Ads Top

Vírus Chapare: Um vírus emergente semelhante ao ebola na Bolívia pode se espalhar entre humanos

 


Cientistas estão pedindo cautela sobre uma misteriosa doença viral semelhante ao Ebola que parece ter se espalhado de pessoa para pessoa durante um pequeno surto na Bolívia no ano passado. A doença, causada pelo vírus Chapare, matou três pessoas e acredita-se que adoeceu pelo menos cinco durante o surto, incluindo três profissionais de saúde que entraram em contato com os pacientes. Seus sintomas incluem hemorragia interna, febre e danos generalizados nos órgãos.


O vírus tem o nome do local onde ocorreu o primeiro surto conhecido da doença no final de 2003, perto do rio Chapare, na Bolívia. Embora várias pessoas fossem suspeitas de ter a doença em 2003 e 2004, informações detalhadas e amostras de sangue só foram coletadas de um único paciente na época: um alfaiate e agricultor de 22 anos que morava na aldeia rural de Samuzabeti.

O homem inicialmente desenvolveu dor de cabeça e febre, que evoluiu para dores articulares, vômitos e hemorragia interna, também chamada hemorragia. Esta coleção de sintomas é conhecida como febre hemorrágica e é um resultado familiar, muitas vezes fatal de outras doenças virais muito perigosas, mas geralmente raras como o Ebola. Em duas semanas, o homem morreu.

Os médicos foram capazes de estudar seu sangue e isolar um vírus nunca antes documentado, ao mesmo tempo em que descartaram outras doenças potenciais comuns à área como a dengue. O vírus misterioso foi descoberto como um membro da família arenavirus, um grupo de vírus que comumente infectam roedores e às vezes humanos. Seus parentes incluem o mais conhecido vírus Lassa e outros vírus encontrados pela primeira vez na América do Sul, como o vírus Machupo na Bolívia e o vírus Junin na Argentina. Muitos desses vírus podem causar febre hemorrágica nas pessoas.

Em 2019, o vírus Chapare fez um reaparecimento na Bolívia, sendo encontrado pela primeira vez em um trabalhador rural que desenvolveu febre hemorrágica e acabou morrendo como resultado. Depois que ficou evidente que os sintomas alarmantes do paciente não foram causados por dengue ou doenças mais mundanas, as autoridades de saúde começaram uma investigação detalhada, eventualmente recrutando a ajuda dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças nos EUA especialistas do CDC, então confirmaram que o trabalhador tinha desaprovado com o vírus Chapare.


A maioria dos arenavírus que deixam as pessoas doentes são conhecidos por se espalharem de roedores para pessoas. Geralmente, isso acontece quando as pessoas respiram em aerossóis de urina seca de roedores ou fezes contaminadas com o vírus ou de outra forma entram em contato direto com roedores. Durante este último surto, as autoridades de saúde encontraram vestígios virais de Chapare em roedores perto de onde o agricultor trabalhava, de acordo com pesquisa apresentada esta semana na reunião anual virtual da Sociedade Americana de Medicina Tropical e Higiene.

Mas pelo menos três profissionais de saúde que interagiram com pacientes infectados — um residente médico, um funcionário de ambulância e um gastroenterologista — também desenvolveram doenças, com dois eventualmente morrendo. As autoridades de saúde acreditam fortemente que o vírus se espalhou de pessoa para pessoa nesses outros casos. Outro achado preocupante foi que traços virais poderiam ser encontrados no sêmen de um sobrevivente mais de 160 dias após a infecção, algo que também foi documentado para vírus da febre hemorrágica como o Ebola.


"Agora acreditamos que muitos fluidos corporais podem potencialmente carregar o vírus", disse Caitlin Cossaboom, epidemiologista da Divisão de Patógenos e Patologias de Alta Consequência do CDC, em um comunicado divulgado pela Sociedade Americana de Medicina e Higiene Tropical.


Dada a pandemia em curso e como ela começou,é compreensível se preocupar com essa notícia. Mas, embora isso não seja totalmente injustificado, deve-se notar que a maioria dos surtos humanos de arenavírus tendem a ser limitados, como este era. E sua principal rota de transmissão ainda é predominantemente de roedores para pessoas. Mesmo que esse vírus possa se espalhar de pessoa para pessoa, parece ser através do contato direto com fluidos corporais como sangue ou saliva, o que limita seu potencial de propagação, assim como sua letalidade. