Ads Top

Após suspenderem injustamente a conta do New York Post devido o vazamento de Hunter Biden com empresa Ucraniana; Twitter volta atrás atualiza política e conta do New York post pode voltar a usar a conta no microblog



O Twitter alterou novamente sua política de "materiais hackeados", revertendo a decisão de bloquear o New York Post de sua conta sobre tweets que promovem um controverso relatório sobre os negócios da família Biden.

A empresa disse na sexta-feira que derrubaria um movimento anterior para bloquear o Post fora de sua alça, retirando sua exigência de que o jornal removesse o tweet ofensivo enquanto chama a decisão de "justa e apropriada".

"Nossas políticas são documentos vivos. Estamos dispostos a atualizá-los e ajustá-los quando encontrarmos novos cenários ou receber feedback importante do público", disse a empresa em uma série de tweets. "Um exemplo é a recente mudança na nossa Política de Materiais Hackeados e seu impacto em contas como o New York Post."

Isso significa que, como uma aplicação específica [do New York Post] nos levou a atualizar a Política de Materiais Hackeados, não restringiremos mais sua conta sob os termos da política anterior e agora eles podem tweetar novamente.

Embora o Twitter já tivesse atualizado suas políticas sobre "materiais hackeados" e descartado uma proibição total da história do Post – supostamente originada do laptop de Hunter Biden – o jornal permaneceu bloqueado de sua conta por cerca de duas semanas.

Em depoimento ao Senado no início desta semana, o CEO da empresa, Jack Dorsey, disse que o Post só poderia ter sua alça de volta depois que removesse o tweet, mesmo observando que poderia imediatamente repostar o mesmo artigo sem enfrentar outra proibição, o que o jornal condenou como uma tentativa de "chantagem".

"O CEO do Twitter, Jack Dorsey, soou como todo executor da máfia e artista da história: bom jornal que você chegou lá, New York Post. Vergonha, se algo acontecer com ele", escreveu o conselho editorial do Post em um artigo esta semana. "Ele sabe que os meios de comunicação dependem das mídias sociais e dos algoritmos de pesquisa do Google para ajudar os leitores a acessar nossos relatórios."

O editor do Post, Sohrab Ahmari, disse que o jornal se recusou a retirar o tweet como uma questão de "honra e princípio", argumentando que o Twitter "tinha – e ainda tem – nenhuma evidência de que usamos material hackeado", respondendo a Jake Tapper, da CNN, depois que ele sugeriu que ele apagasse a missiva como "uma maneira de acabar com isso".

"[Jake Tapper], como repórter, por que você não mostra uma iota de solidariedade com o diário mais antigo da América?" Ahmari atirou de volta.

A história que desembarcou o Post em água quente contou com uma série de e-mails supostamente obtidos de um laptop pertencente a Hunter Biden, detalhando seus negócios no exterior na Ucrânia e na China, entre outras coisas. Os documentos indicam que o mais velho Biden estava mais envolvido nos negócios de seu filho do que ele deixou passar, insistindo anteriormente que ele "nunca discutiu" negócios com Hunter.

Horas depois que o artigo foi vei, no entanto, as plataformas de mídia social saltaram em overdrive para lista negra da história, com o Twitter impedindo os usuários de postá-la completamente, ou mesmo enviá-la em mensagens diretas, enquanto um representante do Facebook admitiu livremente que a plataforma trabalharia para limitar a distribuição do artigo em feeds de notícias. Embora ex-sócios de negócios dos Bidens tenham corroborado algumas das trocas de e-mails como genuínas, as principais organizações de notícias continuam a rotular o relatório como "desinformação", alguns vão tão longe quanto declarar que é uma operação russa psy para desacreditar o candidato democrata.

Apesar dos esforços para ignorar a história na imprensa corporativa, a reportagem enviou uma onda de controvérsias pelo mundo da mídia, com Glenn Greenwald, do Intercept, anunciando a demissão da emissora que ajudou a criar na quinta-feira, dizendo que os editores tentaram anular uma coluna sobre os e-mails de Biden.

"As mesmas tendências de repressão, censura e homogeneidade ideológica que assolam a imprensa nacional geralmente envolveram o meio de comunicação que co-fundei, culminando na censura de meus próprios artigos", disse ele, acrescentando que os editores se recusaram a publicar seu artigo "a menos que eu [removesse] todas as seções críticas a Joe Biden".

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.