Ads Top

O Silêncio da Walt Disney Company em meio a casos confirmados de estupros na filial Chinesa


No mais recente exemplo de cumplicidade corporativa através do silêncio, a Walt Disney Co. recusou-se a comentar um relatório recente de que a China está supervisionando o estupro sistemático de mulheres de minorias étnicas na região ocidental de Xinjiang. A BBC News informou no início deste mês que mulheres nos campos de concentração da China para uigures foram repetidamente estupradas, abusadas sexualmente e torturadas. Uma testemunha disse à BBC News que as mulheres eram removidas das celas "todas as noites" e estupradas por um ou mais homens chineses mascarados.

A Disney tomou posições políticas contra Donald Trump, o estado da Geórgia, e membros republicanos do Congresso. Mas quando se trata da China e suas atrocidades de direitos humanos, o Reino Mágico está sempre do lado do Reino Médio.

Vamos, veja, por onde começamos? Que tal com o grupo raivosamente anti-Trump chamado Projeto Lincoln cujo co-fundador é um pedófilo homossexual e todo o grupo sabia e encobriu-o porque milhões de dólares estavam rolando dentro Que tal New Jersey flamejante Liberal Bruce Springsteen que deu palestras na América em seu anúncio de carro jeep durante o Super Bowl, mas escondeu o fato de que ele foi preso por dirigir bêbado e está agora aguardando julgamento. Democratas como uma autoridade moral é uma ladeira escorregadia, e com Walk Disney, ele desliza direto para o abismo.


Walt Disney no século 21 parece ter uma opinião sobre quase todos os pontos de discussão liberais conhecidos pelo homem. Segundo eles, eles se posicionam vocalmente contra o racismo, a homofobia e o antissemitismo, mas quando se trata de mulheres uigures muçulmanas sendo estupradas diariamente nos campos de concentração chineses, elas não têm nada a dizer. Sabia que quando Walt Disney filmou Mulan na China, eles estavam tão perto dos campos que os atores quase podiam ouvir os gritos dos uigures torturados?


Então, como, você pode perguntar, essa autoridade moral "familiar" chamada Disney sabe que tudo isso está acontecendo e nunca se manifestou contra isso uma única vez? Porque a Walt Disney Company venderia sua alma para ficar mais rica, eles não se importam com a família, eles não se importam com as crianças, eles só se preocupam em aumentar o tamanho do Reino Mágico. E se isso significa fechar os olhos para as mulheres muçulmanas, mantidas em campos de concentração chineses, que são estupradas e abusadas o dia todo e a noite, que assim seja. Pense nisso da próxima vez que planejar uma viagem a um de seus parques temáticos.


No mais recente exemplo de cumplicidade corporativa através do silêncio, a Walt Disney Co. recusou-se a comentar um relatório recente de que a China está supervisionando o estupro sistemático de mulheres de minorias étnicas na região ocidental de Xinjiang. A BBC News informou no início deste mês que mulheres nos campos de concentração da China para uigures foram repetidamente estupradas, abusadas sexualmente e torturadas.

Uma testemunha disse à BBC News que as mulheres eram removidas das celas "todas as noites" e estupradas por um ou mais homens chineses mascarados. Na quinta-feira, a China retaliou a BBC News suspendendo a rede de suas ondas de rádio, alegando que a emissora britânica prejudicou os interesses nacionais e a unidade étnica da China. Breitbart News entrou em contato com a Disney para saber sobre a posição da empresa sobre o relatório. A porta-voz da empresa, Zenia Mucha, não respondeu a um inquérito inicial por e-mail e não retornou o inquérito telefônico de Breitbart.

O SILÊNCIO DA DISNEY CONTRASTA COM AS POSIÇÕES ABERTAMENTE POLÍTICAS QUE OS LÍDERES DA EMPRESA TOMARAM EM CASA. NO MÊS PASSADO, A DISNEY PUNIU MEMBROS REPUBLICANOS DO CONGRESSO QUE SE OPUSERAM A CERTIFICAR A VITÓRIA DO COLÉGIO ELEITORAL DO PRESIDENTE ELEITO JOE BIDEN, DIZENDO QUE SUSPENDERIA AS DOAÇÕES A ESSES POLÍTICOS.


A empresa citou os distúrbios do Capitólio em 6 de janeiro. "No rescaldo imediato desse terrível cerco, os membros do Congresso tiveram a oportunidade de se unir — uma oportunidade que alguns infelizmente se recusaram a abraçar", disse a Disney em um comunicado.


Esta semana, A Lucasfilm da Disney demitiu a atriz mandaloriana Gina Carano depois que ela comparou o tratamento dos conservadores sob o governo Biden à Alemanha nazista. A Disney chamou seu post nas redes sociais de "abominável" em uma declaração pública. Mas o estúdio não tomou medidas semelhantes contra o co-estrela Pedro Pascal, que comparou a política do governo Trump em relação aos imigrantes ilegais com o Holocausto.

No auge dos protestos e tumultos black lives matter no ano passado, a Disney postou uma mensagem nas redes sociais e um vídeo no YouTube expressando sua solidariedade com o movimento BLM. "Estamos contra o racismo. Defendemos a inclusão", disse a empresa. Há dois anos, o estúdio ameaçou boicotar a Geórgia sobre a legislação de batimentos cardíacos fetais do estado, com o presidente Bob Iger dizendo que não seria "prático" para sua empresa continuar a filmar na Geórgia se o projeto se tornasse lei.

Iger também torceu o nariz para o presidente Donald Trump, deixando o conselho consultivo empresarial do presidente em 2017 sobre a decisão da Casa Branca de se retirar do acordo climático de Paris. "Discordo profundamente da decisão de me retirar do Acordo de Paris e, por uma questão de princípio, renunciei ao conselho consultivo do presidente", disse Iger em um comunicado.

A Disney nunca falou uma palavra ruim sobre a China - nem sobre seu registro de direitos humanos nem sua posição como o maior poluidor do mundo. Mais do que qualquer outro estúdio de Hollywood, a Disney desenvolveu uma estreita relação comercial com os governantes comunistas da China. Iger até manifestou interesse em se tornar embaixador na China, supostamente fazendo propostas para as pessoas da equipe biden sobre o cobiçado posto diplomático.

Tão perto é A relação de Iger com a China que ele proibiu jornalistas na ESPN da Disney de discutir o movimento pró-democracia em Hong King em 2019. Quando perguntado sobre a China durante uma entrevista à CNBC no mesmo ano, ele só disse que era importante para a Disney ser "culturalmente correta" ao lidar com o país. LEIA MAIS

FONTE: NTEB E BREITBART

Tradução: BDN

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.