Ads Top

Depois do La Palma, Vulcão no Monte Semeru na Indonésia entra em erupção e deixa pelo menos 14 mortos


Equipes de resgate na Indonésia continuaram a cavar através de espessas camadas de cinzas quentes e detritos na segunda-feira para encontrar sobreviventes de uma erupção vulcânica que deixou mais de uma dúzia de pessoas mortas e milhares deslocadas na província de Java Oriental do país, mesmo quando o vulcão continuava a erupção de cinzas.


O Monte Semeru, um dos vulcões mais ativos da Indonésia, entrou em erupção no sábado, atirando cinzas quentes e gás vulcânico no ar que tornou o céu escuro sobre aldeias no distrito de Lumajang, em Java Oriental.

Pelo menos 15 pessoas morreram e outras 27 estão desaparecidas, de acordo com o Posto de Comando de Resposta de Emergência do Monte Semeru. Mais de 1.700 pessoas foram evacuadas em 19 centros improvisados, disse o grupo em um comunicado.



O Monte Semeru, na Indonésia, libera materiais vulcânicos durante uma erupção na segunda-feira, 6 de dezembro.

Cerca de 3.000 casas e 38 escolas foram danificadas pelos escombros, segundo o comunicado. A erupção também destruiu uma ponte que liga Lumajang ao distrito vizinho de Malang, bloqueando o acesso da estrada principal e dificultando os esforços de resgate, acrescentou.

Maulana Ardiansyah, voluntária da equipe de busca e salvamento de Baznas, disse à CNN que o grupo encontrou três corpos, um homem, uma mulher e uma criança, submersos em lava fria na vila de Kampung Renteng na segunda-feira de manhã.

Os evacuados incluíram centenas de moradores que viviam perto de uma represa que estourou na segunda-feira devido à lava fria e à forte chuva, disse à CNN o chefe operacional de busca e salvamento Wayan Suyatna.

Ele acrescentou que a operação de busca de segunda-feira foi forçada a parar duas vezes devido a nuvens piroclásticas - uma mistura de cinzas, rochas e gases vulcânicos que podem ser muito mais perigosos do que a lava.

"Nuvem vulcânica quente é perigosa para a segurança da equipe", disse Suyatna. "O tempo aqui também é muito ruim. (É) escuro e chuvoso."

Os aldeões resgatam o que podem de suas casas danificadas na vila de Sumber Wuluh em Lumajang em 6 de dezembro de 2021.

Os aldeões resgatam o que podem de suas casas danificadas na vila de Sumber Wuluh em Lumajang em 6 de dezembro de 2021.

Vídeo compartilhado na segunda-feira pelo Conselho Nacional de Gerenciamento de Desastres da Indonésia (BNPB) mostra lama cheia de detritos se estendendo por quilômetros ao redor do vulcão. As aldeias estão completamente abandonadas e os veículos permanecem submersos sob a lama, enquanto milhares de árvores estão cobertas por uma folha de pó macio.

Moradora local, Hosniya, 31, disse à Reuters que a erupção a pegou de surpresa.

"No começo, pensei que fosse uma explosão de bomba... de repente estava tudo escuro, como se fosse destruir a terra", disse ela.

Hosniya foi evacuada com sua família, mas eles não puderam levar nada com eles, exceto seus documentos oficiais, informou a Reuters.


Na vila de Sumberwuluh, onde 16 casas foram enterradas sobcinzas, moradores correram para evacuar seus animais em caminhões no domingo. Telhados de várias casas da vila haviam desmoronado, deixando tijolos e barras de metal expostos.

Choques posteriores da erupção também foram sentidos entre alguns moradores das aldeias Kobokan e Kanjar no final do domingo. Mais tarde, foram evacuados para um abrigo em um distrito próximo.

O governo indonésio disse que estava preparando um processo de realocação para os moradores que perderam sua casa na erupção. O BNPB disse que lhes fornecerá ajuda financeira antes que o governo possa realocá-los.


A Indonésia fica entre duas placas continentais no que é conhecido como Anel de Fogo, uma banda ao redor da bacia do Oceano Pacífico que leva a altos níveis de atividade tectônica e vulcânica.

Em janeiro, o Monte Merapi, na Ilha Java, entrou em erupção,atirando uma nuvem de cinzas que levou as autoridades a alertar sobre o risco de a lava chegar às estradas. O vulcão entrou em erupção violenta em 2010, matando mais de 350 pessoas.


Pelo menos 14 pessoas morreram e centenas estão deslocadas depois que o Monte Semeru, um vulcão na província de Java Oriental, na Indonésia, entrou em erupção no sábado, disseram as autoridades.


O Conselho Nacional de Gestão de Desastres da Indonésia (BNPB) disse em um comunicado no domingo que a erupção feriu outras 56 pessoas, com 35 pessoas em estado grave, depois que cobriu aldeias com cinzas e deixou as pessoas correrem de nuvens de escombros.

