Ads Top

Sheik Abdullah bin Zayed diz às Nações Unidas que assinar o acordo de Abraão significa a criação do Estado Palestino com Jerusalém Oriental como sua capital

 "O apelo para a criação de um Estado palestino independente nas fronteiras de 1967 com Jerusalém Oriental como sua capital, em consonância com as resoluções internacionais relevantes e o consenso árabe e internacional continuará sendo uma demanda firme", disse o Sheik Abdullah bin Zayed Al Nahyan.


Os Emirados Árabes Unidos insistirão em uma resolução de dois Estados para o conflito israelo-palestino com base nas linhas pré-1967, apesar do acordo de paz dos Acordos de Abraão que assinou com Israel no início deste mês, disse o ministro das Relações Exteriores dos Emirados Árabes Unidos, Sheikh Abdullah bin Zayed, à Assembleia Geral da ONU na terça-feira.

Algumas semanas atrás, contamos tudo sobre o Xeque Mohammed bin Zayed dos Emirados Árabes Unidos, e mostramos como ele era uma força principal e orientadora nos Acordos de Abraão, e mais profundo do que isso, seu papel na Casa da Família Abraâmica e a criação de Chrislam com o Papa Francisco. Seu irmão, o Xeque Abdullah bin Zayed, levantou-se em frente à Assembleia Geral das Nações Unidas ontem e deixou cair o outro sapato. Os Acordos de Abraão significa a criação do Estado palestino com Jerusalém Oriental como sua capital. Queda de microfone.


"Eu também reunirei todas as nações, e as levarei para o vale de Jehoshaphat, e implorarei a elas lá pelo meu povo e pela minha herança Israel, a quem se espalharam entre as nações, e separaram minha terra." Joel 3:2 (KJB)


Então, como lhe dissemos desde o início, desde o início até 13 de agosto, os Acordos de Abraão é a isca brilhante no poste de pesca dos tempos finais que brilhava para hipnotizar que Israel não resistia a dar uma mordida. Agora que o gancho está na boca deles, a linha está sendo enrolada, e leva você direto para o pacto Daniel 9 que Anticristo confirma em um futuro não muito distante. É incrível considerar que toda a mera existência da Assembleia Geral das Nações Unidas é um cumprimento da promessa de Deus de "reunir as nações" no julgamento dos tempos finais.


"Portanto, esperem por mim, diz o SENHOR, até o dia em que eu me levantar até a presa: pois minha determinação é reunir as nações, para que eu possa reunir os reinos, para derramar sobre eles a minha indignação, mesmo toda a minha raiva feroz: pois toda a terra será devorada com o fogo do meu ciúme." Zephaniah 3:9 (KJB)

Emirados Árabes Unidos: Estado palestino nas linhas de 1967 é imperdível apesar do acordo de paz dos Acordos de Abraão com Israel

DO POSTO DE JERUSALÉM: "O apelo para a criação de um Estado palestino independente nas fronteiras de 1967 com Jerusalém Oriental como sua capital, em consonância com as resoluções internacionais relevantes e o consenso árabe e internacional continuará sendo uma demanda firme", disse ele.


Os palestinos disseram que os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein os traíram cantando acordos de normalização com Israel. Os líderes dos dois países têm insistido que a normalização com Israel e um Estado palestino nas linhas pré-1967 pode ir de mãos dadas, mesmo que intermediada pelos EUA, que junto com Israel rejeita essas fronteiras.


O plano de paz do presidente dos EUA, Donald Trump, permite que Israel anexe até 30% da Cisjordânia e reconhece sua soberania sobre a maior parte de Jerusalém, incluindo a Cidade Velha. Mas concordou em suspender a anexação em favor de um acordo com os Emirados Árabes Unidos.


Os Emirados Árabes Unidos rejeitariam qualquer esforço israelense para anexar partes da Cisjordânia, disse Bin Zayed à UNGA em um endereço virtual.


"Meu país tem feito esforços persistentes usando todos os canais diplomáticos disponíveis para afirmar nossa total rejeição à anexação do território palestino, e alertamos para seu impacto em todas as partes e na segurança da região", disse ele.


"COM A ASSINATURA DE UM ACORDO DE PAZ HISTÓRICO COM ISRAEL, APOIADO PELOS ESFORÇOS AMERICANOS, MEU PAÍS FOI CAPAZ DE CONGELAR A DECISÃO DE ANEXAÇÃO E ABRIU AMPLAS PERSPECTIVAS PARA ALCANÇAR UMA PAZ ABRANGENTE NA REGIÃO", ACRESCENTOU.


Bin Zayed disse esperar que o acordo com Israel "forneça a oportunidade para os palestinos e israelenses se reengajarem nas negociações para alcançar a paz". LEIA MAIS

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.