Ads Top

Governo Trump reconhece que Jerusalém faz parte de Israel



Os cidadãos norte-americanos nascidos em Jerusalém terão permissão para listar Israel como seu local de nascimento em seu passaporte norte-americano, aludiu ao governo Trump na quarta-feira.


O Politico primeiro relatou o desenvolvimento, citando um funcionário dos EUA, acrescentando que o anúncio poderia ser feito já na quinta-feira.


Apesar de os Estados Unidos reconhecerem Jerusalém como a capital de Israel em dezembro de 2017 e realocarem sua embaixada de Tel Aviv meses depois, os americanos nascidos em Jerusalém ainda não conseguiram listar Israel como seu local de nascimento em seu passaporte americano. Atualmente, essas pessoas só podem listar “Jerusalém” como tal em seu passaporte americano.


O funcionário disse ao Politico que a nova política, pelo menos na quarta-feira, é que os cidadãos americanos nascidos em Jerusalém possam solicitar que Israel seja listado como o país ou que mostre “Jerusalém”.


Para cidadãos norte-americanos nascidos fora dos Estados Unidos, os passaportes norte-americanos geralmente mostram o local de nascimento, e não as cidades. Portanto, não haveria uma terceira opção para listar “Jerusalém, Israel” como local de nascimento. Os passaportes americanos para cidadãos nascidos nos Estados Unidos incluem a cidade de nascimento.


Em 2015, a Suprema Corte dos Estados Unidos determinou que o poder executivo tem o poder exclusivo de conceder o reconhecimento de estados soberanos, derrubando uma ação do Congresso para ordenar que o executivo mude sua posição sobre Jerusalém. Embora na época a decisão tenha sido uma vitória para o governo Obama, que vinha defendendo uma política que não reconhecia nenhum estado como tendo soberania sobre Jerusalém, agora permitiu que o governo Trump mudasse o rumo na questão do passaporte.


Sarah Stern, fundadora e presidente da Endowment for Middle East Truth (EMET) disse que este importante movimento “mostra que a América não só reconheceu Jerusalém como a capital de Israel ao mover a embaixada, mas que os cidadãos americanos nascidos em Jerusalém não serão mais apátridas.”


Daniel Mariaschin, CEO da B’nai B’rith International, disse à JNS “este é um desenvolvimento muito bem-vindo.”


“Assim como o estabelecimento da embaixada dos Estados Unidos ali, este reconhecimento da capital de Israel é mais uma afirmação do princípio crucial de que Jerusalém é, e sempre será, a capital de Israel”, disse ele.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.