Ads Top

Ômicron não é algo novo, já era nome de um FILME ITALIANO DE 1963; OMS alterou o nome da variante que seria XI, para não envolver o ditador Chinês

 


ÔMICRON - o AGENTE DO ESPAÇO - 

"um alienígena que toma conta do corpo de um humano para aprender sobre o planeta Terra para que sua raça possa assumir o seu poder".


O Filme foi lançado em 3 de setembro de 1963, num lançamento mundial. E mais um simbologia 03/09/1963 - somando todos os números desta data temos o número 31, que é o 13 ao contrário. E se formos pegar apenas os números que eles mais usam temos a simbologia 3,6,9 de trás pra frente, e vice versa.  Além de que o número 369 é uma mensagem de ¨anjos¨ para seguirem em frente com o propósito de sua vida e missão de alma com a certeza de que seus desejos e necessidades materiais serão cumpridos conforme necessário. Ou seja tais anjos do mal, recebem pedidos de seus servos do mal. 

Já deve ser óbvio para todos que vivemos em um universo quântico, onde não há coincidências, apenas sincronias. OMICRON é um anagrama para MORONIC – que significa "nós".


O filme de Gregoretti é na verdade um exemplo perfeito do cinema militante (estamos nos anos 60 do século passado) disfarçado de sátira política e fantasia em um disfarce de ficção científica, mas as semelhanças com o vírus e sua ação são muitas. Na verdade, Ômicron é um viajante interestelar, enviado para a Terra do planeta Ultra para encontrar humanos e se preparar para uma invasão. Ele é um alienígena incorpóreo que toma posse do protagonista, o trabalhador Angelo Trabucco (Renato Salvatori), condicionando seu comportamento e hábitos. O filme flui para um terrível final, de várias proibições e restrições: 





A senha para ver o vídeo é: Filmomicr

O que eles dizem neste trecho final: ¨E eu vou atuar nesta reforma, com tamanha certeza. Em vez disso devia cuidar das ferrovias... Pode ficar tranquilo. De acordo. E surgem as proibições: EM PRIMEIRO LUGAR 1 - Proibido descansos noturnos. APROVADO! EM SEGUNDO LUGAR: PROIBIDO AMAR, PROIBIDO FALAR, PROIBIDO PENSAR, QUEM PENSAR CONTRA A CAUSA (ELITE) SERÁ PUNIDO COM MORTE, COM A DECAPTAÇÃO DA CABEÇA. APROVADO! e depois encerram, com o deboche: ¨vou até fumar¨ E continuam estamos de acordo SR PRESIDENTE. EM TERCEIRO LUGAR: ABOLIÇÃO DE SENTIMENTOS, DA VONTADE, DA DIGNIDADE, E FATOS REAIS DA HISTÓRIA. ¨APROVADO¨!


Ugo Gregoretti (1930 - 2019) foi um cineasta, ator, roteirista, roteirista e apresentador de televisão italiano, caracterizado principalmente por uma sensibilidade a questões políticas e sociais combinadas com um uso peculiar de ironia e sátira. Dirigiu 20 filmes durante sua carreira e este que entrou na competição no 24º Festival Internacional de Cinema de Veneza, foi um de seus filmes mais obscuros, principalmente devido ao uso incomum de um tema de ficção científica para sátira política.

No filme que descreve a realidade de um universo quântico, onde não há coincidências, apenas sincronias, um alienígena toma conta do corpo de um terráqueo para aprender sobre a Terra, para que sua raça possa assumir, concluindo rapidamente que devido ao sistema social atual, sua raça alienígena do planeta Ultra (como MK-Ultra), pode facilmente dominar o planeta tomando apenas os corpos de pessoas pertencentes à elite.

O filme incomum produzido na Itália pela Paramount em 1963, estrelado por Renato Salvatori e o próprio Ugo Gregoretti, que estava tentando se juntar a "La Nouvelle Vague", o movimento cinematográfico de arte francês que surgiu no final dos anos 1950, que foi caracterizado por sua rejeição às convenções tradicionais de cinema em favor da experimentação e do espírito do iconoclastia.

Nascido em Roma, Gregoretti iniciou seu trabalho no mundo teatral em um reduto da Companhia de Jesus (Jesuítas) em Nápoles chamado Instituto Pontano, um lugar onde mais tarde se tornou presidente da dramática amadora de Santo Inácio, uma experiência de aprendizado que, como Gregoretti afirma, formou sua educação e ajudou seu futuro.[2]

O Instituto Pontano é um colégio católico administrado pela Companhia de Jesus (Jesuítas) em Nápoles. É nomeado por Giovanni Pontano (1426-1503) o humanista e poeta ativo em Nápoles por muitos anos. São aproximadamente 500 alunos; o currículo é tradicionalmente humanista e religioso, mas a escola tem um Lyceum Clássico e Científico. O Instituto está localizado no Corso Vittorio Emanuele, no trecho "Cariati" da estrada, que tirou esse nome do nome original do prédio onde o instituto está agora alojado, a Villa Cariati. O edifício foi primeiro uma fazenda do século XV, depois transformada em uma residência privada na década de 1700 por Giovanbattista Spinelli, Príncipe de Cariati. Foi adquirida pelos jesuítas em 1921 para ser a nova premissa do Instituto Pontano.

