Ads Top

'Haverá uma transição suave para um segundo governo de Donald Trump', afirma Mike Pompeo

O secretário de Estado Mike Pompeo disse em uma coletiva de imprensa na última terça-feira (10) que haveria uma transição suave para "uma segunda administração Trump" e não fez referência à entrega do poder ao presidente chamado pela mídia Joe Biden.


Pompeo também disse que era "ridículo" sugerir que a recusa do presidente Donald Trump em admitir a derrota na eleição da semana passada poderia minar os esforços dos EUA para promover eleições livres e transferências pacíficas de poder no exterior.


Questionado pelo correspondente da Fox News Rich Edison se o governo estava trabalhando com a equipe de Biden em uma transição presidencial, Pompeo disse com um sorriso: "Haverá uma transmissão suave para uma segunda administração Trump".


Então ele acrescentou: "Estamos prontos. O mundo está vendo o que está acontecendo. Vamos contar todos os votos. Há um processo.

Questionado sobre alegações de fraude eleitoral e se havia evidências que poderiam mudar o resultado da eleição, Pompeo disse que cada "voto legal" precisava ser contado.


"Estou muito confiante de que contaremos, e devemos contar todos os votos legais, devemos garantir que qualquer voto que não fosse legal não possa ser contado, que dilui seu voto, se for feito de forma inadequada", disse ele. "Temos que fazer isso direito. Quando acertarmos, vamos acertar."


Trump se recusou a admitir a derrota e fez alegações não comprovadas de fraude eleitoral, embora funcionários eleitorais estaduais de ambos os partidos tenham rejeitado as alegações. O presidente e seus substitutos iniciaram processos em vários estados-chave, incluindo Pensilvânia e Michigan, e prometeram pressionar por recontagens em algumas corridas.


Telefonemas feitos a líderes globais por um presidente eleito normalmente seriam facilitados pela equipe de transição do Departamento de Estado, que geralmente informa o comandante-em-chefe antes de cada conversa. O presidente eleito Biden já conversou com os líderes da França, Grã-Bretanha e Canadá sem a visão crítica fornecida por diplomatas americanos de carreira.


Diplomatas americanos publicados no exterior não receberam nenhuma orientação clara de Washington sobre como devem se comunicar com governos estrangeiros sobre a eleição e a decisão de Trump de não admitir a derrota eleitoral, de acordo com duas autoridades dos EUA em cargos no exterior familiarizados com o assunto.

Após a eleição de 2016, quando Trump prevaleceu contra Hillary Clinton, o então secretário de Estado John Kerry prontamente parabenizou Trump por sua vitória, desejou-lhe boa sorte e instruiu a equipe do Departamento de Estado a ajudar na "tradição honrada de uma transferência de poder muito pacífica e construtiva dentro das administrações".

Pompeo citou a disputa presidencial de 2000 entre George W. Bush e Al Gore que levou mais de um mês para ser resolvida, dizendo que uma transição bem sucedida ocorreu nesse caso.


"Estou recebendo ligações de todo o mundo. Eles entendem que temos um processo legal. Eles entendem que isso leva tempo", disse ele.


"Estou muito confiante de que faremos todas as coisas necessárias para que o governo dos Estados Unidos continue a desempenhar suas funções de segurança nacional à medida que avançamos", disse Pompeo.


Pompeo se irritou quando um repórter perguntou se a decisão de Trump de não admitir a derrota nas urnas poderia desacreditar os esforços do Departamento de Estado para incentivar eleições livres e justas e transferências pacíficas de poder no exterior.


"Você fez uma pergunta que é ridícula. Este departamento se preocupa profundamente em garantir que as eleições em todo o mundo sejam seguras, seguras e livres e justas", disse Pompeo. "Meus oficiais arriscam suas vidas para garantir que isso aconteça. Eles trabalham diligentemente nisso.


Em seu discurso de abertura, Pompeo apontou a recente atividade diplomática como um sinal do que ele chamou de um histórico bem-sucedido do governo na política externa, e disse que recentemente conversou com o recém-eleito presidente da Bolívia, Luis Arce, e o parabenizou por sua "vitória histórica".

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.