Ads Top

Jerusalém POST crava fim do império dos Estados Unidos da América

 Império: a era mais ambiciosa, contraditória e cara da história Estadunidense, está pronta para acabar.


O que começou com as conquistas do Havaí e das Filipinas há mais de 120 anos, e mais tarde produziu o império mais poderoso da história, tornou-se agora absurdo em termos de seu tamanho, exorbitante em termos de seus custos, e irrelevante em termos de seus objetivos.

Em um momento em que a sociedade americana está dividida em uma miríade de outras questões – do controle de armas e da saúde ao bem-estar e abortos – o recuo imperial tem sido um dos objetivos que Donald Trump, bem como Barack Obama e Joe Biden, todos compartilhavam e praticavam, embora com diferentes graus de desajeitado.


Considerando a história imperial, as circunstâncias internacionais e o código genético da sociedade americana, o retiro global é de fato o que o Tio Sam deve fazer agora.

O IMPÉRIO tem sido um elemento da história desde que os acádios conquistaram muito do que se espalha entre o Iraque de hoje, o Irã e Omã. Ainda assim, nenhum império tem sido nada parecido com o americano.

O imperium americano plantou 800 bases em todo o mundo, mais de 20 vezes o que as outras quatro superpotências combinaram. O número de tropas americanas estacionadas no exterior, 200.000, é igual ao tamanho de todo o exército permanente da França. Cerca de 150 dos 195 países do mundo recebem tropas americanas.

Os gastos militares anuais da América, mais de US$ 770 bilhões, são maiores do que os próximos cinco gastadores militares juntos. Os 11 porta-aviões com os quais o Tio Sam navega em alto mar equivalem ao total combinado de todos os porta-aviões de todos os outros países.

Qual é o propósito e o rendimento deste investimento imperial, e como a motivação imperial da América se compara com as de impérios anteriores?


Os atenienses queriam o mar. Os romanos queriam continentes. Os mongóis queriam o horizonte. Os espanhóis queriam saque. Os britânicos queriam comércio. Os nazistas queriam escravos. Os bizantinos queriam fazer mais cristãos. Os árabes queriam fazer mais muçulmanos, os soviéticos queriam fazer mais comunistas. O que os americanos queriam?

Bem, eles queriam coisas diferentes em momentos diferentes. O mais cedo foi a glória.

"As armas de nossos navios de guerra nos mares trópicos do Oeste e do leste remoto acordaram para o conhecimento de novos deveres", disse Teddy Roosevelt, referindo-se às primeiras vitórias militares da América no exterior (Nathan Miller, Theodor Roosevelt: A Life, p. 319). "Deveres" neste caso não significavam as necessidades, mas a influência de uma superpotência. Foi isso que o fez pregar o uso da localização única da América entre os dois maiores oceanos do mundo, a fim de criar a superpotência naval que ela realmente se tornou.

O mesmo senso de "dever" imperial foi o que fez Roosevelt mediar entre a Rússia e o Japão, um papel internacional que os EUA nunca haviam assumido. Este "imperialismo do dever" amadureceu quando a chegada dos militares americanos à Europa rapidamente decidiu a Primeira Guerra Mundial.

No final da próxima guerra mundial, a posição imperial da América foi transformada: não era mais uma nação jovem afirmando seu novo poder, mas agora era impulsionada pela preocupação com a própria sobrevivência do mundo.

Depois de ter derrotado ditaduras belicosas que atacaram dezenas de países em uma busca para tomar recursos e subjugar nações, o Império Americano agora liderou o resto da resistência mundial à nova ameaça totalitária, o comunismo soviético.

Esse objetivo imperial foi alcançado. O Império Soviético desmoronou tão rapidamente quanto os impérios fascistas antes dele. Agora, com a Guerra Fria vencida, o Império Americano marchou para sua terceira fase, aquela que não venceria: proselitismo.


AO CONTRÁRIO do imperialismo de ROOSEVELT, que era sobre a glória americana, e ao contrário do legado de Harry Truman, que era sobre autodefesa ocidental, o imperialismo americano era agora sobre o evangelho. Subitamente reforçado pelos antigos membros do Pacto de Varsóvia, o império americano foi agora reprogramado como uma espada e lança do império democratizador.

Para o império americano, era um horizonte demais.

A imposição imperial de ideias falhou antes da visitação afegã da América, e falhará depois dela. As chances do Tio Sam de fazer o mundo adotar suas convicções não eram melhores do que as de Paulo, Maomé ou as chances de Lênin de espalhar suas próprias crenças para toda a humanidade. A desventura afegã deve ser, portanto, a última guerra imperial da América.

Uma coisa é exercer o poder para proteger uma ideia, como a América fez durante a Guerra Fria. É uma coisa totalmente diferente de se fazer para espalhar uma ideia. Não funciona.

Essa é a segunda razão pela qual o Império Americano é agora irrelevante. A primeira é que as superpotências rivais de hoje, ao contrário da União Soviética em seu tempo, não estão no negócio de espalhar a fé. Rússia e China são antidemocráticas, mas não desafiam a forma como o Ocidente é executado, não em sua diplomacia e não em sua propaganda.

Por que, então, cercar o globo com tropas americanas, bases e porta-aviões? E por que gastar em defesa anual de 770 bilhões de dólares, quando cada metrópole americana apodrece com guetos espalhados onde milhões de americanos subeducados definham na pobreza, indignidade e desespero?

O imperium americano tornou-se um absurdo que negligencia as entranhas da América e esvazia seus cofres enquanto luta por uma causa impossível contra inimigos que não existem mais.

O período imperial da América tem sido intenso e de muitas maneiras gratificante, mas não fazia parte do caminho americano. Ao contrário dos britânicos e franceses, os americanos não construíram colônias. Os americanos permaneceram insulares, como se acenassem para a afirmação de George Washington em seu discurso de despedida:

"A grande regra de conduta para nós em relação às nações estrangeiras é ... ter com eles o menor contato político possível.

Sim, agora há um mundo livre que não existia no tempo de Washington. A América é, e deve permanecer, seu líder. O resto do mundo, no entanto, permanecerá sob déspotas até que seus cidadãos se rebelem, porque impérios, mesmo os da América, não podem mudar o mundo do jeito que só os rebeldes podem.


FONTE: JPOST

TRADUÇÃO: BDN

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.