Ads Top

Joe Biden liga para Benjamin Netanyahu e conversa sobre futuro da relação dos EUA, com Israel. E também sobre o Irã


O presidente Joe Biden falou por telefone com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, na quarta-feira, pela primeira vez desde que assumiu o cargo, falando sobre o Irã e fortalecendo a relação EUA-Israel, de acordo com as leituras israelenses e da Casa Branca da chamada.

Os dois líderes foram descritos como falando por cerca de uma hora e tendo um chamado "muito caloroso e amigável", tocando em seus laços pessoais e dizendo que trabalhariam juntos para "continuar fortalecendo a aliança firme" entre os dois países, de acordo com a leitura israelense.

Biden também disse que esperava fortalecer a parceria, inclusive sobre "cooperação em defesa", de acordo com a leitura da Casa Branca. O presidente disse que era importante que as duas nações trabalhassem juntas em "questões de segurança regional" como o Irã, disse a leitura da Casa Branca.


"Biden e o primeiro-ministro Netanyahu discutiram o futuro avanço dos acordos de paz, a ameaça iraniana e os desafios regionais, e concordaram em continuar seu diálogo", segundo o comunicado do assessor de imprensa de Netanyahu. "Biden elogiou o primeiro-ministro Netanyahu por sua liderança na luta contra o coronavírus; os dois trocaram ideias sobre maneiras de lidar com a pandemia."


A leitura da Casa Branca disse que Biden enfatizou o apoio "à recente normalização das relações entre Israel e países do mundo árabe e muçulmano".


A leitura israelense da chamada não fez menção específica a um Estado palestino ou a uma possível solução de dois Estados. Netanyahu há muito minimizou a chance de um Estado palestino se concretizar. A leitura da Casa Branca, no entanto, disse que Biden "ressaltou a importância de trabalhar para promover a paz em toda a região, inclusive entre israelenses e palestinos". Mas o presidente não mencionou especificamente uma solução de dois Estados.

Biden disse a repórteres que teve uma "boa conversa" com Netanyahu, mas não disse mais nada, de acordo com uma reportagem da imprensa do Salão Oval.


Netanyahu é o primeiro líder do Oriente Médio que Biden chamou no cargo, levando alguns em Israel a pensar que o movimento de Biden para não chamar Netanyahu até agora era um esnobe. Netanyahu foi um dos aliados internacionais mais próximos do ex-presidente Donald Trump. Trump mudou a Embaixada dos EUA para Jerusalém de Tel Aviv e reconheceu a soberania israelense sobre as Colinas de Golã.


Na sexta-feira, a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse que a falta de uma ligação até agora não era uma "diss intencional".


"O primeiro-ministro Netanyahu é alguém que o presidente conhece há algum tempo", disse ela. "Obviamente, temos uma longa e importante relação com Israel, e o presidente o conhece e tem trabalhado em uma série de questões que há um compromisso mútuo há algum tempo. É apenas um reflexo do fato de que estamos aqui há três semanas e meia, ele ainda não chamou todos os líderes globais, e ele está ansioso para fazer isso nas próximas semanas."


Israel e alguns países árabes do Golfo que se opõem ao acordo nuclear iraniano pediram que Biden lhes desse mais voz em futuras negociações com o Irã. Embaixadores de alguns desses países têm argumentado que têm mais risco do que os EUA ou outras nações envolvidas no acordo nuclear iraniano de 2015, que Trump deixou em 2018, um movimento que Israel apoiou. Biden e seus assessores procuraram trazer esse acordo de volta.


Biden está enfrentando várias questões na região, incluindo se levantará as sanções impostas por Trump ao banco central do Irã e aos iranianos que tentaram se intrometer nas eleições de 2020. Biden disse recentemente que o Irã tem que parar de enriquecer urânio antes que os EUA levantem as sanções. O Irã pediu aos EUA que levantassem as sanções antes de tentar reavivar um acordo.


Netanyahu e o ex-presidente Barack Obama - a quem Biden serviu como vice-presidente - tiveram uma relação tensa. Nethanyahu acusou Obama de realizar "uma manobra vergonhosa anti-Israel" nas Nações Unidas em 2016, à luz da abstenção dos EUA em uma resolução do Conselho de Segurança da ONU que criticava a construção de assentamentos israelenses em terras reivindicadas pela Palestina.


Biden teve uma "conversa calorosa" com Netanyahu em novembro, na qual os israelenses reconheceram a vitória do presidente eleito. Biden "reiterou seu profundo compromisso com o Estado de Israel e sua segurança" nessa ligação, e Netanyahu descreveu um "vínculo especial" entre os EUA e Israel como um "componente fundamental da segurança de Israel e de sua política", segundo um comunicado do assessor de mídia de Netanyahu.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.