Ads Top

A Fogueiras das Moedas? como o aumento de moedas digitais e criptomoedas centralizadas, irão encerrar num futuro nada distante o dinheiro físico, para uma nova moeda digital

 Por Bejamin J. Cohen  tradução via BDN



Dois livros recentes de economistas renomados prepararam o palco para o grande debate de hoje sobre o futuro do dinheiro em uma era digital. Em particular, os dinheiros públicos e privados estão entrando em uma rivalidade sustentada, com implicações de longo alcance para os mercados e a política.

Pronto ou não, o mundo financeiro está sendo forçado a enfrentar a possibilidade de um futuro sem notas e moedas tradicionais. O dinheiro está indo pelo caminho do dodô? A perspectiva de sua extinção deve ser bem-vinda ou temida? E o que seu desaparecimento significaria para os mercados e a política nacionais e globais?

Dois livros recentes de economistas renomados prepararam o palco para os próximos debates, destacando duas questões em particular. A primeira é se o dinheiro deve desaparecer. A segunda é se ele realmente vai desaparecer. Kenneth Rogoff da Universidade de Harvard e Eswar Prasad da Universidade de Cornell têm muito a dizer sobre ambas as questões.

O DINHEIRO FAZ O MUNDO DAR A VOLTA?

Para Rogoff, dinheiro é uma maldição. A moeda em papel, ele argumenta, "está no centro de alguns dos mais intratáveis problemas financeiros e monetários de hoje", e, portanto, deve ser eliminada o mais rápido possível. Ele destaca dois grandes problemas. Por um lado, ao permitir grandes transações recorrentes e anônimas, o dinheiro facilita a sonegação de impostos e outros crimes. Notas de alta denominação como "Benjamins" (notas de US$ 100) ou a nota de 1.000 francos da Suíça desempenham um papel de protagonista em uma ampla gama de atividades criminosas, desde tráfico de drogas e lavagem de dinheiro até extorsão e extorsão.

Por outro lado, o dinheiro prejudica a política monetária. A disponibilidade de moeda efetivamente estabelece um "limite zero mais baixo" sobre as taxas de juros. Os retornos das contas do Tesouro ou de outros títulos de renda fixa não podem cair muito abaixo de zero, desde que as pessoas tenham a opção de manter o dinheiro em papel, que pelo menos paga zero juros. O dinheiro, portanto, amarra as mãos dos banqueiros centrais, inibindo políticas de taxa de juros negativas.

A Maldição do Dinheiro representa o ápice de uma campanha que Rogoff trava há mais de duas décadas, e ele não dá nenhum soco em sua defesa de uma economia "menos dinheiro". Escrito em linguagem acessível, se um tanto incolor, é um chamado de clarion para a ação – na verdade, um manifesto para nossos tempos. O senso de urgência é palpável.

Maldição do Dinheiro

Prasad, por outro lado, está mais no negócio de previsão. Ele acredita que estamos no meio de uma revolução financeira que está sendo impulsionada pela "FinTech" – a onda contínua de inovações em tecnologias financeiras que estão perturbando drasticamente as formas tradicionais de fazer negócios. Na vanguarda estão as criptomoedas, uma nova classe de instrumentos financeiros que ameaçam deslocar notas e moedas convencionais. "A era do dinheiro está chegando ao fim", declara Prasad, embora hesite em oferecer previsões firmes sobre o que virá a seguir.

O texto de Prasad é relativamente fácil de ler, mostrando flashes de humor apesar das complexidades do assunto. Sua análise, no entanto, é, em última análise, inconclusiva, porque a maioria de suas discussões termina com cautela (e bastante inútil) com palavras como "entre", "talvez" ou "poderia". Em um livro que aspira a ser virtualmente enciclopédico em sua cobertura, a mensagem de Prasad é que permanecem "muitas perguntas sem resposta".



(foto reprodução capa da Revista The Economist de 1988, já perguntava há 33 anos atrás: Estão preparados por uma moeda mundial?)


