditam que um Irã nuclear seria uma grande ameaça e estão de olho no plano do governo Biden de voltar ao acordo nuclear de 2015 com preocupação.


“Há muito a ganhar com a expansão da cooperação”, disse a fonte.


Os comentários vieram na sequência de um artigo do presidente do Congresso Mundial Judaico, Ron Lauder, no Arab News, pedindo uma “OTAN do Oriente Médio”.


A Arábia Saudita não tem uma imprensa livre, e Arab News, um jornal diário em inglês publicado na Arábia Saudita, é propriedade do príncipe Turki bin Salman Al Saud, filho do rei Salman e irmão do príncipe herdeiro Mohammad bin Salman, e é visto como um reflexo das opiniões oficiais do governo saudita.


Na semana passada, o i24 News informou que Israel está em negociações com os três Estados do Golfo sobre uma aliança de defesa.


O Gabinete do Primeiro Ministro disse que “não estava confirmando o relatório, mas estamos sempre interessados ​​em melhorar os laços com nossos parceiros do Oriente Médio”.


Um dos primeiros indicadores de uma possível aliança de defesa é que Israel não se opôs aos EUA venderem caças F-35 aos Emirados Árabes Unidos, depois que os países normalizaram os laços como parte dos acordos de Abraham no ano passado.


De acordo com a lei dos EUA, Washington deve garantir que suas vendas de armas no Oriente Médio não ameacem a vantagem militar qualitativa de Israel na região. Israel era o único país do Oriente Médio no programa F-35, mas após reuniões entre o ministro da Defesa Benny Gantz e seu homólogo americano na época, Jerusalém deu luz verde para vender os aviões para Abu Dhabi.


Israel ainda não tem laços oficiais com a Arábia Saudita. Mas ela se aproximou dos três Estados do Golfo com os quais está discutindo mais cooperação em segurança após o acordo de 2015 entre as potências mundiais e o Irã, que eles sentiram não impedir o Irã de desenvolver uma arma nuclear uma vez que o acordo expire.


O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e o MBS, como o príncipe saudita é conhecido, se encontraram secretamente em Neom, uma planejada cidade futurística saudita no Mar Vermelho, em novembro passado.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.