Ads Top

Paz e Segurança: Após o acordo de Abraão assinado, estamos prestes a ver Judeus e Muçulmanos orarem juntos no monte do Terceiro Templo em Jerusalém?

Na esteira dos recentes Acordos de Abraão, existe a possibilidade de que, pela primeira vez, poderíamos ver muçulmanos e judeus lado a lado no Monte do Templo em Jerusalém oração juntos.

Como sempre lhe dissemos, tudo na profecia bíblica se relaciona com Israel em geral e com Jerusalém e o Monte do Templo em particular. Jerusalém na joia da coroa porque é o lugar onde Deus colocou seu nome, tão naturalmente, é também o lugar que Satanás quer tomar para o seu próprio. Lucas 21 nos mostra o tempo em que ele realmente vai colocar as mãos nele por um tempo, e os Acordos de Abraão é o que vai tornar tudo isso possível.


"Mas dos tempos e das estações, irmãos, vós não tem necessidade de que eu escreva para vocês. Para vocês sabem perfeitamente que o dia do Senhor tão vem como um ladrão durante a noite. Para quando eles devem dizer, paz e segurança; em seguida, destruição súbita vem sobre eles, como travail sobre uma mulher com criança; e eles não devem escapar. 1 Tessaloniceses 5:1-3 (KJB)


A razão pela qual Israel e os palestinos nunca fizeram as pazes porque ambos reivindicam Jerusalém como sua capital, e nenhum dos lados está desistindo disso. O presidente Trump avançou Israel muitos passos à frente quando os Estados Unidos reconheceram oficialmente Jerusalém como a capital de Israel em 2017. Mas mesmo isso não selou totalmente o acordo, então outra maneira teve que ser concebida. Os Acordos de Abraão, para usar a linguagem do futebol, é o "fim perfeito ao redor do meio" para fazer um tratado de paz entre os judeus e várias outras nações muçulmanas, afastando os palestinos e forçando-os a ir à mesa. Touchdown! E mesmo que a profecia bíblica tenha alertado sobre isso por 2.000 anos, parece ter pego todos de surpresa. Você nunca vai passar ou mesmo alcançar aquela bíblia empoeirada, velha e arcaica do Rei James. Vencedor e ainda campeão.


"Pois assim, diz o SENHOR; Ouvimos uma voz de tremor, de medo, e não de paz. Pergunte a vós agora, e veja se um homem faz problemas com a criança? por isso vejo cada homem com as mãos em seus lombos, como uma mulher em dificuldade, e todos os rostos são transformados em palidez? Infelizmente! para esse dia é grande, de modo que ninguém é como ele: é mesmo o tempo dos problemas de Jacó; mas ele deve ser salvo fora dele. Jeremias 30:5-7 (KJB)


Mas enquanto o O escritor judeu do Jerusalem Post citado abaixo está se alegrando com a perspectiva, os crentes bíblicos sabem que o que está por vir é a falsa paz e segurança que atrairão os judeus para o fim dos tempos de mel do tempo dos problemas de Jacó. Na verdade, os judeus já estão na armadilha. Os Acordos de Abraão não é o pacto daniel 9:27, mas adivinha? Isso te leva direto para lá. O tempo dos problemas de Jacó é muito, muito em breve.


"Quando vós, portanto, verão a abominação da desolação, falada por Daniel, o profeta, fique no lugar sagrado, (whoso readeth, deixe-o entender:) Em seguida, deixe-os que estão na Judaísia fugir para as montanhas:" Mateus 24:15,16 (KJB)

Todos os olhos podem estar no Monte do Templo após o acordo Emirados Árabes Unidos-Israel Abraham

DO POSTO DE JERUSALÉM: Quando dedicou o Templo que construiu no Monte Moriah, o rei Salomão orou para que a casa de Deus fosse um centro de oração para todos os povos do mundo. Agora, na esteira dos recentes Acordos de Abraão – o acordo de normalização firmado por Israel, Emirados Árabes Unidos e Bahrein – existe a possibilidade de que a aspiração de Salomão possa ser recriada.


Parte da justificativa declarada para os acordos foi criar acesso aprimorado para todos os muçulmanos adorarem na Mesquita de Al-Aqsa. Isso foi elevado, com intenção humanitária, e um gesto de realpolitik projetado para desacreditar tanto a acusação reflexo de que os judeus estavam de alguma forma atacando al-Aqsa e estavam "judaizando Jerusalém".


COMO ESSA VISÃO SALOMÔNICA PODE OCORRER? SIMPLESMENTE POR TER VÁRIOS EMIRS E IMÃS DOS PAÍSES DO GOLFO VÊM AO MONTE DO TEMPLO PARA ORAR. BEM, UM POUCO MAIS DO QUE ISSO.


Seria uma coisa, não muito notável, que esses líderes fizessem uma aparição cerimonial em al-Aqsa. Isso, é claro, seria uma validação e uma prova dos benefícios que os muçulmanos acumulam para entrar nos acordos.