A DISRUPÇÃO FINTECH

As criptomoedas tornaram-se um dos setores mais quentes nas finanças, liderados pelo Bitcoin, que tem apenas uma década de idade. Novas criptomoedas proliferaram desde então como dente-de-leão; de acordo com o Fundo Monetário Internacional, existem cerca de 9.000 tokens digitais listados em várias exchanges hoje. No início deste ano, o valor de mercado de todos os ativos cripto ultrapassou US $ 2 trilhões - um aumento de dez vezes em não muito mais do que um ano.

As raízes do boom das criptomoedas remontam ao início da era digital nos últimos anos do século XX. Notas e moedas tradicionais são criaturas de um mundo analógico, de natureza física e dependentes de interações cara a cara. As criptomoedas, por outro lado, são digitais – ou seja, baseadas em cadeias criptografadas de zeros e uns – e transferíveis através de vastas redes eletrônicas.

Uma vez que os computadores e a internet passaram a fazer parte do nosso cotidiano, os operadores inteligentes perceberam que seria possível criar unidades de poder aquisitivo que seriam totalmente utilizáveis através do ciberespaço. A corrida era para produzir dinheiro "virtual" que poderia ser empregado tão facilmente quanto dinheiro de papel convencional ou moedas para adquirir bens reais, serviços ou ativos.

As primeiras tentativas de conseguir isso, remontando à década de 1990, visavam simplesmente facilitar a liquidação dos pagamentos eletronicamente. Essas iniciativas, que o The Economist classificou uma vez de forma brincada como "versão 1.0 do e-cash", incluíam diversos sistemas baseados em cartões, bem como sistemas baseados em rede. Operando com um princípio de pré-pagamento total pelos usuários, cada esquema funcionava como não muito mais do que um proxy conveniente para o dinheiro convencional – na verdade, algo semelhante a um cheque glorificado do viajante. Poucos se pegaram com o público em geral.

Os modelos subsequentes, "e-cash versão 2.0", eram mais ambiciosos, aspirando a produzir substitutos genuínos para notas e moedas tradicionais. Exemplos incluíram Flooz (usando o comediante Whoopi Goldberg como porta-voz) e Beenz. Mas o impacto desses esquemas, também, foi limitado, pois a maioria foi oferecida como recompensa pela compra de produtos ou serviços de fornecedores designados – constituindo, de fato, versões eletrônicas atualizadas de scrip antigos. As mídias específicas do fornecedor vivem em programas de milhagem de companhias aéreas e afins; mas eles falharam em fornecer um substituto direto para a moeda tradicional. A maioria desapareceu após a breve crise nos mercados financeiros na virada do século.

AMANHECER REVOLUCIONÁRIO

Depois veio o Bitcoin, uma inovação revolucionária introduzida em 2009 por uma pessoa (ou pessoas) que permanece anônima. Bitcoin poderia ser chamado de "versão e-cash 3.0". Projetada como um sistema de pagamentos descentralizado independente de governos e instituições financeiras privadas, a moeda disparou em popularidade. Desde o início não anunciado do Bitcoin, seu preço subiu de US $ 1 por unidade para até US $ 66.000 no início deste mês.

Muitas outras moedas digitais, incluindo rivais cada vez mais conhecidos como Ether, Litecoin e Ripple, seguiram sua esteira, especialmente ao longo do último ano. Prasad chama o Bitcoin de "avô" das criptomoedas. O dinheiro digital é hoje uma parte estabelecida da ecologia financeira global, e foi declarada proposta legal em dois países, El Salvador e Cuba.

Prasad acha difícil esconder seu entusiasmo pelo Bitcoin, que ele descreve como "verdadeiramente engenhoso e inovador". Palavras como "mágica", "gênio" e "elegante" são liberalmente polvilhadas ao longo de sua discussão. Para quem realmente quer entender como a moeda funciona em todo o seu esplendor técnico, não há melhor introdução do que o quarto capítulo de Prasad, que habita a revolução do Bitcoin em detalhes elaborados.

