Ads Top

Depois de mais de um ano da pandemia COVID-19, com todas as suas consequências globais, a produção de previsões e prognósticos sobre como o mundo ficaria após o fim desta tempestade mostra-se antes uma corrida de suposições e incertezas. A luta contra esta doença depende fortemente de fatores imprevisíveis e instáveis.


Quanto tempo vai durar e quantas ondas haverá? A Europa está iniciando a sua quinta onda com o surgimento de novos casos especialmente entre os vacinados ressuscitando uma nova onda de lockdowns.


Quão profundas e duradouras serão as consequências das medidas de contenção, visto que observamos elas se tornarem cada vez mais cerceadoras de liberdades condicionadas à vacinação? Que tipo de instrumentos usaremos para avaliar a perda de vidas humanas, o desemprego, as falências, o desequilíbrio educacional? Até que ponto os sistemas de governança política se infiltrarão nas sociedades, economias, direitos e liberdades fundamentais? Estas são apenas algumas questões básicas sobre como será o nosso futuro imediato em nível global ou nacional, e como as sociedades irão lidar com isso. A magnitude e o ritmo dessas ações ainda são desconhecidos.


O que podemos supor, sem o medo de cometer erros, é a - já presente - realidade de que todas as deficiências, fracassos, erros e falhas e suas crises adjacentes serão sentidas direta e gradualmente por todas as economias, políticas e sociedades. Eles também tornarão a recuperação mais difícil e mais cara quando se trata de instituições, estruturas, sistemas e entidades que não tiveram a capacidade de se juntar ao aparato global que gerencia os desafios da pandemia, desafios que ainda estão aqui e vão perdurar.


Uma redefinição e um renascimento institucional envolvem e exigirão repensar e redefinir as prioridades no campo das relações internacionais.



“The Great Reset” - Um novo mundo, as mesmas pessoas?



Em 1992, o teórico político americano Francis Fukuyama abalou o mundo intelectual e cultural com seu best-seller O fim da história e o último homem.


A ideia central desenvolvida pelo autor é que o fim da Guerra Fria e a queda do Muro de Berlim marcaram a vitória e a supremacia absoluta e irreversível da democracia liberal e do capitalismo, sobre todas as outras ideologias políticas, bem como dos sistemas econômicos e de governança. Apesar da aclamação que ganhou, o livro de Fukuyama não foi privado de críticas. Um desses críticos, muito direto, foi o filósofo francês de origem argelina Jacques Derrida (o principal defensor da teoria da desconstrução), para quem “Fim da História” nada mais é do que uma representação da própria exibição decorativa de um capitalismo prevalecente (especialmente o capitalismo americano) onde vive o “Novo Homem” - que Derrida cética e sarcasticamente compara ao novo homem promovido pelos avatares comunistas marxistas.


Se a teoria de Fukuyama conseguiu uma encruzilhada histórica - o mundo deixando de ser dividido em duas metades hostis - o Leste europeu de um lado e o "mundo livre", o hemisfério ocidental do outro, a crise da pandemia global COVID-19 definiu o terreno, desde a sua eclosão, para a propagação ante factum da teoria fria e triunfante sobre “o fim da história” e o “reset” fundamental de um novo mundo. E estamos nos referindo à teoria viral chamada The Great Reset em inglês - ou a Grande Reinicialização - e La grande réinitialisation em francês. 


A teoria do Great Reset e as ideias que ela inclui estiveram, pelo menos nos últimos anos, no topo dos tópicos das sessões anuais do Fórum Econômico Mundial, cujo fundador e presidente executivo é o economista alemão Klaus Schwab. O Fórum também é conhecido como Fórum Econômico de Davos, em homenagem à cidade suíça com o mesmo nome, onde ocorreu a primeira reunião anual desta organização, uma organização/fundação sem fins lucrativos dedicada a melhorar continuamente a ordem mundial, ao mesmo tempo em que se concentra em seus setores e mecanismos econômicos.


As decisões que os governos e sociedades tomarão e colocarão em prática durante as próximas semanas e talvez meses produzirão mudanças muito significativas. Eles serão sentidos não apenas no nível de nossas identidades convencionais, sistemas de saúde, economias, mas, acima de tudo, no nível de nossas mentalidades, sistemas de valores, relações sociais e coesão, bem como em nossa própria estrutura cultural. Eles também terão impacto sobre os meios de vida, que nos definem como humanos, bem como sobre o sistema de tradições, crenças e convicções que definem nossa sociedade e nos dão identidades nacionais e sociais.


As pessoas na “Era do Coronavírus” são ameaçadas por uma perspectiva de mudança disfarçada sob o slogan menos vocal e ainda menos oficial “vida pela segurança”. No entanto, o próprio slogan corre o risco de assumir a forma aterradora de “segurança em troca de liberdade e uma identidade única.” Quem não se submeter sentirá o peso da exclusão sem encontrar uma mão estendida em apoio. 



A vida como “estado de emergência”. O mundo visto à distância.



