Ads Top

As gigantes da tecnologia estarão ligadas a uma grande confusão, segundo capa mais recente da Revista The Economist

 


A mais nova capa que foi lançada em 27/02/2021  o que a revista the economist está dizendo

¨A ideia de a indústria de tecnologia ser dominada por monopólios é tão amplamente defendida que monopolizou muito pensamento, desde estratégias de investidores até relatórios jurídicos antitruste. No entanto, como explicamos, está ficando mais difícil sustentar (ver artigo). Após um longo período de ossificação, a indústria está entrando em uma fase dinâmica. Na América, os mercados digitais estão mudando para oligopólios, nos quais a segunda e a terceira empresas competem vigorosamente contra o titular. As grandes empresas de tecnologia estão lutando por clientes e dados: testemunhe o confronto entre Apple e Facebook sobre quem controla a privacidade dos usuários do iPhone. E em toda a Ásia conglomerados digitais estão lutando contra isso. A estrutura emergente da indústria está longe do capitalismo aberto e difuso que este jornal apoia. Mas um oligopólio de rivais é muito melhor do que um monopólio.

O vendaval de destruição criativa costumava soprar forte no Vale do Silício. A lista de empresas que caiu do domínio vai da Fairchild Semiconductor à Hewlett-Packard. Ainda assim, recentemente os gigantes se agarraram: Apple e Microsoft têm mais de 40 anos e Alphabet e Amazon mais de 20; até o Facebook está com 17 neste mês. O que aconteceu? Os efeitos de rede e escala significam que tamanho gera tamanho, enquanto os dados podem atuar como uma barreira à entrada. Pesquisa, mídia social, publicidade, e-commerce, streaming, chamada de carona, entrega e pagamentos, todos exibem essas propriedades alquímicas em algum grau. Tendo alcançado a supremacia na área escolhida, muitas empresas de tecnologia, especialmente as grandes, mostraram pouco apetite para competir diretamente umas com as outras na última década. As três pesquisas mais comuns no Microsoft Bing são Facebook, YouTube e Google. Alguém se lembra do Fire Phone da Amazon?




À primeira vista, nada mudou. As empresas de tecnologia desfrutaram de um lucrativo 2020 e os investidores estão apostando que mais está por vir. O valor de mercado de US $ 7,6 trilhões dos cinco gigantes da América implica que suas vendas dobrarão na próxima década. No entanto, se você olhar mais de perto, uma mudança está ocorrendo. Os operadores históricos não estão ficando menores - sua participação de mercado média ponderada é estável, em cerca de 35% em cada um dos 11 subsetores de tecnologia americanos. Mas a participação das segundas e terceiras empresas aumentou de 18% para 26% desde 2015. Isso reflete duas tendências mais profundas.




Em primeiro lugar, as grandes empresas de tecnologia estão se diversificando à medida que seus principais produtos amadurecem, novas oportunidades tecnológicas surgem e ameaças regulatórias aumentam na América, Europa e China. As empresas falam sobre isso há anos, mas agora está acontecendo. A parcela das receitas dos cinco gigantes americanos que se sobrepõe aos outros aumentou de 22% para 38% desde 2015. A Microsoft e a Alphabet estão enfrentando a Amazon na nuvem. A Amazon é, por sua vez, a força crescente da publicidade digital.




A segunda tendência, responsável por um terço da mudança na participação de mercado, é que os de fora ganham impulso. Das fileiras do estabelecimento corporativo, a Disney, de 98 anos, conquistou 116 milhões de novos clientes de streaming em 18 meses, enquanto o Walmart, de 58 anos, registrou US $ 38 bilhões em vendas online no ano passado. Firmas de tecnologia independentes, como a Shopify no e-commerce e o PayPal, conseguiram avançar graças ao surto digital causado pela pandemia e estão gerando lucros suficientes para serem autossustentáveis.




Você pode pensar que essa competição é apenas um pontinho, mas ela tem um precedente na Ásia, onde os clientes deram um salto à frente e as fronteiras entre os produtos foram borradas, levando a mudanças de participação de mercado, margens mais baixas e inovação. A China tem Alibaba e Tencent e cinco outros concorrentes no valor de US $ 100 bilhões ou mais. A Índia tem Jio e o Sudeste Asiático tem Grab, Gojek e Sea. Todas essas empresas pensam em termos de assinantes que poderiam ser persuadidos a comprar uma gama fluida de serviços, em vez de proteger um monopólio estático a todo custo. Eles buscam a expansão por meio da diversificação, mesmo que isso signifique esbarrar nos rivais.




