Ads Top

Wall Street Journal: O investimento dos EUA está ajudando a China a lutar pelo domínio na indústria de Chips

 


Empresas dos EUA e suas afiliadas na China estão aumentando o investimento em empresas chinesas de semicondutores, ajudando a oferta de Pequim para o domínio do setor de chips, informou o The Wall Street Journal.


Empresas de capital de risco, gigantes da indústria de chips e outros investidores privados participaram de 58 negócios de investimento na indústria de semicondutores da China de 2017 a 2020, mais que o dobro do número dos quatro anos anteriores.


A maior empresa de chips Intel está entre os investidores ativos, apoiando uma empresa chinesa agora chamada Primarius Technologies, especializada em ferramentas de design de chips que as empresas dos EUA atualmente lideram na fabricação.


"As empresas de risco do Vale do Silício Sequoia Capital, Lightspeed Venture Partners, Matrix Partners e Redpoint Ventures fizeram pelo menos 67 investimentos em empresas chinesas do setor de chips desde o início de 2020", acrescentou o WSJ.


Esta é uma virada terrível por duas razões.


Economicamente, estamos entregando a um inimigo as chaves de uma indústria vital. Chips de computador estão em tudo – e estamos no meio de uma escassez. Isso poderia dar à China uma vantagem incrível – os EUA não querem estar em uma posição de fraqueza que depende da China para batatas fritas.


Então, há as preocupações de segurança nacional.


De acordo com relatórios recentes da Drill Down, muitas agências, incluindo o FBI e o Serviço Secreto, fizeram compras de drones da empresa DJI, com sede em Shenzhen. O DHS acredita com "confiança moderada" que a DJI fornece à infraestrutura americana e dados de aplicação da lei ao governo chinês.


Então por que estamos deixando elesseguraremtodas as fichas? Por que as empresas americanas de capital de risco estão alimentando essa ascensão ao domínio? Como eles podem não ver o perigo?


De acordo com o ex-chefe técnico do Pentágono Nicolas Chaillan, a América já está perdendo a guerra cibernética. "Não temos nenhuma chance de lutar contra a China em 15 a 20 anos", diz Chaillan, que deixou o Departamento de Defesa em setembro. "No momento, já é um negócio feito; já acabou, na minha opinião.


A China provou ser perigosa (não se esqueça do hack de servidor Microsoft Exchange patrocinado pelo Estado!) e agora eles têm a pole position quando se trata de produção de semicondutores.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.