Ads Top

Alerta: Mutação do coronavírus causou segunda onda de covid-19 na Europa, diz estudo



Uma nova mutação da Sars-CoV-2, o novo coronavírus, teria sido responsável pela segunda onda da Covid-19 na Europa. De acordo com estudos da universidade suíça ETH Zurich, apesar de já existirem centenas de mutações do vírus, uma se tornou mais difundida.

A mutação foi chamada de 20A.EU1, e provavelmente se originou em uma região agrícola da Espanha. O espalhamento da mutação pode ter se tornado mais rápido após a liberação de viagens durante o verão europeu.


De acordo com a pesquisa, 4 a cada 5 casos recentes no Reino Unido foram cauados pela 20A.EU1. A mutação já foi indentificada em 12 países da Europa, além de Hong Kong e Nova Zelândia.

A MUTAÇÃO DO CORONAVÍRUS DEIXOU O VÍRUS MAIS CONTAGIOSO

O coronavírus acumulou várias mutações genéticas - uma das quais pode tê-lo tornado mais contagioso, alertou um novo estudo. Pesquisadores da Universidade do Texas, Austin, analisaram mais de 5.000 pacientes com covid-19 para entender como o vírus SARS-CoV-2 sofreu mutação.


Eles identificaram uma mutação, chamada D614G, que parece tornar o vírus ainda mais contagioso. A Dra. Ilya Finkelstein, co-autora do estudo, disse: “O vírus está sofrendo mutação devido a uma combinação de deriva neutra - que significa apenas mudanças genéticas aleatórias que não ajudam ou prejudicam o vírus.

A análise dos pesquisadores revelou que, durante a onda inicial da pandemia, 71% dos pacientes da covid-19 tinham a mutação D614G. No entanto, na segunda onda durante o verão europeu, essa variante saltou para 99,9% de prevalência, segundo a equipe.



O Dr. Finkelstein acrescentou: “O vírus continua a sofrer mutações à medida que se espalha pelo mundo. Esforços de vigilância em tempo real, como nosso estudo, garantirão que vacinas e terapêuticas globais estejam sempre um passo à frente. ”


No total, os pesquisadores identificaram 285 mutações, embora a maioria não pareça ter um efeito significativo na gravidade da doença. No entanto, os pesquisadores observam que cada nova infecção é um 'lance de dados' e uma chance adicional de desenvolver mutações mais perigosas.


Em declarações ao The Washington Post, James Musser, que liderou o estudo, disse: “Demos muitas chances a esse vírus e há uma população enorme agora".

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.