Cinco das vítimas ainda não foram identificadas e nove pessoas ainda estão desaparecidas, informou o BNPB. Cerca de 1.300 pessoas foram deslocadas pela erupção e chegaram aos centros de evacuação, acrescentou.

Centenas de casas foram totalmente destruídas e 33 escolas foram danificadas pela erupção, de acordo com o BNPB.

Autoridades dizem que a situação no Monte Semeru continua perigosa devido ao risco de fluxos piroclásticos, uma mistura de cinzas, rochas e gases vulcânicos que podem ser muito mais perigosos que a lava.

"Recomendamos que todos aumentem seu alerta porque o potencial de ameaça de fluxos piroclásticos ainda é alto. Isso pode acontecer a qualquer momento sem qualquer aviso", disse o chefe do Posto de Observação do Monte Semeru, Liswanto, à CNN no domingo.


Liswanto disse no domingo que sua equipe registrou dois eventos de fluxo piroclástico. A primeira foi às 5:00.m. local e a segunda foi às 10:.m hora local. O material vulcânico mortal estava rolando até a aldeia Curah Kobokan, que foi evacuada no sábado.

Eles pediram que as pessoas que vivem até 10 km de distância do vulcão para evacuarem, pois os fluxos piroclásticos "são muito quentes, a temperatura pode chegar a mais de 1000 Celsius", disse Liswanto.

Como não há nenhum sinal ou método para prever quando o fluxo piroclástico ocorrerá, o fenômeno pode ser muito perigoso, disse Liswanto.


Um voluntário de resgate no distrito de Lumajang, na Indonésia, disse à CNN no domingo que ele e sua equipe evacuaram os corpos de seis mineiros de um rio na vila de Curah Kobokan, onde estavam minerando areia na margem do rio.

Alguns dos mineiros ainda estavam dentro de seus caminhões, enquanto outros foram descobertos deitados no chão perto dos caminhões, disse o voluntário Muhammad Firman Adiguna Effasa, de 32 anos. Não está claro se essas seis mortes fazem parte das 14 mortes que as autoridades anunciaram.

Ele acrescentou que estava preocupado que mais mineiros ou outras vítimas ainda pudessem estar lá fora, mas não sobreviverão porque a inundação de lava foi tão intensa.

As autoridades converteram escolas, mesquitas, salões de vilas e casas de vilas em centros de evacuação, segundo o comunicado.

Java é o maior centro populacional do enorme arquipélago insular da Indonésia e lar da capital Jacarta. Com mais de 12.000 pés de altura, o Monte Semeru é a montanha mais alta de Java.


As cinzas vulcânicas e o cheiro de enxofre foram relatados pela primeira vez por volta das 15h.m hora local (3 a.m. ET), de acordo com o Posto de Observação do Vulcão Monte Semeru. A estação acrescentou que nuvens de cinzas quentes estavam caindo em direção a uma vila de Java Oriental, Sapitarang, no distrito de Pronojiwo.

Vídeos compartilhados por equipes de resposta a emergências do governo mostraram moradores da área fugindo de enormes nuvens de cinzas. Outras imagens compartilhadas por moradores locais mostraram pessoas se reunindo em uma mesquita local em Besuk Kobokan enquanto a fumaça cobre as ruas ao redor.

Após a explosão, os oficiais de resgate se mobilizaram para evacuar as vítimas da área circundante.

Indah Amperawati, vice-chefe do distrito de Lumajang, uma área próxima ao vulcão, disse no sábado que a maioria das vítimas de queimaduras foram evacuadas para o Centro de Saúde Penanggal, ao lado de um morador que morreu na vila de Curah Kobokan.

Os serviços de emergência não conseguiram chegar a várias outras aldeias devido à bloqueio de estradas por lama e árvores caídas, disse Indah na coletiva de imprensa.

Os militares foram solicitados por pessoas e equipamentos para apoiar os esforços de resgate, disse o major-general TNI Suharyanto, chefe do BNPB, na coletiva de imprensa.



Budi Santosa, chefe de gerenciamento de desastres da província de Java Oriental, disse no sábado que dois sub distritos foram "gravemente afetados" pela erupção do vulcão.
Santosa disse na coletiva de imprensa que acreditava que as unidades de saúde da área de desastres, sejam centros de saúde primários ou hospitais, seriam capazes de acomodar as vítimas.
No domingo, o governo indonésio disse que agora está preparando um processo de realocação para os moradores que perderam sua casa e nos próximos seis meses o BNPB lhes fornecerá ajuda financeira antes que o governo possa realocá-los.
A Indonésia fica entre duas placas continentais no que é conhecido como Anel de Fogo, uma banda ao redor da bacia do Oceano Pacífico que leva a altos níveis de atividade tectônica e vulcânica.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.