Ads Top

CHEGOU O DIA TÃO FALADO EM 2020, POR PAPA FRANCISCO: Fórum Inter-religioso do G20 se reunem nesta semana para avançar a religião mundial do Crislã, conforme estabelecido na declaração do Papa na fraternidade Humana

 


Como líderes de dez tradições religiosas diferentes "se reuniram" através do Zoom em um Fórum Inter-Religioso do G20 sediado na Arábia Saudita, o documento chrislam do Papa Francisco sobre a fraternidade humana tinha um lugar central nas discussões.

Enquanto o morno A igreja laodiceana dorme, montando a profethídia Religião Mundial de Chrislam segue em frente a toda velocidade. Ao ler isso, agora mesmo em Riade, na Arábia Saudita, algo chamado Fórum Inter-Religioso do G20 está reunido para discutir como o Islã, o Judaísmo e o Catolicismo Romano podem "se unir" para criar a paz mundial. Se não houvesse tanta poeira na bíblia do Rei James, saberia exatamente do que estou falando.


"E a mulher foi vestida em cores roxas e escarlates, e enfeitada com pedras e pérolas de ouro e preciosos, com um copo dourado na mão cheio de abominações e imundície de sua fornicação: E sobre sua testa estava um nome escrito, MISTÉRIO, BABILÔNIA O GRANDE, A MÃE DAS PROSTITUTAS E ABOMINAÇÕES DA TERRA." Apocalipse 17:4,5 (KJB)

Nós o chamamos de Chrislam, o mundo perdido refere-se a ele por vários outros nomes como a Iniciativa de Crenças Abraâmicas, a Declaração da Fraternidade Humana, os Acordos de Abraão, mas não importa o que você chamá-lo, você acaba no mesmo lugar. 2019 foi o ano em que Chrislam foi ratificado,codificado, fomentado e financiado, e 2020 é o ano em que foi adotado pelos líderes perdidos deste mundo. Esta é a Religião Do Mundo único de Chrislam advertida em Apocalipse, começou, está aqui. Engraçado, quando começamos a fazer histórias sobre Chrislam há dez anos, as pessoas me chamavam de teórico da conspiração, alarmista e fornecedor de clickbait. Em 2020, tudo o que eu disse que estava chegando agora está aqui, e superando minhas expectativas originais. Não é que eu seja tão inteligente, é só que eu tenho uma Bíblia do Rei James e acredito no que diz. Você deveria tentar algum dia.


"Por isso Deus também o exaltou muito, e deu-lhe um nome que está acima de cada nome: que, em nome de Jesus, cada joelho deve se curvar, de coisas no céu, e coisas na terra, e coisas sob a terra; E que toda língua deve confessar que Jesus Cristo é Senhor, para a glória de Deus, o Pai." Filipenses 2:9-11 (KJB)


Caso esteja se perguntando, Jesus Cristo não foi convidado para o Fórum Inter-Religioso do G20, ele é uma figura muito divisiva para ser incluída em um conselho de líderes religiosos de agosto, você não ouvirá seu nome uma vez. Mas você vai ouvir falar sobre a "irmandade do homem", "inclusão de gênero" e a necessidade de "justiça climática". A agenda do Anticristo.

Fórum Inter-religioso do G20 pede que 'dignidade humana volte ao centro' do debate global

DA CRUX AGORA: "Devemos colocar a dignidade humana de volta ao centro e nesse pilar construir as estruturas sociais alternativas de que precisamos", disse Miguel Ángel Moratinos, Alto Representante da Aliança das Civilizações das Nações Unidas, citando diretamente fratelli Tutti, a encíclica papal lançada em 4 de outubro.

Suas palavras vieram durante uma cúpula de alto nível chamada Fórum Inter-Religioso do G20 antes da reunião dos líderes do G20 em Riade no próximo mês, onde líderes do governo de 19 países e da União Europeia se reunirão para discutir a cooperação econômica internacional.

O fórum inter-religioso de 13 a 17 de outubro foi organizado online devido à pandemia COVID0-19. A programação da sétima edição do fórum incluiu o Cardeal Miguel Ángel Ayuso Guixot, Presidente do Concílio inter-religioso do Vaticano; Patriarca Bartolomeu de Constantinopla; representantes das Nações Unidas, do Centro Internacional de Diálogo (KAICIID), da Organização de Cooperação Islâmica, da Liga Muçulmana Mundial e da Comissão Europeia.

A KAICIID foi fundada pela Arábia Saudita, Espanha e Áustria com a Santa Sé como membro observador fundador. É um esforço em nome do mundo islâmico para alcançar outras crenças em busca de diálogo transnacional, intercultural e inter-religioso.

"A HISTÓRIA DESTE FÓRUM INTER-RELIGIOSO DO G20 NÃO COMEÇA HOJE À NOITE E TERMINA DAQUI A CINCO DIAS", DISSE O SECRETÁRIO-GERAL DA KAICIID, FAISAL BIN MUAAMMAR. "A HISTÓRIA COMEÇOU EM JULHO, COM A PRIMEIRA CONSULTA ENTRE LÍDERES RELIGIOSOS, ESPECIALISTAS RELIGIOSOS E FORMULADORES DE POLÍTICAS NA REGIÃO ÁRABE."