Pela primeira vez em meio século, a humanidade vive o ritmo latejante da emergência, expressão que, embora familiar no domínio terapêutico, tem valência de repetição e replicação. Tem a tendência de transformar a existência humana em uma longa sequência de emergências com diferentes prazos, interligadas pela mesma longa sequência de isolamentos e não comunicações que nos afastam uns dos outros. Estamos testemunhando uma compressão e uma aceleração do próprio tempo - histórico e social. Decisões que em tempos de silêncio demoram mais para ponderar e analisar antes de serem adotadas e implementadas agora são tomadas em um dia ou até menos. Em um estado de emergência, tecnologias, instrumentos e curas, sejam eles não confiáveis ​​ou não seguros, ou mesmo perigosos, são apresentados porque não fazer nada poderia ser tido como muito mais perigoso. Isolamento e abstenção de interação social são colocados em prática. Esses termos não existiam até agora em nosso vocabulário cotidiano, porém, tornaram-se pontos de referência sem antes ter-se tentado encontrar respostas, mesmo que perfectíveis, para algumas questões fundamentais. O que acontecerá aos indivíduos e à comunidade quando todos trabalharem em casa e se comunicarem apenas à distância, pelos meios proporcionados pelo progresso tecnológico? Até onde pode ir o “ensino à distância” e quão eficaz pode ser?



Uma geopolítica de incertezas



Em uma encruzilhada, quando sociedades, governos e instituições estatais estão enfrentando o enorme fluxo de desafios para não deixar escapar a opotunidade do Covid-19 para implementar o grande reset, nosso universo cognitivo e interno se assemelha cada vez mais a um poço escuro e sem fundo onde perguntas, esperanças e ansiedades fervem. E, mais ou menos explícitas, as tentativas de identificar possíveis respostas e soluções parecem ser mais óbvia e naturalmente contingentes à palavra “pós”. Em um mundo onde falamos sobre pós-terrorismo, pós-verdade, pós 11 de setembro ou pós-humanismo, não é surpreendente que nossa turbulência axiológica se concentre no que o mundo pode ou não ser após a pandemia do Coronavírus. Após os ataques às Torres Gêmeas, o ex-presidente George W. Bush disse que o mundo depois [dos ataques] nunca mais seria o mesmo. E este mundo depois decepcionou, ao trazer guerras religiosas em vez da paz esperada, o acirramento dos conflitos ideológicos ou econômicos em vez de uma nova ordem mundial. Mesmo então a grande mídia se referia ao termo Nova Ordem como uma teoria da conspiração. Hoje eles evitam o termo por vergonha, mas seus agentes a repetem como um mantra. É o sonho máximo da oligarquia controladora. O seu nirvana final. 


Então, como ficará o mundo depois do COVID-19?


Que memórias o homem solitário e anti-social fará, quais serão os recursos para reanimar economias gravemente enfermas se elas já não foram destruídas de forma impensável? Como poderemos entender o sistema de valores, a democracia, o conceito de nação, as dimensões dos direitos humanos e das liberdades, a perspectiva da cooperação e do assim chamado multilateralismo cooperativo?



Existe, é claro, a velha dimensão antropológica da esperança, que nos leva a acreditar em uma restauração rápida de grandes equilíbrios; no entanto, é acompanhado pelo medo primordial de possíveis deflagrações sociais e de identidade, cuja escala é difícil de saber e prever. Quão profunda e ameaçadora será a clivagem - cada vez maior diante de nossos olhos - uma vez que países como Austrália, Nova Zelândia, Inglaterra, França e EUA estão empurrando uma ditadura sanitária forçando com que as demais nações alinhem nas políticas controladoras se não quiserem ficar de fora. 





Sobreviver juntos ou morrer sozinhos


A humanidade atravessa uma crise global, talvez a mais virulenta e dramática de nossa geração. As decisões e comportamentos de governos e sociedades nas próximas semanas remodelarão as estruturas e identidades individuais e coletivas por muitos anos. Na luta contra os desafios atuais, as ações e parcerias globais buscam uma resposta para a pergunta fundamental: “Em que mundo queremos viver?” Existe apenas dois caminhos: viver como humanos isolados e encasulados na solidão ou entregar a liberdade como moeda de troca pela aparência de normalidade -  abraçando a solidariedade global. 


No discurso retórico a pandemia é vista como global, não podemos dizer o mesmo sobre o caráter da reação às medidas abusivas e perda das liberdades. E, deste ponto de vista, pode-se dizer que estamos praticamente testemunhando uma paralisia coletiva internacional. Neste momento em que sociedades de duas camadas estão sendo criadas, que não vacinados estão sendo perseguidos e que o passaporte de vacinação acabará por ser um controle financeiro, temos que escolher entre a unidade ativa e o auto isolamento dentro das paredes da nossa própria fé. Ao curvar-nos à estátua de ouro nos condenamos à perda de nosso único direito remanescente - o direito à esperança. O direito à esperança enquanto imerso por muito tempo, se não para sempre, no abismo escuro de nossa solidão. Escuro, no entanto, será onde a nossa luz brilhará mais forte. 



Uma questão ainda desconhecida concerne as nossas crianças e como a futura geração será impactada pelas medidas de restrições impostas hoje. No vídeo "Filhos do Grande Reset," no canal Restrito do Informante, analisamos a epidemia de ansiedade e depressão infantil que acontece em números nunca antes vistos e também em outros vídeos, tocamos nos impactos sociais da pandemia nos adultos, especialmente no tocante aos casos de suicídio e depressão.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.