Ads Top

Rússia planeja ofensiva militar maciça contra a Ucrânia envolvendo 175.000 soldados, alerta inteligência dos EUA;

À medida que aumentam as tensões entre Washington e Moscou sobre uma possível invasão russa à Ucrânia, a inteligência dos EUA descobriu que o Kremlin está planejando uma ofensiva multifronteída já no início do próximo ano envolvendo até 175.000 soldados, de acordo com autoridades dos EUA e um documento de inteligência obtido pelo The Washington Post.



O Kremlin tem movimentado tropas em direção à fronteira com a Ucrânia enquanto exige que Washington garanta que a Ucrânia não se juntará à OTAN e que a aliança se absterá de certas atividades militares dentro e ao redor do território ucraniano. A crise provocou temores de uma nova guerra em solo europeu e vem antes de uma reunião virtual planejada na próxima semana entre o presidente Biden e o presidente russo Vladimir Putin.


"Os planos russos exigem uma ofensiva militar contra a Ucrânia já no início de 2022, com uma escala de forças o dobro do que vimos na primavera passada durante o exercício de pressão da Rússia perto das fronteiras da Ucrânia", disse um funcionário do governo, falando sob a condição de anonimato para discutir informações confidenciais. "Os planos envolvem uma extensa movimentação de 100 grupos táticos do batalhão com cerca de 175.000 pessoas, juntamente com armaduras, artilharia e equipamentos."


O documento de inteligência não classificado dos EUA obtido pelo The Post, que inclui fotos de satélite, mostra forças russas se reunindo em quatro locais. Atualmente, 50 grupos táticos de campo de batalha estão mobilizados, juntamente com tanques e artilharia "recém-chegados", de acordo com o documento.

Embora avaliações ucranianas tenham dito que a Rússia tem aproximadamente 94.000 soldados perto da fronteira, o mapa dos EUA coloca o número em 70.000 — mas prevê um acúmulo de até 175.000 e descreve um extenso movimento de grupos táticos de batalhão de e para a fronteira "para ofuscar intenções e criar incerteza".

A análise dos planos da Rússia nos EUA é baseada em parte em imagens de satélite que "mostram unidades recém-chegadas em vários locais ao longo da fronteira ucraniana ao longo do último mês", disse o funcionário.

Detalhes da inteligência dos EUA fornecem uma imagem que o secretário de Estado Antony Blinken começou a esboçar esta semana em uma viagem à Europa, onde descreveu "evidências de que a Rússia fez planos para movimentos agressivos significativos contra a Ucrânia" e alertou que haveria graves consequências, incluindo medidas econômicas de alto impacto, se a Rússia invadisse.

Biden disse que está preparando medidas para aumentar o custo de qualquer nova invasão para Putin, que descartou os avisos dos EUA como rumores e disse que a Rússia não está ameaçando ninguém.


"O que estou fazendo é juntar o que acredito ser, será o conjunto mais abrangente e significativo de iniciativas para tornar muito, muito difícil para o Sr. Putin ir em frente e fazer o que as pessoas estão preocupadas que ele possa fazer", disse Biden na sexta-feira.


Os movimentos militares russos vêm quando Moscou levantou as sobrancelhas em Washington com uma repentina mobilização de reservistas este ano e uma escalada dramática de sua retórica em relação à Ucrânia.


As autoridades russas defenderam a mobilização da reserva como uma medida necessária para ajudar a modernizar as forças armadas russas. Mas o funcionário da administração levantou preocupações sobre o "programa repentino e rápido para estabelecer uma reserva pronta de reservistas contratados", que o funcionário disse que deve adicionar mais 100.000 soldados aos cerca de 70.000 destacados agora.

A inteligência sobre um possível aumento de forças reforça um aviso no início desta semana de Blinken de que Putin poderia ordenar rapidamente uma invasão à Ucrânia e ajuda a explicar por que funcionários do governo Biden têm soado alarmes sobre a ameaça de invasão iminente por semanas.


"Não sabemos se o presidente Putin tomou a decisão de invadir. Sabemos que ele está colocando em prática a capacidade de fazê-lo em breve, caso ele assim decida", disse Blinken a repórteres na Europa um dia antes de se encontrar com o ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Lavrov. "Devemos nos preparar para todas as contingências."


Lavrov, em comentários públicos esta semana, ecoou os avisos de Putin sobre equipamentos militares e atividades dos EUA invadindo as fronteiras da Rússia e disse: "O cenário de pesadelo do confronto militar está voltando".