Futuro do Dinheiro

Lá você encontrará um tutorial passo-a-passo sobre os fundamentos da moeda – a chamada tecnologia blockchain que permite que o Bitcoin funcione sem qualquer autoridade central confiável para gerenciá-la. Nenhuma agência governamental ou instituição privada é necessária para validar transações. Em vez disso, o blockchain se baseia exclusivamente em um mecanismo de consenso público gerenciado através de uma rede peer-to-peer que alerta os participantes para cada troca em tempo real. Um livro-razão de transações compartilhado publicamente é criado e mantido em uma rede descentralizada.

O livro-razão é chamado de blockchain porque uma vez que as transações que entram na rede são agrupadas em blocos de dados e validadas, os blocos são então acorrentados. A "mágica" vem da delegação da confiança e da verificação para a praça pública. Como Prasad diz sem fôlego: "Este é o poder das pessoas, apoiado pelo poder da computação, no seu melhor."

O poder das pessoas para gerenciar o dinheiro é obviamente atraente para libertários e outros que, inspirando-se no economista austríaco Friedrich von Hayek, há muito defendem a "desnacionalização" da moeda. Governos, impulsionados pela política, muitas vezes abusam de seu controle do dinheiro do "Estado", mais cedo ou mais tarde gerando inflação descontrolada. Nos últimos anos, vimos esse processo ruinoso devastar países como Venezuela e Zimbábue.

As ciberações, em contrapartida, são projetadas para contar com as forças do mercado para manter o crescimento da oferta monetária em linha com a atividade econômica real. A inflação, afirmam os entusiastas das criptomoedas, será contida pela sabedoria das multidões.

AS RACHADURAS EM CRYPTO

Mas também há desvantagens, e elas não são insignificantes. Em primeiro lugar e mais óbvio é o perigo de que a concorrência entre as criptomoedas possa levar seus patrocinadores a correr riscos cada vez maiores. Muitos dos milhares de tokens digitais disponíveis atualmente são apoiados por nada mais do que promessas frágeis. Mesmo as chamadas "stablecoins" como Tether ou USD Coin, que em princípio são totalmente apoiadas por reservas convencionais, são, na prática, muitas vezes bastante carentes de transparência.


Observadores frequentemente comparam as moedas cibernéticas de hoje às notas bancárias privadas que circularam nos Estados Unidos durante a co-chamada era de banco livre do século XIX. Mas esse sistema era frágil e frequentemente sujeito a "corridas", devido ao fluxo de confiança pública. Multidões nem sempre mostraram a maior sabedoria. Por que devemos esperar que as moedas cibernéticas de hoje sejam menos propensas a pânicos e flutuações de preços selvagens? Apenas no último ano, o Bitcoin negociou mais de 50%. Prasad chama de "maluco... um passeio de montanha-russa selvagem. Outros podem chamá-la de bolha que pode estourar a qualquer momento.

Em segundo lugar, a perspectiva de volatilidade de preços irrestrito limita a utilidade das criptomoedas como meio de troca. Quem quer aceitar o pagamento em uma moeda cujo valor pode cair no chão amanhã? É certo que sempre haverá alguns atores de mercado, particularmente elementos criminosos, que podem valorizar o suposto anonimato das criptomoedas o suficiente para assumir o risco.

É lógico, então, que as queixas de Rogoff sobre o papel do dinheiro na facilitação da evasão fiscal e outras atividades nefastas também se aplicam às criptomoedas. Mas o próprio Rogoff sugere que a ameaça real das moedas cibernéticas está em outro lugar. "Sim", diz ele, "as moedas digitais levantam questões importantes para o futuro, mas mais como concorrentes para outros instrumentos financeiros e instituições, nem tanto para moeda de papel". Prasad concorda, sugerindo que o fascínio das moedas digitais por atividades ilegais está se esgotando. Alguns estudiosos, no entanto, estimam que as atividades criminosas ainda representam até 50% das transações de Bitcoin.

