Ads Top

As 10 principais conquistas do Governo de Donald Trump



Enquanto Joe Biden está ocupado anunciando seus planos, a Casa Branca produziu uma lista das principais realizações do presidente Trump. E embora a lista chegue a mais de 700, para muitos de seus mais fervorosos defensores, seu mandato será lembrado como um amor sem precedentes por Israel. 

Embora a lista seja realmente impressionante por qualquer padrão e valha a pena ler, este artigo se concentrará em suas realizações que envolveram Israel. Sob o título, “Renovamos nossa querida amizade e aliança com Israel e tomamos medidas históricas para promover a paz no Oriente Médio” (o que poderia ser uma conquista por si só), a Casa Branca listou dez realizações.

1: RECONHECEU JERUSALÉM COMO A VERDADEIRA CAPITAL DE ISRAEL E MUDOU RAPIDAMENTE A EMBAIXADA AMERICANA EM ISRAEL PARA JERUSALÉM

A Lei da Embaixada de Jerusalém de 1995 legislou que Jerusalém deveria ser reconhecida como a capital eterna de Israel e a localização da embaixada deveria refletir isso. E embora todos os presidentes eleitos desde que a lei foi aprovada tenham prometido realizá-la, em dezembro de 2017, o presidente Trump foi o primeiro a ter a coragem de fazê-lo. 

Sua ação foi amplamente condenada pelos democratas e outros líderes nacionais e lhe rendeu um voto negativo nas Nações Unidas, já que muitos alertaram que sua ação levaria a uma guerra apocalíptica no Oriente Médio. Não apenas a guerra não apareceu, mas Trump levou o Oriente Médio a acordos de paz sem precedentes.

2: RECONHECEU A SOBERANIA DE ISRAEL SOBRE AS COLINAS DE GOLÃ E DECLAROU QUE OS ASSENTAMENTOS ISRAELENSES NA CISJORDÂNIA NÃO SÃO INCONSISTENTES COM O DIREITO INTERNACIONAL

Nesta conquista, a administração está vendendo a si mesma, listando duas conquistas massivas, cada uma espetacular em seu próprio direito, como uma. 

Em março de 2019, o presidente Trump assinou uma proclamação presidencial tornando os Estados Unidos o primeiro país a reconhecer a soberania israelense sobre a região vital que foi capturada na defensiva Guerra dos Seis Dias de 1967 e anexada em 1981.

A medida também ajudou a inclinar a balança a favor de Israel em um momento em que o Irã estava se expandindo regionalmente para a Síria, do outro lado da fronteira.

Em reconhecimento à generosidade de Trump, Israel dedicou Trump Heights, a primeira comunidade em Israel com o nome de um presidente americano em exercício desde Kfar Truman.

3: RETIROU OS ESTADOS UNIDOS DO CONSELHO DE DIREITOS HUMANOS DAS NAÇÕES UNIDAS DEVIDO AO PRECONCEITO ANTI-ISRAEL FLAGRANTE DO GRUPO

Em junho de 2018, Nikki Haley, a indomável embaixadora de Trump na ONU, anunciou que os EUA estariam encerrando a farsa de participar do lamentavelmente erroneamente denominado Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas.

“Quero deixar bem claro que este passo não é um retrocesso dos compromissos de direitos humanos”, disse Haley à mídia no anúncio. “Ao contrário, damos esse passo porque nosso compromisso não nos permite permanecer parte de uma organização hipócrita e egoísta que zomba dos direitos humanos.”

A decisão poderia facilmente ter sido baseada no histórico hipócrita de muitos de seus 47 estados membros, já que Haley chamou o conselho de “protetor dos violadores dos direitos humanos e uma fossa de preconceito político” e disse que “a América não deveria fornecê-lo com alguma credibilidade. ” Mas ela deixou claro que a retirada foi devido ao “preconceito crônico do conselho contra Israel”.

 Estabelecido em 2006, George W. Bush retirou-se do conselho devido ao seu histórico irregular, mas essa decisão foi revertida por Barack Obama, que claramente não estava tão preocupado com os abusos humanitários ou o preconceito anti-Israel.

4: ACORDOS DE PAZ HISTÓRICOS INTERMEDIÁRIOS ENTRE ISRAEL E OS PAÍSES ÁRABES-MUÇULMANOS, INCLUINDO OS EMIRADOS ÁRABES UNIDOS, O REINO DO BAHREIN E O SUDÃO

Fazer a paz no Oriente Médio tem sido uma metáfora para uma conquista política incrível e inatingível, mas Trump e Jared Kushner seu genro, tornaram isso uma realidade negociando os Acordos de Abraham. Os acordos normalizaram as relações entre Israel e vários de seus vizinhos árabes muçulmanos no Golfo. Trump e sua equipe conseguiram isso rejeitando a “sabedoria convencional” de que a chave para a paz era um acordo com os “palestinos” e a criação de uma entidade política palestina dentro das fronteiras de Israel, etnicamente limpa de judeus e com sua capital em Jerusalém.

