Ads Top

Irã busca armas de destruição em massa, diz relatório de inteligência do Governo Alemão

Publicamente, Teerã já negou diversas vezes que esteja desenvolvendo armamento nuclear, porém, relatório de inteligência alemão aponta que tanto o país persa como outros estão buscando tecnologia para tal.



O Irã está procurando desenvolver armas de destruição em massa com materiais de origem europeia, disse um relatório de 380 páginas da inteligência do Escritório do Estado da Baviera para a Proteção da Constituição (BayLfV, na sigla em alemão), segundo o The Jerusalem Post.


De acordo com o documento, não só Teerã estaria buscando desenvolver um estoque de armas destrutivas nucleares, mas também outros países como a Coreia do Norte e a Síria.


"Estados relevantes para a proliferação como Irã, Coreia do Norte, Síria e Paquistão estão fazendo esforços para expandir seu arsenal convencional de armas por meio da produção ou modernização constante de armas de destruição em massa", disse o relatório citado pela mídia.

O documento também aponta que para obter conhecimento necessário e os componentes correspondentes, os países citados estariam tentando estabelecer contatos comerciais com empresas em países de alta tecnologia como a Alemanha.


Sobre as armas de destruição em massa, a BayLfV define proliferação como "a disseminação não autorizada de armas atômicas, biológicas e químicas de destruição em massa ou os produtos usados ​​para sua fabricação, bem como os sistemas de porta-armas correspondentes, incluindo o conhecimento necessário".

O Hezbollah também é citado no documento, com o escritório mencionando a existência de 30 membros do grupo terrorista na Baviera e 1.050 membros em toda a Alemanha. As atividades do Hezbollah foram proibidas no país germânico em 2020.


O Irã constantemente nega a intenção de desenvolver armamento nuclear e no momento se encontra entre negociações com os EUA no objetivo de restaurar o acordo nuclear, conhecido como Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), que visa o não desenvolvimento de armas nucleares.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.