Ads Top

Chanceler Alemã Angela Merkel exige que Vladimir Putin retire tropas da fronteira em ponto de inflamação, já que a guerra entre a Rússia e a Ucrânia parece iminente

"O chanceler exigiu que esse acúmulo fosse desenrolado para desescalar a situação", disse o governo alemão em uma leitura de um telefonema entre Merkel e Putin. O Kremlin, por sua vez, disse em sua leitura do telefonema que "Vladimir Putin observou ações provocativas de Kyiv que está deliberadamente inflamando a situação ao longo da linha de contato". Também na quinta-feira, a secretária de Imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse que os Estados Unidos estavam discutindo movimentos de tropas russas com seus aliados da OTAN. "A Rússia agora tem mais tropas na fronteira com a Ucrânia do que em qualquer momento desde 2014", disse Psaki a repórteres.



A chanceler alemã Angela Merkel disse ao presidente russo Vladimir Putin na quinta-feira para retirar um acúmulo militar perto da fronteira do país com a Ucrânia, em meio a tensões crescentes na região de Donbas, atingida pelo conflito.

Uma rápida olhada nas manchetes do fim do tempo nos mostra os "três grandes" da Rússia, China e Irã tão grossos quanto ladrões em caveira e intriga internacional profética em uma variedade de frentes. Não só a Rússia e a China estão assumindo a liderança dos Estados Unidos no trato com o Irã e suas ambições nucleares, mas Putin já colocou 100.000 tropas russas na fronteira com a líder alemã Angela Merkel exigindo agora que ele recue imediatamente.

Tic, tac, pessoal, marcam no relógio da profecia enquanto as nações do mundo começam a se alinhar em obediência inconsciente à palavra profética da verdade contida na Bíblia sagrada em Ezequiel 37 ao 39. Agora que não há ninguém no comando da América, o eixo do mal no Oriente Médio e na Ásia é capaz de subir sem obstáculos.


Tropas do governo ucraniano têm lutado contra separatistas apoiados pela Rússia nas regiões oriental de Donetsk e Lugansk, que fazem parte de Donbas, desde que os rebeldes tomaram uma faixa de território lá em abril de 2014. Os temores de uma escalada nas hostilidades aumentaram nas últimas semanas, com a Ucrânia levantando o alarme sobre o aumento das forças russas ao longo da fronteira compartilhada dos países e novos confrontos na linha de frente.


"A CHANCELER EXIGIU QUE ESSE ACÚMULO FOSSE DESENROLADO PARA DESESCALAR A SITUAÇÃO", DISSE O GOVERNO ALEMÃO EM UMA LEITURA DE UM TELEFONEMA ENTRE MERKEL E PUTIN.


O Kremlin, por sua vez, disse em sua leitura do telefonema que "Vladimir Putin observou ações provocativas de Kyiv que está deliberadamente inflamando a situação ao longo da linha de contato". Também na quinta-feira, a secretária de Imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse que os Estados Unidos estavam discutindo movimentos de tropas russas com seus aliados da OTAN.


"A Rússia agora tem mais tropas na fronteira com a Ucrânia do que em qualquer momento desde 2014", disse Psaki a repórteres, referindo-se ao período em que a Rússia anexou a região da Crimeia na Ucrânia. "Cinco soldados ucranianos foram mortos só esta semana. Todos esses são sinais profundamente preocupantes", acrescentou.


Enquanto isso, O presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy voou para a linha de frente do conflito de Donbas na quinta-feira. Imagens divulgadas pelo escritório de Zelenskyy mostraram o líder de 43 anos nas trincheiras vestido com um capacete e colete à prova de balas, distribuindo prêmios aos soldados ucranianos e apertando as mãos.


"OBRIGADO POR MANTER AS PESSOAS CALMAS E DEFENDER NOSSA TERRA", DISSE ZELENSKYY ÀS TROPAS DURANTE A VIAGEM. "VOCÊ É UM VERDADEIRO EXEMPLO DE HEROÍSMO E DEDICAÇÃO. LEMBRAMOS DE TODOS OS GUERREIROS QUE MORRERAM DEFENDENDO NOSSO ESTADO."


Zelenskyy no início desta semana pediu à OTAN que estabelecesse um caminho para a Ucrânia se juntar ao bloco militar, cuja expansão Moscou se opõe ferozmente, dizendo que era a única maneira de acabar com o conflito em Donbas. Ele disse que tal medida agiria como um "poderoso impedimento" à Rússia, que anexou a Península da Crimeia da Ucrânia em março de 2014 após uma revolta que derrubou o ex-presidente amigo do Kremlin Viktor Yanukovych.


Zelensky acusou a Rússia de flexionar seus músculos militares sobre o acúmulo de tropas ao longo de sua fronteira compartilhada. A Rússia disse anteriormente que suas forças não representam nenhuma ameaça e estavam na defensiva, mas que ficariam lá enquanto Moscou quisesse.


No entanto, Moscou anunciou na terça-feira que havia iniciado uma inspeção planejada da prontidão de combate de seu exército envolvendo milhares de exercícios. Aumentando as preocupações de um confronto em larga escala potencialmente iminente, um alto funcionário do Kremlin disse na quinta-feira que a Rússia poderia, sob certas circunstâncias, ser forçada a defender seus cidadãos em Donbas.


Dmitry Kozak, vice-chefe da administração presidencial da Rússia, foi citado pela agência de notícias russa Tass dizendo que o governo da Ucrânia era como "crianças brincando com fósforos".


"Apoio a avaliação de que o início da ação militar – este seria o início do fim da Ucrânia", disse ele. LEIA MAIS

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.