Ads Top

Centenas de muçulmanos protestam no Monte do Templo contra os desenhos da Charlie Hebdo de Maomé; e a revolta contra Macron



Centenas de pessoas protestaram no Monte do Templo de Jerusalém na sexta-feira contra a promessa do presidente francês Emmanuel Macron de proteger o direito de caricaturar o profeta Muhammad, com três presos após brigas com a polícia.

Os manifestantes gritavam, “com nossas almas e com nosso sangue nós sacrificamos por nosso profeta, Maomé”, e o que a Polícia de Israel descreveu como “slogans nacionalistas”.

Os manifestantes também chamaram Macron de “o inimigo de Deus”.

A polícia disse ter dispersado os “desordeiros” e prendido três pessoas por conduta desordeira.

Segundo relatos, centenas de palestinos também participaram de uma marcha condenando os comentários de Macron no bairro de Kafr Aqab em Jerusalém e no campo de refugiados Qalandiya vizinho.

Os manifestantes usavam tiaras declarando que o insulto a Maomé era uma linha vermelha e agitavam bandeiras com a declaração de fé islâmica.

Os comentários do presidente francês continuaram a perturbar o mundo muçulmano.

Estima-se que 2.000 fiéis celebrando o Mawlid, aniversário do Profeta Muhammad, foram às ruas na cidade de Lahore, no leste do Paquistão. Multidões lideradas por partidos islâmicos gritaram slogans anti-França, ergueram faixas e obstruíram as estradas principais a caminho de um santuário sufi.

Dezenas de pessoas pisaram furiosamente nas bandeiras francesas e clamaram pelo boicote aos produtos franceses. Em Multan, uma cidade na província de Punjab, no leste do Paquistão, milhares queimaram uma efígie de Macron e exigiram que o Paquistão rompesse os laços com a França.

Mais reuniões foram planejadas para sexta-feira no Paquistão, incluindo a capital Islamabad, onde a polícia estava em força para evitar possíveis manifestações fora da embaixada francesa. A atmosfera estava tensa quando a polícia posicionou contêineres para bloquear as estradas.

Outros protestos, em grande parte organizados por islâmicos, são esperados em toda a região, incluindo no Líbano e na Faixa de Gaza.

No Afeganistão, membros do partido islâmico Hezb-i-Islami incendiaram a bandeira francesa. Seu líder, Gulbuddin Hekmatyar, alertou Macron que se ele não “controlar a situação, iremos para uma terceira guerra mundial e a Europa será a responsável”.

Os protestos ocorrem em meio a tensões crescentes entre a França e as nações de maioria muçulmana, que explodiram no início deste mês quando um jovem muçulmano decapitou um professor francês que havia mostrado caricaturas do profeta Maomé em sala de aula.

Essas imagens, republicadas pela revista satírica Charlie Hebdo para marcar a abertura do julgamento pelo ataque mortal de 2015 contra a publicação, despertaram a ira de muçulmanos em todo o mundo que consideram as representações do profeta uma blasfêmia.

Seguiu-se uma série de ataques que as autoridades francesas atribuíram ao extremismo muçulmano.

Na quinta-feira, um tunisiano armado com uma faca e carregando uma cópia do Alcorão matou três pessoas em uma igreja na cidade mediterrânea de Nice. No mesmo dia, um homem saudita esfaqueou e feriu levemente um guarda de segurança no consulado francês em Jiddah, na Arábia Saudita, o que levou a França a exortar seus cidadãos a ficarem em “alerta máximo”.

Na semana passada, protestos e apelos para boicotar os produtos franceses se espalharam rapidamente de Bangladesh ao Paquistão e Kuwait. A mídia social tem pulsado com hashtags anti-França. Os líderes muçulmanos, em particular o presidente turco Recep Tayyip Erdogan, criticaram veementemente a França pelo que consideram a postura provocativa e antimuçulmana do governo.

O ataque de quinta-feira em Nice também atraiu condenações de líderes de países que expressaram indignação com as caricaturas, como Arábia Saudita, Paquistão e Egito.

Em um sermão de sexta-feira transmitido ao vivo pela TV estatal egípcia, o ministro das instituições religiosas do país parecia denunciar qualquer retaliação violenta pelos desenhos animados.

“O amor pelo profeta não pode ser expresso matando, sabotando ou respondendo ao mal com o mal”, disse Mohamed Mokhtar Gomaa, dirigindo-se a dezenas de fiéis em uma mesquita na província egípcia de Daqahleya, no Delta.

Hussein al-Sheikh, alto funcionário da Autoridade Palestina, também condenou os ataques, dizendo que “o assassinato de inocentes é proibido do ponto de vista da religião, moralidade e humanidade”.

Fonte: Times Of Israel.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.