Ads Top

Quando os 2 lados da moeda trabalham pro mesmo ¨Banco¨: Joe Biden agradece Donald Trump por hoje os Estados Unidos terem capacidade de obter veneno covid rapidamente, e dizem que é a única coisa que os 2 concordam mutualmente

O presidente Joe Biden deu algum crédito ao ex-presidente Donald Trump por que a América está melhor posicionada este ano para lidar com o surto de Omicron do que no início da pandemia.

Trump deu tapinhas nas costas pela capacidade da ciência de trazer uma vacina COVID-19 em um ano e as autoridades creditaram o compromisso financeiro de seu governo em ajudar a levar a vacina ao público em tempo recorde. Enquanto a Casa Branca frequentemente tenta contrastar a abordagem de Biden com a de Trump, na terça-feira, Joe Biden deu crédito a Donald Trump por ajudar a trazer a vacina COVID-19.


"Graças à administração anterior e à nossa comunidade científica, a América foi um dos primeiros países a receber a vacina", disse Biden.


Quando Trump ainda estava no cargo, o Dr. Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID), apoiou a decisão de fazer um investimento financeiro significativo na vacina COVID-19 antes que ela se mostrasse segura e eficaz. Ao gastar milhões de dólares na garantia de doses de múltiplas vacinas antes do término dos testes da Fase III, ajudou a aumentar a fabricação da vacina para que as doses pudessem estar disponíveis logo após a Food and Drug Administration(FDA)autorizar as vacinas.


Trump ficou aquém de sua meta de vacinar 35 milhões de pessoas e deixou o cargo com apenas 13,5 milhões de Estadunidenses vacinados contra o COVID-19. Meses depois, Biden ficou aquém de sua meta de vacinar 70% dos estadunidenses até 4 de julho, mas nos meses seguintes, a América ultrapassou o limite de 70%, com cerca de 77% dos estadunidenses com mais de 5 anos tendo pelo menos uma dose da vacina COVID-19.


Enquanto Biden creditou Trump a ajudar a levar a vacina ao público em pouco tempo, o presidente não deu todo o crédito ao seu antecessor. Ele observou que sua administração, em conjunto com o "trabalho duro" dos estadunidenses, fez da América um líder mundial na distribuição de vacinas.


Cerca de 20% dos estadunidenses ainda hesitam em se vacinar, algo que Biden atribuiu à desinformação que se espalhou nas redes sociais e na televisão a cabo. Ele criticou personalidades da televisão e empresas que espalharam desinformação por "matar seus próprios clientes" e pediu que isso acabasse.


Durante o discurso de Biden, ele disse que os estadunidenses vacinados, especialmente aqueles com a dose de reforço, não devem entrar em pânico com a variante Ômicron, pois eles provavelmente terão alguma proteção contra ficar gravemente doente se contraírem COVID-19. No entanto, ele alertou que os estadunidenses não vacinados estão fazendo uma escolha arriscada e podem ser responsáveis por por que os hospitais ficam sobrecarregados e são incapazes de cuidar de pessoas que precisam ser tratadas por algo diferente do COVID-19.



Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.