Um perigo é que essa rivalidade oligopolística seja um concurso de Potemkin. Ele ainda não interrompeu o duopólio Apple-Alphabet sobre sistemas operacionais de telefone ou lojas de aplicativos. Embora os anunciantes tenham mais escolha, entre, digamos, Amazon e Facebook, aqueles que estão sendo anunciados ainda não têm uma alternativa real aos produtos de Mark Zuckerberg, o chefe do Facebook. E há muitos vínculos aconchegantes entre empresas. A Alphabet paga à Apple até US $ 12 bilhões por ano para tornar o Google o mecanismo de busca padrão do iPhone. Alibaba e Tencent possuem participações em alguns dos novos participantes da China.




É aqui que as autoridades antitruste ressurgentes podem fazer a diferença. Esses pagamentos do Google estão agora sujeitos a um processo do Departamento de Justiça, enquanto a Apple e o Google enfrentam reclamações sobre suas lojas de aplicativos. A Europa está planejando regras para fazer com que os produtos de diferentes empresas trabalhem juntos e ajudem os usuários a movimentar seus dados. A China tem uma nova lista de “nove não fazer” para empresas de comércio eletrônico, incluindo a proibição de excluir novos concorrentes.




Ajuda que a ambição seja abundante. Ao atrair negócios para sua plataforma de nuvem, a Alphabet está perdendo US $ 6 bilhões por ano - mais do que a Amazon perdeu em sua vida. A Disney planeja ter 325 milhões de assinantes até 2024. O PayPal pretende ter 750 milhões de usuários de seu superaplicativo financeiro até 2025. O Walmart acaba de comprar uma empresa de publicidade. O Facebook está entrando no comércio eletrônico. A Microsoft considerou a compra de duas empresas de mídia social, TikTok e Pinterest. A Huawei na China está ocupada criando uma alternativa para o duopólio do sistema operacional ios-Android.




A competição oligopolística pode beneficiar os consumidores de várias maneiras. Isso pode aumentar a escolha, à medida que mais empresas competem para oferecer uma gama crescente de serviços: 11 empresas americanas têm mais de 100 milhões de assinantes digitais. Isso pode elevar os padrões à medida que as plataformas se diferenciam pela confiança. É por isso que a Apple em breve perguntará aos usuários do iPhone se eles desejam sair do rastreamento de dados do Facebook, melhorando o mercado de publicidade (ver artigo). E pode estimular a inovação à medida que as empresas buscam novas ferramentas, como a área virtual.¨ 



Essa capa da The Economist começa logo assim lá em cima:

A batalha pelo quintal da China 

Compre me amor: A política cara da África 

Hora de acabar com o isento de impostos

Genes neandertais e covid-19


Depois vem os dizeres: 

Tech´s big dust-up com a seguinte tradução: Grande confusão da tecnologia


Tudo indica que as empresas mais ricas da área vão querer manter o monopólio, algumas redes sociais poderão não existir, notem o pássaro mascote larry do twitter, com um x nos olhos, que simboliza a morte. E muitos usuários anteriormente já fizeram inúmeras campanhas de #riptwitter sem contar que o twitter vai lançar uma versão premium, onde vai desagradar e muitos seus usuários. Vemos também o símbolo do facebook invertido, simbolizando uma queda, não vemos um fim, mas algo pode acontecer, talvez perder alguns usuários. Sites de vendas como a Amazon e Shopy vão estar também nesta confusão. Notaram uma coisa? O TIK TOK como a the economist mostrou ano passado, não vai se envolver neste escândalo, tende só a crescer. A maçã da Apple tenta sair da confusão no lado direito da capa, acima de uma perna que chuta. Note também os punhos de homens de negócios batendo nos usuários, note há uma moça negra, um rapaz asiático, e outro rapaz ruivo. Uma alusão que todos os internautas pelo mundo serão afetados por essa grande confusão da tecnologia. Lembrando que essas estrelas estão por aí por algum motivo, talvez simbolizando a queda de plasma, a inversão do campo magnético, ou o grande reset, que pode ocorrer de ficar alguns dias sem energia elétrica. Não sabemos se tudo isto vai ocorrer agora, mas fiquemos atentos para o segundo semestral de 2021. 

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.