Ads Top

EUA investigam injeção da moderna após dados mostrarem ser 2,5x maior o risco de inflamação cardíaca, após aplicação desta picada




Os censores de mídia social da Internet têm sido extremamente vigilantes em suprimir cada notícia da "desinformação" da vacina COVID que vem em seu caminho. Assim, como os leitores podem imaginar, chamar a atenção para dados divulgados publicamente sobre os raros (mas às vezes mortais) efeitos colaterais associados tanto aos jabs mRNA quanto ao vetor adenovírus tem sido... um desafio.

Mas vamos voltar: nos últimos meses, as autoridades de saúde dos EUA e de Israel ligaram raros casos de miocardite - ou seja, inflamação do coração - aos jabs de mRNA produzidos pela Pfizer e Pela Moderna. Após uma reunião secreta apressada com seus conselheiros no final de junho, a FDA relutantemente divulgou um aviso sobre uma "provável associação" entre as incidências de miocardite e os novos efeitos colaterais.


E agora, uma nova reviravolta: Na quinta-feira à noite, o Washington Post publicou um relatório afirmando que a vacina coronavírus Moderna pode estar associada a um risco maior de miocardite em adultos mais jovens do que se acreditava anteriormente. O relatório se baseia em novos dados de um estudo canadense que ainda não foi divulgado.

Quanto mais perigoso é o jab moderno do que a Pfizer? Bem, os dados preliminares vazados para WaPo mostram que o risco de miocardite pode ser até 2,5x maior para a injeção Moderna.


A notícia representa o mais recente aumento na estrada para o estoque de alta alta duração da Moderna, já que os pacientes (especialmente homens mais jovens entre 20 e 30 anos considerados de maior risco para sofrer o efeito colateral) agora têm um incentivo para preferir o jab da Pfizer em vez do moderno (se eles ainda têm alguma confiança nos jabs de mRNA em tudo, isto é).

Fontes da WaPo enfatizaram que a nova pesquisa ainda não foi concluída, e que ainda há muito trabalho a ser feito antes que a FDA decida se anexaria outro rótulo de aviso aos jabs modernos. As fontes também afirmaram que os novos dados "não são uma surpresa".


A investigação, que envolve a Food and Drug Administration e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, está focada em dados canadenses que sugerem que a vacina Moderna pode ter um risco maior para os jovens do que a vacina Pfizer-BioNTech, especialmente para homens com menos de 30 anos ou mais. As autoridades também estão examinando dados dos Estados Unidos para tentar determinar se há evidências de um risco aumentado da Moderna na população dos EUA.


As duas pessoas que descreveram a investigação falaram sob a condição de anonimato para discutir uma revisão em andamento porque não estavam autorizadas a discuti-la.


Uma das pessoas familiarizadas com a revisão enfatizou que é muito cedo para chegar a uma conclusão. A pessoa disse que as agências devem fazer um trabalho adicional antes de decidir se devem emitir qualquer tipo de aviso ou recomendação nova ou revisada sobre a situação. Em junho, a FDA adicionou um rótulo de alerta para as vacinas Pfizer e Moderna — ambas conhecidas como vacinas mRNA — sobre o aumento do risco de miocardite.

“Não chegamos a uma conclusão sobre isso”, disse uma pessoa familiarizada com a investigação. “Os dados não são estrondosos.”


O FDA e o CDC disseram que estão analisando os dados. Para ter certeza, WaPo observa que os efeitos colaterais permanecem "extremamente raros" - ou pelo menos "muito incomuns". Provavelmente...


O efeito colateral da miocardite é extremamente raro e, mesmo que seja mais provável em pessoas que recebem a vacina Moderna, provavelmente ainda é muito incomum. As autoridades querem ter cuidado para não causar alarme entre o público, especialmente quando as autoridades estão tentando persuadir mais pessoas a serem vacinadas em meio a uma onda de casos alimentados pela variante delta de rápida movimentação.


Até agora, a posição oficial da FDA e do CDC é que a ameaça representada pelo COVID é muito pior do que qualquer ameaça representada pelos efeitos colaterais da vacina, e que todos os americanos com mais de 12 anos devem receber o jab. Mas, como em qualquer julgamento científico recente, há outros na comunidade que discordam - alguns que acreditam que o risco de efeitos colaterais para os jovens pode apenas superar o risco de dano da contratação do COVID, que - como revisamos antes - é praticamente nulo.




Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.