Ads Top

Twitter e Facebook irão censurar ainda mais conteúdo que não seja de viés esquerdista, após matéria bombática do NEW YORK POST sobre E-MAILS secretos que envolveram Hunter Biden e empresa Burisma da Ucrânia; Comprovando que Joe Biden mentiu

 

O Facebook estava limitando a distribuição da história enquanto seus verificadores de fatos externos revisavam suas alegações, disse o porta-voz Andy Stone. Isso significa que os algoritmos da plataforma não colocarão postagens vinculando-se à história tão bem nos feeds de notícias das pessoas, reduzindo o número de usuários que a vêem. Witter foi mais longe. Ele está bloqueando os usuários de postar fotos dos e-mails ou links para as matérias do Post referentes a eles, disse o porta-voz Trenton Kennedy, citando suas regras contra "distribuir diretamente conteúdo obtido através de hackers que contenham informações privadas".

Facebook e Twitter tomaram medidas na quarta-feira para limitar a distribuição de uma matéria do New York Post fazendo afirmações não confirmadas sobre o candidato presidencial democrata Joe Biden, liderando a campanha do presidente Trump e aliados para acusar as empresas de censura.

Há indignação esta noite em todas as mídias sociais, pois os conservadores estão encontrando seus artigos não sendo autorizados a serem compartilhados, e em alguns casos, encontrando-se bloqueados de suas contas no Twitter e Facebook. Por que isso está acontecendo? Porque o New York Post divulgou uma matéria mostrando e-mails de Hunter Biden provando que o candidato democrata ao presidente Joe Biden mentiu repetidamente sobre o que sabia sobre o escândalo da Ucrânia da Burisma. Quando tanta verdade sai 20 dias antes da eleição, os liberais que dirigem o Twitter e o Facebook começam a desligar as vozes conservadoras. É a única maneira que eles podem ganhar, mas como vemos, é apenas aumentando o apoio dos eleitores ao presidente Trump.

Facebook e Twitter limitam compartilhar matéria do New York Post sobre Joe Biden provocando protesto de censura

DA NPR: Ambas as empresas de mídia social disseram que os movimentos visavam retardar a disseminação de informações potencialmente falsas. Mas eles deram poucos detalhes sobre como chegaram às suas decisões, provocando críticas sobre a falta de clareza e consistência com que aplicam suas regras.


A reportagem do New York Post publicada na quarta-feira citou e-mails, supostamente enviados pelo filho de Biden, Hunter, que a imprensa diz ter sido do advogado privado do presidente Donald Trump, Rudy Giuliani, e do ex-conselheiro de Trump Steve Bannon.



O Facebook estava limitando a distribuição da história enquanto seus verificadores de fatos externos revisavam suas alegações, disse o porta-voz Andy Stone. Isso significa que os algoritmos da plataforma não colocarão postagens vinculando-se à história tão bem nos feeds de notícias das pessoas, reduzindo o número de usuários que a vêem. No entanto, a história ainda foi curtida, compartilhada ou comentada mais de 290.000 vezes no Facebook, de acordo com dados do CrowdTangle, uma ferramenta de pesquisa de propriedade do Facebook.

Stone disse que o Facebook às vezes dá esse passo se ver "sinais" de que algo ganhando tração é falso, para dar tempo aos verificadores de fatos para avaliar a história antes que ela se espalhe amplamente. Ele não deu mais detalhes sobre quais sinais o Facebook usa ou com que frequência ele adota essa abordagem.

O Twitter foi além. Ele está bloqueando os usuários de postar fotos dos e-mails ou links para as matérias do Post referentes a eles, disse o porta-voz Trenton Kennedy, citando suas regras contra "distribuir diretamente conteúdo obtido através de hackers que contenham informações privadas".

Os usuários que tentam compartilhar o link no Twitter são mostrados um aviso dizendo: "Não podemos concluir essa solicitação porque este link foi identificado pelo Twitter ou nossos parceiros como sendo potencialmente prejudicial." Se um usuário clica em um link já postado no Twitter, ele é levado para uma tela de aviso dizendo "este link pode ser inseguro", que eles têm que clicar passado para ler a história. O Twitter também exigiu que o Post apagasse seu tweet sobre a história, disse Kennedy.

O Twitter disse que decidiu bloquear a história porque não tinha certeza sobre as origens dos e-mails. Mas a empresa se recusou a comentar como havia chegado a essa decisão ou que evidência tinha pesado. LEIA MAIS

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.