Ads Top

Novo relatório da AIEA diz que o Irã aumentou estoque de urânio altamente enriquecido


O Irã aumentou seu estoque de urânio altamente enriquecido, desafiando os compromissos assumidos no acordo nuclear de 2015, disse o órgão de vigilância nuclear das Nações Unidas em seu último relatório.


Sua estimativa do estoque do Irã, em 6 de novembro, era muitas vezes superior ao limite estabelecido no acordo de 2015 com potências mundiais, disse o relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) visto quarta-feira pela AFP.


O valor total agora inclui 113,8 kg (251 lbs) enriquecido para 20 por cento, acima dos 84,3 (186 lbs) em setembro, e 17,7 kg (39 lbs) enriquecido até 60%, acima dos 10 kg (22 lbs), o relatório diz.


Esse urânio altamente enriquecido pode ser facilmente refinado para fazer armas atômicas, razão pela qual as potências mundiais têm procurado conter o programa nuclear de Teerã.


A agência com sede em Viena disse aos membros que ainda não foi capaz de verificar o estoque exato de urânio enriquecido do Irã devido às limitações impostas por Teerã aos inspetores da ONU no início deste ano.


A AIEA não tem conseguido acessar imagens de vigilância de instalações nucleares iranianas ou de monitores de enriquecimento online e selos eletrônicos desde fevereiro. O chefe da agência, Rafael Mariano Grossi, disse à Associated Press neste mês que a situação era como “voar em um céu fortemente nublado”.


Grossi visitará Teerã na próxima segunda-feira para discutir o programa nuclear do Irã, disse o porta-voz da agência atômica iraniana, conforme várias datas importantes se aproximam.


Grossi expressou preocupação em 12 de novembro com a falta de contato com o governo iraniano, descrevendo-o como “surpreendente”.


Ele disse que esperava se encontrar com autoridades iranianas antes da próxima reunião do Conselho de Governadores da AIEA, marcada para a próxima semana.


“Não tive nenhum contato com este governo … que está lá há mais de cinco meses”, disse Grossi a repórteres na época, acrescentando que as únicas exceções foram “conversas técnicas” com o novo chefe de energia atômica do Irã, Mohamed Eslami.


O Irã respondeu três dias depois, convidando o chefe nuclear da ONU para ir a Teerã.


O chefe da agência “chegará na noite de segunda-feira, 22 de novembro a Teerã”, disse o porta-voz da agência atômica iraniana à agência de notícias Fars na quarta-feira.


Grossi se encontrará com o ministro do Exterior iraniano, Hossein Amir-Abdollahian, e com o chefe da agência atômica do Irã, Mohamed Eslami, na terça-feira, acrescentou o porta-voz.


A última visita de Grossi a Teerã foi em setembro, quando fechou um acordo sobre o acesso a equipamentos de monitoramento nas instalações nucleares iranianas.


Mas dias depois, a AIEA reclamou que foi impedida de ter acesso “indispensável” a uma unidade do complexo TESA na cidade de Karaj, perto de Teerã, em violação ao acordo de setembro.


O embaixador do Irã na AIEA, no entanto, rejeitou a acusação, tweetando que “o equipamento relacionado a este complexo não está incluído para manutenção”, referindo-se ao trabalho da AIEA em seu equipamento de monitoramento.


Também na quarta-feira, a AIEA negou “categoricamente” que suas câmeras tenham desempenhado um papel no ataque ao complexo TESA em junho, depois que Teerã disse que estava investigando a possibilidade. O Irã culpou Israel pelo ataque explosivo de drones.


A visita de Grossi na próxima semana ocorre antes da retomada, em 29 de novembro, das negociações nucleares em Viena, paralisadas desde junho.


As negociações visam restaurar um acordo de 2015 que ofereceu a Teerã alívio das sanções em troca de grandes restrições às suas atividades nucleares.


Os Estados Unidos retiraram-se unilateralmente do acordo em 2018 sob a administração do então presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.


Em resposta, o Irã começou em 2019 a retroceder em seus compromissos no acordo nuclear, notavelmente aumentando seu enriquecimento de urânio.


O presidente iraniano, Ebrahim Raisi, disse na terça-feira que o Irã está “absolutamente sério” sobre as negociações nucleares, em um telefonema com seu homólogo russo Vladimir Putin.


Raisi acrescentou que o Irã é “igualmente sério sobre os direitos de nosso povo de que as sanções sejam suspensas”.


Seu ministro das Relações Exteriores já havia pedido ao Ocidente que não fizesse “exigências excessivas” a Teerã nas negociações, em um telefonema com seu homólogo russo.


As negociações de Viena contarão com a presença das demais partes do acordo – Grã-Bretanha, China, França, Alemanha e Rússia – enquanto os EUA participarão indiretamente das negociações.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.