Ads Top

Fratelli Di Italia (Irmão da Itália): Italianos vão à rua contra bloqueios do Governo perante segunda onda do Coronavírus (Com Vídeos)

 


Manifestantes foram às centenas em Turim, Milão e outras cidades e cidades italianas na segunda-feira para desabafar sua raiva, às vezes violentamente, nas últimas restrições pandêmicas que forçam restaurantes e cafés a fechar cedo e fechar cinemas, academias e outros locais de lazer.


Na cidade de Turim, no norte, alguns manifestantes romperam com um protesto pacífico, quebrando janelas de lojas em uma elegante rua comercial, colocando bombas de fumaça e jogando garrafas na polícia em uma praça principal da cidade onde está sediada o governo regional do Piemonte, informou a TV estatal RAI.


Um fotógrafo foi ferido por uma garrafa arremessada, disse rai. A polícia disparou gás lacrimogêneo para limpar os manifestantes na Piazza del Castello.


Nessa mesma praça, horas antes, cerca de 300 táxis se alinharam pacificamente em filas limpas para chamar a atenção para suas perdas econômicas com a implosão do turismo e o desaparecimento de trabalhadores do centro da cidade enquanto fazem seus trabalhos remotamente durante a pandemia.


Desencadeando a violência em Turim estavam um grupo de "ultras", como os fãs violentos de futebol são conhecidos, informou a agência de notícias LaPresse. Dizia que cinco dos manifestantes foram detidos pelas autoridades.


Na capital italiana, Milão, a polícia usou gás lacrimogêneo para dispersar manifestantes na segunda-feira à noite, e um jornalista da Associated Press viu pelo menos duas pessoas detidas.


Os protestos começaram logo após a ordem do governo nacional ter efeito exigindo que bares, cafés e restaurantes fechassem suas portas às 18h pelos próximos 30 dias, enquanto a Itália tenta controlar o ressurgimento de infecções por coronavírus nas últimas semanas.


Como a maioria dos italianos não janta antes das 19h30, o decreto efetivamente eliminou a maior parte da receita já reduzida dos restaurantes na pandemia, embora a entrega e a entrega possam continuar até meia-noite.


A repressão foi anunciada no domingo, um dia depois que a Itália registrou mais de meio milhão de casos confirmados de coronavírus desde o surto da pandemia.


Na semana passada, uma marcha pacífica de lojistas e outros empresários em Nápoles, chateada com um toque de recolher regional que ordena que os cidadãos saiam das ruas às 23h, tornou-se violenta perto da sede da região da Campânia.


Investigadores foram citados na mídia italiana dizendo que a violência, na qual policiais foram feridos, trazia a mão da Camorra, o grupo local do crime organizado.


Um dia depois, um grupo político de extrema direita organizou uma violenta manifestação no centro de Roma.


Cidades menores, incluindo Catania, na Sicília, e cidades também viram protestos na segunda-feira. Em Cremona, uma cidade no norte da Lombardia, proprietários de restaurantes apareceram em frente ao escritório do Ministério do Interior local. Depois de bater em panelas e proibições, eles os deixaram empilhados na rua para destacar seus problemas econômicos agravados pelo último decreto de desligamento antecipado, informou a agência de notícias ANSA.

Vídeos: 












Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.