Ads Top

Macron procura forjar parceria baseada em tecnologia com a administração de Biden, já que a França agora prioriza um GRANDE RESET digital

Enquanto o governo Biden se prepara para "renovar a democracia e as alianças dos EUA", a França e a América estão prontas para uma aproximação focada em tecnologia. A França, antes considerada destinada ao declínio e isolamento no início dos anos 2000, ressurgiu como um ator central na geopolítica do século XXI, com Emmanuel Macron no centro do palco.

Como Emmanuel Macron vem silenciosamente transformando a França em uma potência tecnológica, e com o governo Biden chegando agora a menos de um mês, Macron está se esforçando para formar uma aliança digital com os Estados Unidos. Podemos imaginar os rápidos avanços que veremos em relação a um passaporte de imunidade digital que liga a América à Europa.

Tecnologia pode ser a base de uma aliança renovada EUA-França

DA POLÍTICA EXTERNA: Uma aliança revitalizada EUA-França, ancorada em profunda cooperação tecnológica, é fundamental para o avanço dos interesses da América em múltiplas frentes. É também um caminho necessário para defender os interesses globais da França, e para reforçar seus setores nascentes de alta tecnologia.


O poder francês é mais abrangente do que muitos americanos imaginam. Estima-se que, em meados do século, a população francesa estará aproximadamente em pé de igualdade com a da Alemanha, pela primeira vez em mais de um século. Ao contrário da Alemanha ou do Japão, a França detém um assento permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas e é capaz de projetar o poder militar muito além de suas fronteiras. Ao contrário do Reino Unido, a França é uma potência dentro das instituições europeias. E como o único país que atravessa as divisões geográficas e culturais entre o norte e o sul da Europa, a França está posicionada exclusivamente para influenciar os assuntos continentais. Do Oriente Próximo ao Sahel e ao Indo-Pacífico, houve muita comunhão geopolítica e ação coordenada entre a França e os Estados Unidos — através de administrações bem sucedidas na última década.


O SENTIDO DA FRANÇA DE SEU PRÓPRIO PAPEL NACIONAL INDEPENDENTE POR MUITO TEMPO DIFICULTOU UM PAPEL IMPORTANTE DENTRO DA UNIÃO EUROPEIA. ISSO NÃO É MAIS ASSIM. MACRON CORREU EM UMA PLATAFORMA ABERTAMENTE EUROPEIA E SEU GOVERNO É O MAIS PROATIVO DE TODOS OS TEMPOS EM QUESTÕES EUROPEIAS. HÁ AGORA UMA CONTINUIDADE ENTRE A HERANÇA E OS VALORES DA FRANÇA E UM DESTINO EUROPEU.


Macron fez da tecnologia uma peça central de sua agenda — mesmo fazendo questão de incluir dois iPhones em seu retrato presidencial oficial. Em 2017, Macron pediu que a França fosse "uma nação que pensa e se move como uma startup". Dois anos depois, ele anunciou um investimento de 5 bilhões de euros no crescimento da indústria tecnológica francesa e na criação de 25 "unicórnios" franceses até 2025.


A French Tech Mission, uma iniciativa do governo para incentivar startups, colocou representantes em todos os ministérios. Enquanto isso, a Estação F, um depósito de trem convertido de 366.000 metros quadrados em Paris é hoje a maior incubadora tecnológica do mundo. Sob Macron, escreveu Celia Belin e Boris Toucas, a França decidiu "repensar seu papel internacional e reiniciar". Com a atenção e o investimento certos, uma aliança tecnológica franco-americana reiniciada está pronta para resolver várias questões globais urgentes.


A França é um centro de indústrias avançadas com tecnologias críticas — aeroespacial, nuclear, algumas TI e muitos desenvolvimentos relacionados à defesa. Isso o tornou um alvo para roubo de tecnologia chinesa. É o apoiador mais ativo dentro da União Europeia de triagem de investimentos e controles de exportação de tecnologia — resultando na recente proposta da UE de um Conselho de Comércio e Tecnologia UE-EUA. Uma aliança tecnológica com a França pode ajudar a proteger a integridade da Internet.

A França liderou o combate à desinformação, com as eleições francesas de 2017 vendo instituições francesas e meios de comunicação se unirem contra tentativas de hackear e vazar operações. No ano seguinte, o governo francês emitiu o Paris Call for Trust and Security in Cyberspace, reunindo mais de 1.100 governos, empresas e atores da sociedade civil — da Grécia ao Google — em torno de um conjunto de princípios para promover a paz cibernética e proteger a Internet democrática. A liderança francesa se encaixa com a proposta do presidente eleito Joe Biden para uma Cúpula pela Democracia que, entre outros objetivos, pediria às empresas de tecnologia que "garantam que suas ferramentas e plataformas não estejam capacitando o Estado de vigilância, estripando a privacidade, facilitando a repressão na China e em outros lugares, espalhando ódio e desinformação, estimulando as pessoas à violência ou permanecendo suscetíveis a outros abusos".

A tecnologia será a espinha dorsal dos esforços para produzir e implantar vacinas de forma eficiente e combater o COVID-19 de forma eficiente. Os dois países já cooperaram na pesquisa e desenvolvimento de candidatos a vacinas: os Estados Unidos forneceram fundos críticos para a farmacêutica francesa Sanofi. De forma mais geral, os provedores franceses de seguros farmacêuticos e de saúde estão de olho em novos métodos para usar dados para prever e ajudar a prevenir doenças, uma área privilegiada para futuras colaborações com empresas norte-americanas, como Google e Apple, que também estão experimentando neste espaço. LEIA MAIS

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.