Após esta primeira etapa, houve consultas que reuniram 500 participantes, representando 10 tradições religiosas em 70 países nos cinco continentes.


O presidente do fórum religioso do G20 explicou que a "Estrada para Riade" atravessou a Ásia, América do Norte, América Latina, Europa e Oriente Médio em uma série de consultas sem precedentes sobre alguns dos desafios mais urgentes no campo do desenvolvimento humano.


Esse processo ocorreu apesar dos desafios da pandemia COVID-19, incluindo uma conexão de internet instável no início da reunião de terça-feira. Independentemente disso, "essas consultas não faltoram paixão, urgência ou direção", disse bin Muaammar.


"OUVIMOS TESTEMUNHOS PODEROSOS SOBRE TEMAS QUE ESTÃO SENDO CONSIDERADOS POR ESTE FÓRUM – SOBRE OS EFEITOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS, DESIGUALDADE DE GÊNERO, DESEQUILÍBRIO ECONÔMICO E MÁ GOVERNANÇA", DISSE ELE.


O reino de A Arábia Saudita tem uma "responsabilidade histórica" antes da cúpula do G20, e o fórum inter-religioso deve preparar o palco adequadamente, argumentou ele, fornecendo uma série de recomendações.


"É claro", disse Moratinos, as questões da desigualdade de gênero e das mudanças climáticas serão abordadas pelos líderes dos países do G20, incluindo Estados Unidos, Rússia, China, Índia, África do Sul, México, França, Itália, Alemanha, Japão e Austrália. Mas a recomendação "essencial" que os líderes religiosos podem dar aos políticos, continuou ele, são sobre ética e espiritualidade, ambas necessárias hoje, quando o mundo está em crise.


Muito antes da ONU nascer, Moratinos reconheceu que diferentes crenças abraçaram a noção de direitos iguais para todos os seres humanos: "Nesse sentido, não foi surpresa que, desde a pandemia, tenhamos testemunhado como organizações baseadas na fé e seus líderes incorporaram o princípio de não deixar ninguém para trás e lutar por justiça social, contribuindo para mobilizar recursos e apoiar os mais difíceis de alcançar."


"OS ATORES RELIGIOSOS TÊM UM HISTÓRICO DE ESTAR NA LINHA DE FRENTE QUANDO AS CRISES CHEGAM EM CASA", DISSE ELE. "EM UMA CRISE QUE ALTERA A VIDA, QUANDO AS PESSOAS ESTÃO DESESPERADAS E ARRANCADAS DE SUAS VIDAS, A FÉ TEM SIDO MUITAS VEZES SUA ÂNCORA E O LUGAR A QUE RECORREM PARA CONSOLO E ESPERANÇA."


Citando novamente o pontífice,Moratinos disse que o tempo para "monólogos paralelos" acabou, e chegou a hora de um "diálogo construtivo e sustentável".


A situação crítica do mundo – devido ao novo coronavírus, o impacto do bloqueio à saúde mental e às economias, o aumento da pobreza, do desemprego e da desigualdade, estão entre as coisas listadas por vários palestrantes – implora aos líderes religiosos que se unam, e esta foi a mensagem central da sessão de abertura.


Nas palavras do Xeque Abdallah Bin Bayyah, presidente do Fórum de Promoção da Paz nas Sociedades Muçulmanas: "A religião é um grande poder que pode ser uma ponte. Eu adoraria ver líderes religiosos agirem como brigadas de incêndio para apagar incêndios e salvar a vida das pessoas onde quer que estejam; eles não perguntam 'como esse fogo começou?' mas 'como podemos apagá-lo e impedi-lo?'"


Durante suas observações,Ayuso argumentou que os crentes de diferentes tradições religiosas podem oferecer contribuições valiosas para a fraternidade universal onde quer que estejam. Citando o papa, ele disse que as vozes dos poderosos e "especialistas" não devem ser as únicas ouvidas no debate público.


"É PRECISO ABRIR ESPAÇO PARA REFLEXÕES NASCIDAS DE TRADIÇÕES RELIGIOSAS QUE SÃO O REPOSITÓRIO DE SÉCULOS DE EXPERIÊNCIA E SABEDORIA", DISSE O CARDEAL.


Para abordar o "momento muito sombrio" pela humanidade, disse Ayuso, soluções adequadas são necessárias para enfrentar os problemas da "nossa vida existencial", com a família humana se unindo em um espírito de amizade, propondo respostas para problemas comuns. Líderes religiosos em particular, disse ele, precisam ser um "contágio de esperança".


"Vamos então testemunhar nossas comunidades religiosas, bem como para nossas sociedades em que vivemos: Unidade, solidariedade e fraternidade, para melhorar nosso 'lar comum', como o Papa Francisco está continuamente nos lembrando a todos", disse Ayuso. Essa é a nossa responsabilidade pública seja política, socioeconômica ou religiosa."


Para encontrar uma "terapia" adequada para acabar com a crise mundial e prevenir uma nova no futuro, é necessário responder ao apelo do Papa Francisco para "reafirmar que somos membros da única família humana". LEIA MAIS

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.