Ads Top

Segunda onda da Covid-19, está avançando mais rápido na Europa do que na primeira onda

 


Desde o início da pandemia de coronavírus, os especialistas alertaram para uma segunda onda de contaminação após as infecções serem controladas em um primeiro momento. Atualmente, a Europa passa por essa fase, onde as contaminações voltaram a crescer descontroladamente, e, segundo Arnaud Fontanet, infectologista e conselheiro científico do governo francês no combate à Covid-19, a segunda onda está se espalhando mais rápido que a primeira.

"O vírus está circulando com mais rapidez", alertou Fontanet em entrevista à televisão francesa. O infectologista explicou que a França conseguiu controlar o coronavírus no final de julho, porém, com o relaxamento de algumas medidas, os casos subiram novamente no fim de agosto. "Houve uma semana de frio em setembro e todos os indicativos foram na direção errada novamente em toda a Europa", acrescentou.

á Martin Hirsch, diretor-geral de uma rede de hospitais públicos em Paris, afirmou que é "possível que a segunda onda seja pior que a primeira". Ele explicou que, nos últimos meses, houve uma falsa percepção que o retorno da pandemia não seria forte, mas sim apenas uma "ondinha". Os números mostram, porém, que aconteceu o contrário.

De acordo com Fontanet, os hospitais devem enfrentar uma situação tão crítica quanto a do pico da pandemia. Na França, por exemplo, já são 2.239 pacientes internados em unidades de terapia intensiva. Este é o maior número de casos dessa gravidade desde maio. "Nós temos as ferramentas para nos proteger do vírus, mas enfrentaremos um período difícil", finalizou o infectologista.

Menina de 14 anos descobre possível medicamento

A corrida de cientistas por um tratamento efetivo no combate à Covid-19 ganhou mais uma "competidora". Uma jovem estudante do Texas chamada Anika Chebrolu, de 14 anos, recebeu o prêmio de Melhor Jovem Cientista da América de 2020 por descobrir um possível antiviral que pode se conectar ao Sars-Cov-2 e inviabilizar o vírus.


Para chegar ao medicamento, a jovem utilizou simulações de computador para rastrear moléculas que conseguem se ligar à proteína Spike do vírus e bloqueá-la. Ao fazer isso, o vírus não consegue infectar as células hospedeiras. Segundo especialistas, a proteína é realmente o caminho para o tratamento, e ela é o alvo dos anticorpos do sistema imunológico.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.