Ads Top

Com empresa agora na Arábia Saudita: Jared Corey Kushner (YOEL CHAIM) busca apoiadores para criar novo FUNDO no Oriente Médio

Jared Kushner quer arrecadar dinheiro para empresa de investimentos no Oriente Médio

O Ex-conselheiro da Casa Branca e genro do ex-presidente Donald Trump, Jared Kushner é conhecido por supervisionar as políticas externas do governo Trump no Oriente Médio. Em grande parte ficando fora do cenário político, um relatório recente revela que Kushner tem tentado levantar fundos para sua empresa de investimentos no Oriente Médio.

O New York Times informou que Kushner está procurando levantar dinheiro do Oriente Médio para uma nova empresa de investimentos e não teve muito sucesso. O ex-conselheiro da Casa Branca teria sido mal sucedido no Qatar, cuja liderança via Kushner como um oponente à administração. Os Emirati também recusaram Kushner porque, apesar de ver Kushner como um aliado, eles questionaram seus registros de negócios, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto.

De todas as nações do Oriente Médio das as que Kushner procurou arrecadar dinheiro, a Arábia Saudita foi o país que mais se interessou, de acordo com o relatório.

"Os sauditas estão mais interessados, de acordo com quatro pessoas informadas sobre suas negociações contínuas", disse o relatório. "O Fundo de Investimento Público de US$ 450 bilhões do Reino está negociando com o Jared Kushner sobre o que poderia ser um investimento considerável em sua nova empresa, disseram duas dessas pessoas."

Sob a presidência de seu sogro, Kushner foi responsável por supervisionar os chamados acordos de paz no Oriente Médio, desempenhando um papel em acordos para fazer os países árabes e norte-africanos reconhecerem o governo israelense, chamados de Acordos de Abraão. Os acordos muitas vezes levariam os EUA a aparentemente legitimar as violações dos direitos humanos desses mesmos países.


No governo Trump, Kushner era conhecido como o homem de ponta do ex-presidente por ajudar a cortar acordos diplomáticos no Oriente Médio, desempenhando um papel de destaque em uma série de acordos para fazer vários estados árabes e norte-africanos reconhecerem o governo israelense — muitas vezes ao custo dos Estados Unidos legitimando violações dos direitos humanos por esses países. Desde então, fundou um instituto para promover a sobrevivência contínua desses acordos.

Em outubro, Kushner e sua esposa Ivanka Trump viajaram a Jerusalém para visitar legisladores israelenses que lançaram a bancada dos Acordos de Abraão no parlamento do país. Em suas observações, Kushner disse que os acordos trouxeram um "novo paradigma" na região que levaria a diferentes resultados dependendo dos países. Os acordos estavam a um passo do consenso entre os Estados árabes de não reconhecer Israel até que seu conflito com a Palestina fosse resolvido.

Na época, o acordo foi assinado pelo então primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, mas continua a ter o apoio da coalizão que o expulsou de sua posição em junho.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.