Ads Top

Com o aumento da crise na fronteira da Ucrânia com a Rússia, O Presidente Ucraniano Zelensky ignora Joe Biden, e pede ajuda a Emmanuel Macron para que ele traga paz à situação


O acúmulo maciço de tropas russas ao longo da fronteira com a Ucrânia provocou novas tensões no leste da Ucrânia, onde as forças do governo lutam contra separatistas pró-russos desde 2014. "A soberania da Ucrânia está sob ameaça", disse o escritório de Macron em direção às negociações na sexta-feira, acrescentando: "Todo o nosso trabalho visa evitar uma escalada e aliviar as tensões". A reunião de Zelensky com os líderes da França e da Alemanha, que são mediadores do conflito desde 2015, ocorre quando a Ucrânia acusa a Rússia de ameaçar destruí-lo.


O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky convocou uma cúpula com seu homólogo russo Vladimir Putin, o presidente francês Emmanuel Macron e a chanceler alemã Angela Merkel para aliviar as tensões com Moscou após conversações em Paris na sexta-feira.

Neste momento, mais de 100.000 tropas russas estão na fronteira com a Ucrânia, Putin está expulsando diplomatas americanos em uma repreensão ao governo Biden pusilânime, e a guerra é apenas um ataque de partida. Então, quem é o presidente ucraniano Zelensky estendendo a mão para trazer alguma "paz e segurança" para esta situação? Como você tinha que perguntar. seriamente.


"Que nenhum homem o engane por qualquer meio: para que esse dia não venha,exceto que venha uma queda primeiro, e que o homem do pecado seja revelado, o filho da perdição; Que se opõe e exalta-se acima de tudo o que é chamado de Deus, ou que é adorado; para que ele como Deus se sente no templo de Deus, se enforcando que ele é Deus." 2 Tessalonicianos 2:3,4 (KJB)


Emmanuel Macron encontra-se, mais uma vez, no meio da ação enquanto a Rússia está se preparando para uma guerra total com a Ucrânia. Agora tudo isso pode parecer "notícia" para você, mas para mim, parece um ensaio geral para Ezequiel 39. Mas sou só eu.


"Quero reunir nós quatro" para discutir "a questão da situação de segurança no leste da Ucrânia e a deso ocupação de nossos territórios", disse Zelensky após uma reunião com Macron em Paris na qual Merkel participou por link de vídeo.


Os três líderes terminaram a reunião de sexta-feira pedindo à Rússia que retirasse tropas extras acumuladas na fronteira ucraniana e na Crimeia ocupada. Zelensky disse a repórteres que também esperava restaurar o cessar-fogo no leste da Ucrânia em uma próxima reunião de quatro conselheiros dos líderes da Rússia, França e Alemanha em 19 de abril. O cessar-fogo "foi produtivo no início, mas depois, infelizmente" terminou, disse Zelensky.


"SOBRE A SITUAÇÃO EM DONBAS, COM A UCRÂNIA E A ALEMANHA, CONTINUAMOS MOBILIZADOS E DETERMINADOS A TRAZER UMA SOLUÇÃO POLÍTICA – A ÚNICA POSSÍVEL." EMMANUEL MACRON


O acúmulo maciço de tropas russas ao longo da fronteira com a Ucrânia provocou novas tensões no leste da Ucrânia, onde as forças do governo lutam contra separatistas pró-russos desde 2014.


A SOBERANIA DA UCRÂNIA ESTÁ SOB AMEAÇA", DISSE O ESCRITÓRIO DE MACRON EM DIREÇÃO ÀS NEGOCIAÇÕES NA SEXTA-FEIRA, ACRESCENTANDO: "TODO O NOSSO TRABALHO VISA EVITAR UMA ESCALADA E ALIVIAR AS TENSÕES".

A reunião de Zelensky com os líderes da França e da Alemanha, que são mediadores do conflito desde 2015, ocorre quando a Ucrânia acusa a Rússia de ameaçar destruí-lo. As conversações tiveram como objetivo estabelecer as bases para uma reunião no formato da chamada "Normandia", que envolve os líderes da França, Alemanha, Ucrânia e Rússia, e não ocorrem desde dezembro de 2019. Ucrânia e Rússia trocaram a culpa por um aumento da violência no conflito no leste da Ucrânia, onde tropas ucranianas têm lutado contra forças apoiadas pela Rússia em um conflito que Kiev diz ter matado 14.000 pessoas desde 2014. A Ucrânia e seus aliados ocidentais acusaram a Rússia de um acúmulo "provocativo" de tropas perto da fronteira leste do país e anexaram a Crimeia.

As negociações de sexta-feira foram realizadas em meio ao aumento das tensões EUA-Rússia, com o governo Biden na quinta-feira anunciando a expulsão de 10 diplomatas russos e impondo sanções contra dezenas de pessoas e empresas, responsabilizando o Kremlin por interferência na eleição presidencial do ano passado e o hackeamento de agências federais. LEIA MAIS

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.