O documento de inteligência também sugere que as forças russas podem estar deixando equipamentos para trás em instalações de treinamento para permitir que um ataque à Ucrânia comece rapidamente.

"Os equipamentos podem ser deixados para trás em diferentes faixas de treinamento para permitir um acúmulo rápido e final", acrescenta o documento.


Separadamente, um funcionário do governo ucraniano disse que os exercícios militares russos realizados no início deste ano perto das fronteiras da Ucrânia ajudaram as forças russas a essencialmente ensaiar uma invasão.


"As tropas russas elaboraram as questões de criação de grupos de ataque perto das fronteiras do nosso estado, medidas de mobilização, apoio logístico de grupos, [e] transferência de contingentes militares significativos, inclusive por via aérea", da Rússia para a fronteira com a Ucrânia, disse o funcionário, falando sob a condição de anonimato para discutir análises sensíveis.


Enquanto lançava as bases para uma invasão, o governo russo também vem realizando uma campanha de propaganda, disse o funcionário da administração dos EUA.


"Além disso, no mês passado, nossas informações indicam que os proxies de influência russa e os meios de comunicação começaram a aumentar o conteúdo denegrindo a Ucrânia e a OTAN, em parte para culpar uma potencial escalada militar russa na Ucrânia", disse o funcionário.


"Informações recentes também indicam que as autoridades russas propuseram ajustar as operações de informação da Rússia contra a Ucrânia para enfatizar a narrativa de que os líderes ucranianos haviam sido instalados pelo Ocidente, abrigavam um ódio pelo 'mundo russo', e estavam agindo contra os interesses do povo ucraniano."


Em seus comentários na Letônia, Blinken advertiu os ucranianos a não dar à Rússia um pretexto para uma ação militar.


"Também estamos pedindo à Ucrânia que continue exercendo contenção porque, novamente, o manual russo é reivindicar provocação por algo que eles planejavam fazer o tempo todo", disse ele.

Putin exigiu que os Estados Unidos e seus aliados fornecessem garantias assinadas, excluindo qualquer expansão da OTAN para incluir a Ucrânia e a Geórgia e limitando a atividade militar perto das fronteiras da Rússia, mais notavelmente dentro e ao redor da Ucrânia.


As exigências de um novo pacto europeu de segurança vêm depois que Putin sugeriu há meses que as atividades militares dos EUA e aliados na Ucrânia e perto das fronteiras da Rússia estão cruzando uma linha vermelha para o Kremlin.


A Rússia precisa de "garantias legais e judiciais precisas porque nossos colegas ocidentais falharam em cumprir os compromissos verbais que assumiram", disse Putin em um discurso no Kremlin esta semana, sugerindo o início de "conversações substantivas sobre este tema".


Putin há muito luta contra a expansão da OTAN nos antigos Estados do Pacto de Varsóvia como uma invasão desrespeitosa a Moscou. Ele disse que um acordo concreto deve "excluir qualquer expansão mais para o leste da OTAN e a implantação de sistemas de armas que representem uma ameaça para nós nas proximidades do território russo".

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, rejeitou, fora de mão, a ideia de que Washington forneceria uma garantia de que a Ucrânia não entrará na OTAN.


"Os países membros da OTAN decidem quem é um membro da OTAN, não a Rússia", disse Psaki a repórteres durante uma reunião na Casa Branca na sexta-feira. "É assim que o processo sempre funcionou e como ele vai proceder. Acho que é importante lembrar de onde vem a ação provocativa. Não são os Estados Unidos. Não é a Ucrânia."


Autoridades e analistas militares dos EUA e da Ucrânia acreditam que a Rússia montaria uma invasão em larga escala agora do que em 2014, quando o país anexou a Crimeia e alimentou uma revolta separatista no leste da Ucrânia. O plano, acreditam os oficiais e analistas, poderia ser forçar as tropas ucranianas a lutar em múltiplas frentes, buscando não tanto território, mas sim uma capitulação de Kiev e seus apoiadores ocidentais que resulte nas garantias de segurança que Putin quer. Analistas militares compararam essa estratégia com a invasão da Geórgia em 2008 em Moscou.


Em comentários esta semana, Putin disse que os exercícios com bombardeiros estratégicos com capacidade nuclear dos EUA sobrevoando o Mar Negro representavam uma ameaça para Moscou, juntamente com os sistemas de defesa antimísseis dos EUA na Polônia e na Romênia. Ele também expressou preocupação com o envio de mísseis da OTAN em território ucraniano que poderiam ter um tempo de voo de sete a 10 minutos para Moscou — embora nenhum desses planos tenha sido anunciado.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.