O próprio instituto surgiu em 1876 e antes da mudança definitiva para Cariati, havia sido alojado em quatro ou cinco outros locais da cidade e tinha outros nomes. A fundação do instituto é interessante quando vista no contexto de toda a relação entre os jesuítas e o Reino de Nápoles e, em seguida, com o estado sucessor (depois de 1861), o novo Reino da Itália.

Na década de 1870, os jesuítas tinham uma longa história de serem expulsos de vários lugares da Europa, incluindo Nápoles: de Portugal em 1760, França em 1762, Espanha em 1767 e Nápoles em 1777. Então, é claro, Napoleão fechou todas as ordens religiosas. Os jesuítas voltaram a Nápoles depois que os Cabeças Coroadas da Europa foram restaurados (1815); no entanto, no ano tumultuado de 1848, eles foram expulsos de Nápoles novamente. Quando Garibaldi assumiu Nápoles em 1861, ele confiscou o que a ordem tinha deixado. No entanto, os jesuítas aguentassem e trabalhassem em Nápoles sabendo a importância estratégica desta cidade para obter pelo menos alguma propriedade de volta em face da postura anti-clerical extrema do novo governo italiano. O resultado foi o Seminário Teológico Papal de San Luigi, no sul da Itália, e o Instituto Pontanto que, a partir daquele momento, até Gregoretti admite, moldou a futura elite do sul da Itália.[3]

Agora, se seguirmos o tema principal do filme em questão, onde não há coincidências, apenas sincronias, parece bastante sinistro que a Organização Mundial da Saúde (OMS) nomeou a nova variante coronavírus, Omicron. Eles pularam a décima quarta letra do alfabeto grego que acaba de ter a mesma ortografia do nome de um certo líder mundial tirânico que por acaso está envolvido com a propagação inicial do vírus que deveríamos chamar de arma biológica. Dado que os nomes da variante saltaram de "Mu" até "Omicron", pulando "Nu" e "Xi" respectivamente, as pessoas nas redes sociais começaram a dizer que a OMS foi ordenada a fazê-lo, para não ofender o ditador comunista chinês Xi Jinping, e eles podem estar 100% corretos em dizer isso.

A OMS corrupta vem aplacando a China desde o início da pandemia, não conseguindo responsabilizá-los por liberar o vírus no mundo, ou por cobrir o país comunista. Como Der Spiegel relatou em maio do ano passado, a inteligência alemã acreditava fortemente que Xi Jinping pediu pessoalmente ao chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, para adiar os principais avisos sobre o coronavírus chinês, estabelecendo as bases para a crise mundial que facilitará o infame Grande Reset controlado por figuras de elite malignas como Klaus Schwab. Sim, Klaus (não Claus, como no Papai Noel) o tirano insano que lidera o Fórum Econômico Mundial poderia muito bem ser possuído por um alienígena demoníaco, assim como o protagonista de "Omicron", como seu plano é acabar com a autonomia humana, e nos fundir com máquinas. A "fusão de nossa identidade física, digital e biológica" produzirá uma monstruosidade transhumana que ajudará a tomada demoníaca da Terra.


Schwab explica com entusiasmo como a tecnologia futura permitirá que as autoridades "se intrometam no espaço até então privado de nossas mentes, lendo nossos pensamentos e influenciando nosso comportamento". Neste contexto, o filme "Omicron" parece ser um aviso terrível, em vez de simplesmente um obscuro filme de Ficção Científica, porque depois que a elite atingir seu grande objetivo de Reset, todos nós vamos nos tornar escravos daqueles demônios que chamamos de alienígenas.


Você pode assistir o FILME Ômicron 1963 abaixo: 





É a primeira vez na história que:

Não-vacinados são uma ameaça para vacinados.

Uma vacina só funciona se todo mundo tomar.

Uma pessoa tem que tomar vacina para proteger a outra.

Médicos e enfermeiros são demitidos de hospitais em meio a uma pandemia.


É a primeira vez na história que:

Pessoas saudáveis são obrigadas a usar máscara para proteger os outros.

Pessoas são tratadas como agentes infecciosos mesmo depois de recuperadas da doença e com imunidade natural.

Exigem vacina para recuperados que possuem imunidade natural.

É a primeira vez na história que:

Médicos não atendem paciente com tosse.

Vacinas continuam a ser aplicadas mesmo com 100% da população vacinada.

A imunidade de grupo não é considerada nos cálculos de risco de transmissão.

É a primeira vez na história que uma vacina desenvolvida em 6 meses é aplicada 3 vezes numa pessoa no espaço de 10 meses. Uma "vacina" que altera o DNA do ser humano sem se saber quais os efeitos colaterais a médio e longo prazo. Estamos vivendo uma loucura mundial em prol da #NovaCiencia

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.