Os acordos pegaram surpreendentemente rápido, uma vez que eram baseados em um interesse mútuo em controlar o expansionismo iraniano que foi alimentado por um Plano de Ação Conjunta Conjunta (JCPOA) catastroficamente falho comumente referido como o acordo nuclear iraniano que foi negociado pelo presidente Obama. O presidente eleito Biden já está negociando para entrar novamente no acordo do qual Trump foi sábio o suficiente para se retirar. 

5: NEGOCIOU UM ACORDO PARA KOSOVO PARA NORMALIZAR OS LAÇOS E ESTABELECER RELAÇÕES DIPLOMÁTICAS COM ISRAEL

Em setembro de 2020, Israel e Kosovo concordaram, como parte das negociações para os acordos de Normalização Econômica de Kosovo e Sérvia, em se reconhecerem mutuamente. A decisão foi difícil para Israel e o colocou em uma posição difícil com vários outros países, mas, com o apoio de seu poderoso aliado na Casa Branca, o governo israelense assinou a paz com a nação de maioria muçulmana.

6: ANUNCIADO QUE A SÉRVIA MUDARIA SUA EMBAIXADA EM ISRAEL PARA JERUSALÉM

Tem havido relações abertas desde que Kosovo declarou unilateralmente a independência da Sérvia em 2008. Em setembro de 2020, sob um acordo intermediado pelos Estados Unidos, Sérvia e Kosovo concordaram em normalizar as relações econômicas. Este acordo incluiu a normalização das relações com Israel e a Sérvia concordou em transferir sua embaixada para Jerusalém. 

7: PRIMEIRO PRESIDENTE AMERICANO A SE DIRIGIR A UMA ASSEMBLEIA DE LÍDERES DE MAIS DE 50 NAÇÕES MUÇULMANAS E CHEGAR A UM ACORDO PARA COMBATER O TERRORISMO EM TODAS AS SUAS FORMAS

Em maio de 2017, o presidente Trump falou aos 54 países árabes e muçulmanos membros da Organização de Cooperação Islâmica da Arábia Saudita. A visita incluiu reuniões que culminaram em vários negócios de armas lucrativos para os EUA e também com o objetivo de compensar a crescente ameaça regional do Irã. Embora a cúpula não inclua explicitamente questões relativas a Israel, o expansionismo do Irã representa uma ameaça existencial a Israel, assim como o terrorismo islâmico. É interessante notar que os canais de comunicação abertos na cúpula podem ter pavimentado o caminho para os Acordos de Abraham.

8: ESTABELECIDO O CENTRO ETIDAL DE COMBATE AO TERRORISMO NO ORIENTE MÉDIO EM CONJUNTO COM O GOVERNO DA ARÁBIA SAUDITA

Um dos resultados práticos da cúpula em Riad foi a criação do Centro Global de Combate à Ideologia Extremista, também conhecido como “Etidal”, um centro global em Riad com a missão de combater o extremismo. O centro visa combater o extremismo usando tecnologia moderna. Com o objetivo de combater o extremismo racional, da mídia e estatístico e apoiar a paz e a tolerância entre as nações através do fortalecimento dos princípios de moderação islâmica no mundo, espera-se que Israel, o alvo número um do extremismo islâmico, seja beneficiado.

9: ANUNCIADA A VISÃO PARA O PLANO POLÍTICO DE PAZ – UMA SOLUÇÃO DE DOIS ESTADOS QUE RESOLVE OS RISCOS DA CONSTITUIÇÃO DE UM ESTADO PALESTINO PARA A SEGURANÇA DE ISRAEL, E A PRIMEIRA VEZ QUE ISRAEL CONCORDOU COM UM MAPA E UM ESTADO PALESTINO.

O plano de paz Trump, oficialmente intitulado “Paz para a Prosperidade: Uma Visão para Melhorar a Vida do Povo Palestino e Israelense”, é uma proposta da administração Trump para resolver o conflito israelense-palestino revelado em janeiro de 2020. Chamado de “o acordo de o século ”, permitiu a criação de um estado palestino dentro das fronteiras de Israel. Rejeitado imediatamente pela Autoridade Palestina, acabou com o mito de que seu governo estava aberto a um acordo de paz negociado.

10: LANÇADO UM PLANO ECONÔMICO PARA CAPACITAR O POVO PALESTINO E MELHORAR A GOVERNANÇA PALESTINA POR MEIO DE INVESTIMENTOS PRIVADOS HISTÓRICOS

Como parte do Acordo do Século, o plano econômico teria trazido o povo “palestino” para o século 21 e permitido que eles fossem parceiros economicamente iguais de Israel. Infelizmente, a Autoridade Palestina rejeitou a visão de Trump.

Fonte: Israel Breaking News.

Tradução: BDN

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.