Ads Top

FRACASSO! Joe Biden não conseguiu tirar todos os Soldados dos EUA, do Afeganistão, restaram 250 no País Afegão. Isto mostra incompetência, e como os Estados Unidos estão deixando de ser uma Super potência

Um presidente desafiador Joe Biden defendeu sua saída tumultuada do Afeganistão na terça-feira, recusando-se a admitir erros ou aceitar a culpa por vidas perdidas ou americanos deixados para trás.

Hoje, a palavra "sucesso" tem uma nova definição. De acordo com Joe Biden, um "sucesso" agora é definido pela quebra de suas promessas de evacuar todos os Soldados Estadunidenses do Afeganistão controlado pelo Talibã. Um "sucesso" é agora quando você embaraça uma missão tão ruim que 13 soldados americanos são assassinados por terroristas do ISIS, um "sucesso" é quando um ataque de drones não elimina terroristas, em vez de matar crianças e civis inocentes. Um brinde ao sucesso. Eh?


"Pois todos os deuses das nações são ídolos, mas o SENHOR fez os céus." Salmo 96:5 (KJB)


Minha definição de sucesso seria Joe Biden levado a julgamento por crimes de guerra, seus generais do Pentágono junto com ele, e ser responsabilizado pelo desastre absoluto que esta retirada realmente foi. Nada que a administração Biden diz é verdade, eles estão deitados em todos os níveis, acredite neles por sua conta e risco. A América não tem presidente agora, estamos sendo liderados pelas figuras sombrias e sinistras do governo das sombras. Espere até que os terroristas islâmicos que estão sendo trazidos para a América, misturados com as mulheres e crianças afegãs, comecem a jihad em sua cidade. Que divertido será, obrigado indeciso andante Joe!


"Alguns dizem que a evacuação do Afeganistão poderia ter sido iniciada mais cedo e concluída de forma mais ordenada", disse Biden. "Eu respeitosamente discordo." Biden começou descrevendo a evacuação militar como um sucesso, desafiando os críticos de sua saída apressada do país depois que o Talibã tomou o controle de Cabul em 15 de agosto.


"O EXTRAORDINÁRIO SUCESSO DESTA MISSÃO DEVE-SE À INCRÍVEL HABILIDADE CORAJOSAMENTE (SIC) E CORAGEM ALTRUÍSTA DOS MILITARES DOS ESTADOS UNIDOS E DE NOSSOS DIPLOMATAS E PROFISSIONAIS DE INTELIGÊNCIA", DISSE ELE.


Biden se atrasou 44 minutos para seu discurso agendado - embora já tenha sido remarcado do início da tarde. Ele começou seu discurso quase gritando do palanque enquanto defendia seus esforços. Seu discurso ocorreu mais de 24 horas após o último voo deixar o aeroporto de Cabul, deixando o Departamento de Estado e o Pentágono para explicar por que os americanos foram deixados para trás, mesmo depois que Biden prometeu ficar até que todos os americanos fossem evacuados.


joe-biden-cognitiive-decline-says-afeganistão-retirl-was-success-a despite-hundreds-of-americans-left-stranded-cabul-taliban

por Geoffrey Grider31 de agosto de 2021

AGORA COMEÇA O FIM:

FacebookGorjeioRedditEmailPinterestImprimirCompartilhar

Um presidente desafiador Joe Biden defendeu sua saída tumultuada do Afeganistão na terça-feira, recusando-se a admitir erros ou aceitar a culpa por vidas perdidas ou americanos deixados para trás.

Hoje, a palavra "sucesso" tem uma nova definição. De acordo com Joe Biden, um "sucesso" agora é definido pela quebra de suas promessas de evacuar todos os americanos do Afeganistão controlado pelo Talibã. Um "sucesso" é agora quando você embaraça uma missão tão ruim que 13 soldados americanos são assassinados por terroristas do ISIS, um "sucesso" é quando um ataque de drones não elimina terroristas, em vez de matar crianças e civis inocentes. Um brinde ao sucesso. Eh?


