Ads Top

Principal Cientista Nuclear do Irã Mohsen Fakhrizadeh, é assinado perto de Teerã. Iranianos culpam governo de Israel pelo atentado



Nesta sexta-feira (27), Mohsen Fakhrizadeh foi baleado e morto em Damavand, na província de Teerã, capital iraniana. Ele trabalhou por duas décadas no programa de armas nucleares do Irã e era considerado o principal cientista por trás do projeto nuclear do país. As informações foram dadas pelo G1 .

Fakhrizadeh estava em um carro quando foi baleado . Ele chegou a ser encaminhado a um hospital, mas não resistiu.

Testemunhas dizem que ouviram o barulho de uma explosão seguido do som de rajadas de metralhadoras .

O Ministério da Defesa do Irã acusa Israel pelo ataque. O ministro das Relações Exteriores, Javad Zarif, afirmou que há “sérias indicações do papel israelense”.



"Terroristas assassinaram um eminente cientista iraniano hoje. Esta covardia — com sérias indicações do papel israelense — mostra uma guerra desesperada contra os perpetradores. O Irã apela à comunidade internacional — e especialmente à UE — para acabar com seus vergonhosos padrões duplos e condenar este ato de terror de Estado", escreveu Zarif.


O porta-voz do gabinete de Benjamin Netanyahu , primeiro-ministro de Israel, declarou que não comentaria a morte de Fakhrizadeh.


Os serviços de inteligência dos Estados Unidos e de Israel consideravam o cientista como o principal nome dos programas secretos iranianos para projetar uma ogiva atômica.


De acordo com o jornal New York Times, Fakhrizadeh era um dos maiores alvos da Mossad, serviço de inteligência israelense.





O ministro das Relações Exteriores do Irã disse que o Israel, arqui-inimigo do Irã, provavelmente esteve envolvido no assassinato do proeminente cientista nuclear iraniano Mohsen Fakhrizadeh nesta sexta-feira, embora não tenha apresentado nenhuma evidência.


"Essa covardia --com sérios indícios do papel israelense - mostra uma provocação desesperada para uma guerra pelos perpetradores", tuitou Mohammad Javad Zarif. "O Irã apela à comunidade internacional --e especialmente à UE-- para acabar com seus vergonhosos padrões duplos e condenar este ato de terrorismo de Estado."



O gabinete do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, não estava comentando as notícias sobre o ataque, disse um funcionário do gabinete de Netanyahu. O Pentágono também não quis comentar.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.