Ads Top

Não é para cuidar de você, mas sim para controlar! Cientistas do Pentágono revelam um microchip que detecta COVID-19 em seu corpo ANTES de mostrar sintomas, e um filtro que extrai o vírus do sangue

Cientistas da unidade secreta do Pentágono estão pesquisando vírus e desenvolvendo curas pandêmicas

Eles trabalham na Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA) e outros laboratórios do Pentágono

As equipes da DARPA viram o COVID-19 infectado 1.271 a bordo do USS Theodore Roosevelt enquanto o vírus se espalhava sem controle

Em resposta, eles desenvolveram um microchip para detectar COVID assintomático em uma tentativa de evitar um surto

O chip é inserido abaixo da pele e aciona um sensor se o COVID infectar o corpo

A DARPA também criou um filtro que pode remover o vírus COVID do sangue quando ligado à diálise

Eles estão trabalhando em uma vacina que funcionaria contra todos os coronavírus, mesmo aqueles ainda não identificados

A equipe também fabricou com sucesso anticorpos contra o Flu espanhol.





Cientistas do Pentágono que trabalham dentro de uma unidade secreta criada no auge da Guerra Fria criaram um microchip a ser inserido sob a pele, que detectará infecção pelo COVID-19, e um filtro revolucionário que pode remover o vírus do sangue quando ligado a uma máquina de diálise.

A equipe da Agência de Projetos de Pesquisa Avançada em Defesa (DARPA) trabalha há anos na prevenção e fim das pandemias.

Eles avaliam os problemas e vêm com soluções engenhosas, que às vezes aparecem mais de um romance de ficção científica do que de um laboratório de trabalho.

Uma de suas invenções recentes, eles disseram ao 60 Minutes da Emissora CBS dos EUA, na noite do último domingo 11 de Abril de 2021, foi de um microchip que detecta infecção por COVID em um indivíduo antes que possa se tornar um surto.

O microchip certamente provocará preocupações entre alguns sobre uma agência governamental implantar um microchip em um cidadão.


Oficiais que falaram com a equipe do 60 Minutes disseram que o Pentágono não está procurando rastrear cada movimento seu.


Uma explicação mais detalhada não foi dada.


O coronel aposentado Matt Hepburn, um médico de doenças infecciosas do exército que liderou a resposta da DARPA à pandemia, mostrou à equipe do 60 Minutes um gel semelhante a tecido, projetado para testar continuamente seu sangue.

O gel verde, visto em um laboratório, contém um microchip que detecta quando o corpo é infectado


"Você coloca debaixo da pele e o que isso lhe diz é que há reações químicas acontecendo dentro do corpo, e esse sinal significa que você vai ter sintomas amanhã", explicou.


Ele disse que eles foram inspirados pela luta para conter a propagação do vírus a bordo do USS Theodore Roosevelt, onde 1.271 membros da tripulação testaram positivo para o coronavírus.

"É como uma luz de "motor de verificação", disse Hepburn. (Uma referência ao Luciferase?)


Os marinheiros pegavam o sinal, auto-administravam uma coleta de sangue e se testam no local.


"Podemos ter essa informação em três a cinco minutos.


"À medida que você trunca esse tempo, enquanto você diagnostica e trata, o que você faz é parar a infecção em seus rastros."


É provável que as tropas sejam altamente céticas quanto à nova invenção.


Em fevereiro, o The New York Times informou que um terço das tropas se recusou a tomar a vacina, avistados preocupações de que a vacina contém um microchip criado para monitorar os receptores, que irá desativar permanentemente o sistema imunológico do corpo ou que é alguma forma de controle do governo.

Outra invenção da equipe de Hepburn é um filtro, que é colocado em uma máquina de diálise e remove o vírus do sangue.



O tratamento experimental de quatro dias foi dado ao "Paciente 16", um cônjuge militar, que estava na UTI com falência de órgãos e choque séptico.

"Você passa por ele, e ele tira o vírus, e coloca o sangue de volta", disse Hepburn.

Em poucos dias, o paciente 16 se recuperou completamente.

A FDA autorizou o filtro para uso emergencial, e foi usado para tratar cerca de 300 pacientes em estado crítico.

Outra agência do Pentágono, o Joint Pathology Institute, estuda amostras de tecidos de soldados e marinheiros infectados com patógenos em todo o mundo.

Eles têm em seus laboratórios tecidos de pacientes infectados com a Gripe Espanhola há 100 anos, e em 2005 uma equipe do hospital Mount Sinai e dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) conseguiu recriar o vírus.


Eles também encontraram sobreviventes, e fabricaram anticorpos para o vírus letal.


Um membro da equipe, Dr. James Crowe, encontrou uma maneira de encontrar anticorpos em um frasco de sangue em tempo recorde - reduzindo o prazo de seis para 24 meses para 78 dias.


A tecnologia que ele desenvolveu foi usada para ajudar a fazer anticorpos contra o COVID-19.


Atualmente, eles estão trabalhando em maneiras de acelerar o crescimento real de anticorpos - um processo que atualmente leva três semanas para 7.500 doses.


"Começaríamos com uma amostra de sangue de um sobrevivente, e faríamos tudo isso e lhe daríamos uma injeção da cura dentro de 60 dias", disse ele.


Outro cientista, Dr. Kayvon Modjarrad, está tentando criar uma vacina contra todos os coronavírus.


"Isso não é ficção científica, é fato científico", disse ele ao programa.


"Temos as ferramentas, temos a tecnologia, para fazer tudo certo agora."


Ele disse que o objetivo era ser capaz de vacinar pessoas contra vírus mortais que nem sequer foram identificados.


"Vírus assassinos que não vimos ou sequer imaginamos, estaremos protegidos contra", disse ele.


FONTE: DAILYMAIL

tradução: BDN

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.