"Pois todos os deuses das nações são ídolos, mas o SENHOR fez os céus." Salmo 96:5 (KJB)


Minha definição de sucesso seria Joe Biden levado a julgamento por crimes de guerra, seus generais do Pentágono junto com ele, e ser responsabilizado pelo desastre absoluto que esta retirada realmente foi. Nada que a administração Biden diz é verdade, eles estão deitados em todos os níveis, acredite neles por sua conta e risco. A América não tem presidente agora, estamos sendo liderados pelas figuras sombrias e sinistras do governo das sombras. Espere até que os terroristas islâmicos que estão sendo trazidos para a América, misturados com as mulheres e crianças afegãs, comecem a jihad em sua cidade. Que divertido será, obrigado Walkaway Joe!



TALIBÃ CELEBRA SUA VITÓRIA IMPRESSIONANTE COMO 'WALKAWAY JOE' DEIXA CENTENAS DE AMERICANOS PRESOS NA NAÇÃO TERRORISTA DO AFEGANISTÃO


Joe Biden irritado se recusa a admitir erros ou aceitar responsabilidade em saída desastrosa do Afeganistão

DA BREITBART NEWS: "Alguns dizem que a evacuação do Afeganistão poderia ter sido iniciada mais cedo e concluída de forma mais ordenada", disse Biden. "Eu respeitosamente discordo." Biden começou descrevendo a evacuação militar como um sucesso, desafiando os críticos de sua saída apressada do país depois que o Talibã tomou o controle de Cabul em 15 de agosto.


"O EXTRAORDINÁRIO SUCESSO DESTA MISSÃO DEVE-SE À INCRÍVEL HABILIDADE CORAJOSAMENTE (SIC) E CORAGEM ALTRUÍSTA DOS MILITARES DOS ESTADOS UNIDOS E DE NOSSOS DIPLOMATAS E PROFISSIONAIS DE INTELIGÊNCIA", DISSE ELE.


Biden se atrasou 44 minutos para seu discurso agendado - embora já tenha sido remarcado do início da tarde. Ele começou seu discurso quase gritando do palanque enquanto defendia seus esforços. Seu discurso ocorreu mais de 24 horas após o último voo deixar o aeroporto de Cabul, deixando o Departamento de Estado e o Pentágono para explicar por que os americanos foram deixados para trás, mesmo depois que Biden prometeu ficar até que todos os americanos fossem evacuados.


nteb-bíblia-crentes-christian-book-store-saint-augustine-florida-king-james-rightly-dividindo-estudo-ajuda


O presidente também defendeu deixar os americanos para trás no Afeganistão, argumentando que 90% dos americanos que queriam sair foram evacuados. Biden disse que a decisão de sair em 31 de agosto foi uma decisão apoiada por seus assessores militares e civis. Ele disse que o prazo de 31 de agosto para a partida não era um prazo "arbitrário", mas "projetado para salvar vidas americanas" - embora ele tenha mudado repetidamente a data de saída desde que se tornou presidente.


Biden também tentou justificar seu fracasso, sugerindo que muitos americanos que permaneceram no Afeganistão estavam ficando dispostos.


"A QUESTÃO É QUE NÃO HÁ EVACUAÇÃO DO FIM DE UMA GUERRA QUE VOCÊ POSSA EXECUTAR SEM OS TIPOS DE COMPLEXIDADES, DESAFIOS, AMEAÇAS QUE ENFRENTAMOS. NENHUM", DISSE ELE.


Biden voltou a culpar seu antecessor por empoderar o Talibã no Afeganistão, argumentando que ele não tinha intenção de ficar mais do que 31 de agosto.


"Essa foi a verdadeira escolha, entre sair e escalar", disse ele. "Eu não ia estender esta guerra para sempre. E eu não ia estender uma saída para sempre. LEIA MAIS


A popularidade de Joe Biden atingiu o menor índice desde a sua tomada de posse em janeiro, impulsionada pela retirada das tropas norte-americanas do Afeganistão, que resultou na conquista do poder pelos talibãs em Cabul.


A percentagem de norte-americanos que avaliam positivamente o desempenho do presidente norte-americano caiu para 54%, em um momento em que os EUA enfrentam dois sérios problemas: uma nova onda de casos da COVID-19 e a crise do Afeganistão.


