Ads Top

À Medida que os Estados Unidos entram em tumultos, o Sudão se torna a última Nação a Assinar os acordos de Abraão e normaliza as relações com Israel



Uma declaração do gabinete do primeiro-ministro do Sudão na quarta-feira disse que o ministro da Justiça Nasredeen Abdulbari assinou os Acordos de Abraham com o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin. O ministro interino das Finanças do Sudão, Hiba Ahmed e Mnuchin, também "assinaram um memorando de entendimento em Cartum para fornecer uma instalação de financiamento de pontes no mesmo dia para limpar os atrasos do Sudão para o Banco Mundial", disse seu escritório em um comunicado.


O Sudão assinou os Acordos de Abraão com os Estados Unidos e Israel, apesar da medida ter sido rejeitada por seus partidos políticos quando foi anunciada pela primeira vez em outubro do ano passado.

Normalmente, uma história como esta seria manchete para um ciclo ou dois, mas não hoje, o dia em que a batalha pela América começou a ser aberta. O Sudão tornou-se a mais recente nação muçulmana a aderir aos Acordos de Abraão, e ninguém notou. Talvez isso seja uma coisa boa, porque voar sob o radar só aumentará o número de nações muçulmanas que assinarão, e em algum momento nessa jornada você acabará no pacto de Isaías 28 e Daniel 9 com a morte e o inferno confirmados pelo Anticristo.


"Porque vocês disseram, fizemos um pacto com a morte, e com o inferno estamos de acordo; quando o flagelo transbordante passar, não virá até nós: pois fizemos mentiras nosso refúgio, e sob falsidade nos escondemos:" Isaías 28:15 (KJB)


As próximas semanas aqui na América passarão em um borrão confuso e nebuloso onde os democratas tentarão destituir o presidente Trump, e esmagar toda a liberdade de expressão e dissidência enquanto completam seu estrangulamento no poder em Washington. Como serão os próximos 4 anos para nós na América? Pense na Alemanha em 1933,e é assim que vai ser, com talvez algumas coisas novas que Hitler nunca pensou. A América que você conheceu deu seu último suspiro hoje, o que acontece a seguir é o julgamento do Deus de Abraão.

Sudão assina acordo de paz de Abraham Acordos para normalizar relações com Israel

DA AL JAZEERA: Uma declaração do gabinete do primeiro-ministro do Sudão na quarta-feira disse que o ministro da Justiça Nasredeen Abdulbari assinou os Acordos de Abraham com o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin. O ministro interino das Finanças do Sudão, Hiba Ahmed e Mnuchin, também "assinaram um memorando de entendimento em Cartum para fornecer uma instalação de financiamento de pontes no mesmo dia para limpar os atrasos do Sudão para o Banco Mundial", disse seu escritório em um comunicado.


"ESSE MOVIMENTO PERMITIRÁ QUE O SUDÃO RECUPERE O ACESSO A MAIS DE US$ 1 BILHÃO EM FINANCIAMENTO ANUAL DO BANCO MUNDIAL PELA PRIMEIRA VEZ EM 27 ANOS", ACRESCENTOU O COMUNICADO.


A embaixada dos EUA em Cartum disse que o acordo "ajudará ainda mais o Sudão em seu caminho transformador para a estabilidade, segurança e oportunidade econômica". A assinatura veio pouco mais de dois meses depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou que o Sudão começaria a normalizar os laços com Israel. Os partidos políticos sudanesas rejeitaram a decisão do governo de normalizar as relações com Israel no momento em que foi anunciado, com funcionários dizendo que formarão uma frente de oposição contra o acordo.


Em uma declaração, O Partido do Congresso Popular do Sudão, o segundo componente mais proeminente da coalizão política forças da liberdade e da mudança (FFC), disse em outubro que o povo sudanês não era obrigado a aceitar o acordo de normalização.


O ex-primeiro-ministro do Sudão Sadiq al-Mahdi também rebateu o anúncio, acrescentando que ele se retirou de uma conferência organizada pelo governo na época em protesto.


No ano passado, o governo Trump projetou pactos diplomáticos entre Israel e os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein — o primeiro desde que a Jordânia reconheceu Israel na década de 1990 e o Egito na década de 1970. Marrocos também estabeleceu laços diplomáticos com Israel. Os acordos são todos com países que estão geograficamente distantes de Israel e desempenharam um papel menor, se houver, no conflito árabe-israelense.


Os Acordos de Abraão também contribuíram para o severo isolamento e enfraquecimento dos palestinos, corroendo um consenso árabe de longa data de que o reconhecimento de Israel só deve ser dado em troca de concessões no processo de paz. LEIA MAIS

NTEB

tradução: BDN

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.