NO ENTANTO, IMAGINE AGORA SE ESSES MESMOS LÍDERES SE POSICIONAREM NOS ESPAÇOS ABERTOS DO MONTE DO TEMPLO, AO LADO DE LÍDERES JUDEUS, RELIGIOSOS E POLÍTICOS, PARA ORAR JUNTOS.


Deixando de lado a coreografia exata e a logística, o pensamento e a imagem são nada menos que de tirar o fôlego. Por falar em bater espadas em arados! A realidade dos muçulmanos orando ao lado de judeus envia uma mensagem inconfundível de reconciliação e harmonia que deve emocionar cada pessoa que está interessada na paz. Uma pergunta lógica provavelmente seria por que isso aconteceria em primeiro lugar. Para responder a isso, devemos, antes de tudo, lembrar que este é o Oriente Médio, onde poucas coisas são simples ou como parecem.


A esse respeito, temos que ver a mesma combinação de intenção elevada e considerações políticas duras que operam aqui, como fazem nas declarações mencionadas acima sobre os muçulmanos serem livres para adorar em al-Aqsa. Politicamente, cada lado começa a usar o outro para seus propósitos, e cada lado sabe e aprova que o outro está fazendo isso. Como tal, há motivações paralelas, mas ambas envolvem enfiar um dedo no olho da confiança religiosa islâmica wakf, e por extensão os governantes jordanianos, os Hashemites. A história mais historicamente interessante diz respeito às motivações dos Emirati. Aqui estamos lidando com lutas políticas/teológicas muçulmanas "dentro do Beltway" que vem acontecendo há mais de 1.300 anos.


A questão é a primazia relativa de Meca e Jerusalém para os muçulmanos. É sabido que Jerusalém nunca é mencionada no Alcorão, e seu significado é baseado em vários Hadiths, comentários, que concedem retrospectivamente significado a Jerusalém.


A motivação histórica para conceder significado a Jerusalém veio do califado omíada, com sede em Damasco, que estava envolvido em uma luta de primazia com a liderança em Meca. Elevar Jerusalém tornou-se uma maneira de elevar os Omíyads em sua busca para ser visto como os legítimos herdeiros do manto de Maomé. Esta elevação envolveu não apenas a construção da Mesquita de Aqsa e do santuário Domo da Rocha, mas de acordo com o significado interpretativo de Aqsa como a "mesquita mais distante", uma em par com a mesquita em Meca.


Então, houve rivalidade e algum sangue ruim todos esses milênios sobre isso, e agora em uma deliciosa reviravolta irônica, os Emiratis – em nome de seus primos, os sauditas – podem dar um golpe contra seus rivais de longa data, os Hashemites da Jordânia.


Simplesmente declarados,ao estarem no Monte do Templo e orando ao lado de judeus, esses muçulmanos estão enviando a mensagem inconfundível para os cognoscentes muçulmanos de "Olhe. Será que alguma vez permitiríamos que os judeus rezassem na Caaba? Ou mesmo para aparecer lá? Claro que não. Porque a Caaba é de santidade suprema." Supremo também significa maior – como em Maior que Jerusalém, maior que a província dos hashemitas.


ASSIM, A ORAÇÃO INTER-RELIGIOSA NÃO SÓ ENVIA UMA GRANDE MENSAGEM DE TOLERÂNCIA AO MUNDO, MAS TAMBÉM CLARAMENTE ORDENA PRIORIDADES TEOLÓGICAS INTRA-MUÇULMANAS.


Para os judeus,a oração com os muçulmanos por definição significa que os próprios judeus estão realmente orando no Monte do Templo. Isso dá um enorme golpe contra o Wakf-exigido e impôs status quo de nenhuma oração judaica no Monte do Templo.


Alguém acha que por um segundo nosso primeiro-ministro, um defensor vocal do status quo, se recusaria a adorar ao lado de líderes emirati no Monte do Templo? Claro que não. E o Wakf ou os jordanianos ousariam levá-lo para a tarefa?


Por razões de sua própria preocupação, os líderes emirati ajudariam a normalizar a presença judaica na montanha, e não apenas tolerar, mas também participar da oração judaica. E com tal hecsher (o selo kosher), o status da oração judaica na montanha pode ser permanentemente alterado. A resposta a tudo isso pode ser que eu acabei de girar um cenário fantasioso repleto de pensamentos desejosos. Talvez, mas o mesmo não poderia ser dito dois anos atrás sobre os próprios Acordos de Abraão?


Estamos vivendo em um tempo de mudanças tectônicas, boas e ruins. A mudança que eu imagino e espero seria profundamente positiva. O Rei Salomão ficaria feliz em olhar para baixo e ver tudo acontecer. LEIA MAIS

Fonte:https://www.nowtheendbegins.com/peace-safety-after-signing-abraham-accords-jews-muslims-pray-together-temple-mount-jerusalem/

Tradução: BDN

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.