Motivos de queda da popularidade de Biden

A professora na Universidade São Judas Tadeu e pesquisadora do Grupo de Estudos de Defesa e Segurança Internacional e INCT-Ineu, Clarissa Nascimento Forner, acredita que a queda do índice de aprovação de Biden é significativa, mas não é algo totalmente inesperado, já que faz parte do processo político norte-americano.


Contudo, Clarissa Nascimento Forner ressalta que, mesmo sendo algo normal no sistema norte-americano, a queda está relacionada aos eventos mais recentes e ao contexto específico de Biden.


"Eu tendo a concordar com a perspectiva de que, neste momento, esta queda mais acentuada tem a ver com os dois eventos centrais: o avanço da variante Delta do coronavírus, e, por outro lado, os últimos acontecimentos em relação à retirada do Afeganistão", afirmou a professora, citando que estes são os dois principais fatores que têm provocado a queda acentuada da popularidade de Biden.

Para a pesquisadora do PPGRI San Tiago Dantas (UNESP/UNICAMP/PUC-SP) e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Estudos dos Estados Unidos (INCT-INEU), Lívia Peres Milani, há três motivos principais que contribuíram para a queda de popularidade de Biden: uma questão estrutural nas relações com os grupos internos, a questão da pandemia e a retirada do Afeganistão.


Questionada sobre como o Afeganistão estaria impactando na queda de popularidade, Clarissa Nascimento Forner acredita que, apesar de o Afeganistão ser um tema de longa data, os últimos fatos divulgados "geram uma sensibilidade muito grande". Contudo, os dados mostram que uma grande parte da população norte-americana era a favor da retirada das tropas americanas do território afegão.

"Existe uma discordância quanto ao modo como a retirada foi conduzida. A questão da proteção de civis, de modo geral há uma discordância maior em relação a isso, mas não de que a retirada fosse necessária. Essa percepção de fracasso está mais ligada a esta questão, e tende a recair com mais força sobre Biden por ter sido o governo que tomou a decisão", explica.


Risco para os democratas nas próximas eleições?

Os dados também apontam que há uma perda de apoio de Biden entre os independentes, o que supostamente poderia impactar na capacidade da administração Biden de aprovar projetos de lei no Congresso.


Para Clarissa Nascimento Forner, os independentes, sendo mais da esquerda, tendem a ter uma visão mais crítica, o que para Biden é muito importante, pois o país está em um contexto de pré-preparação para as eleições do Congresso em 2022, e Biden possui uma série de projetos que pretende aprovar, do ponto de vista econômico, social, reforma de infraestrutura, "então ter esse apoio dos independentes e da própria base democrata é muito importante".


iden e a pandemia de COVID-19

Os democratas da Câmara dos Deputados não chegaram a um acordo sobre a sequência de tramitação do pacote de infraestrutura de US$ 1 trilhão (R$ 5,1 trilhões) e da proposta orçamentária de US$ 3,5 trilhões (RS 18,1 trilhões), que faz parte da agenda econômica do presidente Biden.


A deterioração da situação da pandemia nos EUA segue afetando a política de Biden, que segue negociando o pacote de infraestrutura.


Clarissa Forner cita que o anúncio do pacote trouxe uma mobilização positiva, inclusive com os dados econômicos mostrando isso, com um primeiro trimestre positivo para a economia do país.


"O problema é que tivemos uma série de elementos que de alguma forma, enfraqueceram esse processo. Um deles é a variante Delta [...] O fato de termos essa variante acaba trazendo muita confusão do ponto de vista da opinião pública", explicou.

A professora também recorda que Biden não conseguiu cumprir a promessa de vacinar 70% da população, com pelo menos a primeira dose até o dia 4 de julho, contudo o país tem uma média de 66% da população vacinada, o que gera insatisfação.


Os norte-americanos seguem pessimistas em relação ao futuro econômico do país, apesar de os dados mostrarem que a economia dos EUA pode melhorar.


Com isso, há a percepção de que a recuperação econômica do país não está chegando na população norte-americana.


Por sua vez, Clarissa Forner acredita que os EUA ainda não tiveram tempo para sentir esta recuperação e que a nova variante da COVID-19 pode ter contribuído para uma percepção de retrocesso na economia do país.


QUEDA LIVRE DE BIDEN, PARA KAMALA TERMINAR DE DESTRUIR. 

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.