Ads Top

Liberais e Justin Trudeau aprovam rende básica Canadense, um protótipo da Renda Básica Mundial que a ONU quer

 


Os liberais de base endossaram esmagadoramente uma resolução pedindo ao governo federal que desenvolva e implemente uma renda básica universal — apesar da aparente falta de entusiasmo do primeiro-ministro Justin Trudeau pela ideia.


A resolução, co-patrocinada pela bancada liberal, foi aprovada por 491 votos a 85 no sábado na convenção virtual do partido governista.

Ele se tornará automaticamente política oficial do partido, juntamente com outras 10 resoluções prioritárias que foram aceleradas na convenção.


Outras 26 resoluções também foram aprovadas no sábado de manhã, mas ainda devem passar por outra votação no final do dia para ser reduzida para 15 e tornar-se política oficial do partido.


Entre essas 26 estavam resoluções que pedem normas nacionais aplicáveis e para casas de cuidados de longo prazo, um aumento de 10% na segurança da velhice para aqueles com 70 anos ou mais, e a implementação de um programa nacional de farmacormacare, que o governo de Trudeau prometeu, mas deu apenas passos incrementais para alcançar.

Outros incluíram pedidos de um "novo acordo verde" para garantir uma transição justa e justa para as emissões líquidas zero de carbono até 2050, investimentos em "projetos transformacionais" para criar empregos para os trabalhadores deslocados por essa transição e incentivos fiscais para grandes corporações investirem no desenvolvimento de recursos renováveis.


Outros ainda pediram investimentos em habitação acessível, uma linha ferroviária trans-Canadense de alta velocidade, expandiram o acesso à Internet de alta velocidade e medidas para transformar o Canadá em uma "superpotência agrícola".


Os participantes rejeitaram apenas cinco resoluções, incluindo a única que poderia ter ajudado o governo a pagar por todas as outras novas iniciativas dispendidas propostas endossadas pelos participantes da convenção.


Essa resolução derrotada pediu ao governo que imponha um imposto sobre heranças sobre todos os ativos acima de US$ 2 milhões e reduza a isenção de impostos sobre ganhos de capital em 40%.

Algumas das resoluções não vinculantes se misturam com a intenção declarada do governo de gastar até US$ 100 bilhões para alimentar uma recuperação econômica verde e inclusiva da pandemia COVID-19, além do déficit de MAIS de US$ 380 bilhões já acumulado ajudando os canadenses a permanecer à tona.


Mas Trudeau já sinalizou sua falta de entusiasmo pela ideia universal de renda básica, sugerindo que agora não é hora de embarcar em uma revisão dispendia da rede de segurança social do país.


O oficial de orçamento parlamentar concluiu na semana passada que uma renda básica universal poderia quase reduzir pela metade a taxa de pobreza do Canadá em apenas um ano, mas a um custo alto: US$ 85 bilhões em 2021-22, subindo para US$ 93 bilhões em 2025-26.


O deputado de Toronto Nathaniel Erskine-Smith, um dos defensores da ideia dentro da bancada liberal, disse em uma entrevista que entende que o preço é assustador. Ainda assim, ele disse que está esperançoso de que o endosso da convenção à ideia empurre o governo a avançar gradualmente nessa direção.


Na convenção de 2018, os liberais aprovaram uma resolução pedindo a descriminalização de todo o uso de drogas ilícitas. Trudeau rejeitou a ideia na época, mas Erskine-Smith observou que seu governo tem se movimentado desde então para tratar o vício em drogas como uma questão de saúde pública, em vez de uma questão criminal, inclusive com a legislação proposta revogando sentenças mínimas obrigatórias para pequenos delitos de drogas.

Trudeau também inicialmente se opôs à legalização da cannabis, apesar de uma resolução partidária que a pedia, apenas para mudar de ideia mais tarde. Seu governo legalizou a maconha recreativa durante seu primeiro mandato.


Trudeau encerrará a convenção de três dias no sábado com um discurso de abertura.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.