Além disso, o mundo dos negócios legítimo não parece ser atraído pelo uso cotidiano das moedas cibernéticas. Em vez disso, as moedas cibernéticas tornaram-se principalmente um veículo para investidores amantes de riscos, servindo como uma classe de ativos especulativos que lembram a mania de tulipas do século XVII nos Países Baixos, quando uma única lâmpada foi vendida para o equivalente a uma mansão no Grande Canal de Amsterdã. De certa forma, o rótulo "cybermorency" é um equívoco, pois nenhuma dessas novas criaturas realmente executa todas as três funções tradicionais de dinheiro: meio de troca, unidade de conta e armazenamento de valor. Eles são, na melhor das hipóteses, quase-dinheiro líquidos.

O ESTADO VS. CRIPTO

Pairando sobre todo o debate incipiente é a possibilidade de uma ameaça real à autoridade estatal nos assuntos monetários. Quanto mais transações ordinárias vierem a ser conduzidas em criptomoedas, mais difícil será para as autoridades monetárias gerenciar sistemas de pagamentos existentes através da política tradicional de taxa de juros ou operações de mercado aberto. Se o dinheiro tradicional se torna em grande parte extinto, também o poder dos bancos centrais.

É por isso que agora vemos um interesse crescente em todo o mundo no desenvolvimento de moedas digitais de bancos centrais (CBDCs). Como Prasad aponta, não há nada de misterioso sobre o dinheiro digital do banco central. É simplesmente uma moeda fiduciária existente que é emitida por uma autoridade monetária na forma digital como um complemento ou no lugar de notas e moedas convencionais. Para um guia claro sobre os méritos e riscos de tal inovação, os leitores poderiam fazer pior do que consultar o sexto capítulo de Prasad, que fornece um exame cuidadoso ponto a ponto do caso para CBDCs.


A lógica para cbdcs é simples: combater fogo com fogo. Se o dinheiro em papel convencional realmente está indo no caminho do dodô, as autoridades monetárias devem criar uma alternativa mais atraente. Em qualquer competição com rivais privados, os CBDCs teriam a vantagem de serem firmemente apoiados pela plena fé e crédito de seus governos soberanos. Um país, as Bahamas, já criou um CBDC próprio – o dólar de areia – e outros como a Suécia e o Uruguai estão rapidamente se movendo na mesma direção.

Quem prevalecerá? Escrevendo cerca de cinco anos atrás, antes da mania das criptomoedas realmente decolar, Rogoff expressou confiança na capacidade dos governos de se defender de qualquer ameaça competitiva do setor privado. Esta não é a primeira vez, ressalta ele, que as inovações cambiais emergiram do setor privado para saltar à frente do dinheiro emitido publicamente, pelo menos por um tempo.

Em todas as instâncias anteriores, ele insiste, as inovações foram domadas pela regulamentação ou apropriadas pelos governos, que têm amplas vantagens em fornecer um ativo seguro garantido. Alguns governos, mais notavelmente a China, já começaram a reprimir as criptomoedas. "Se o setor privado encontrar uma maneira muito melhor de fazer as coisas", observa Rogoff, não sem um toque de cinismo, "o governo eventualmente se adaptará e regulará conforme necessário para eventualmente vencer".

Mas Prasad não tem tanta certeza. Escrevendo mais recentemente, ele observa que as criptomoedas vieram de longe na última meia década. Sim, ele admite, os bancos centrais provavelmente permanecerão centrais. Mas isso não exclui a rivalidade sustentada entre os setores privado e público. As moedas digitais emitidas privadamente têm vantagens competitivas próprias, incluindo transações mais rápidas e de menor custo e acesso mais amplo a produtos e serviços financeiros. Um "futuro glorioso" acena, conclui Prasad – antes de acrescentar, "talvez".


FONTE: https://www.project-syndicate.org/onpoint/cash-cryptocurrencies-future-of-money-by-benjamin-j-cohen-2021-10

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.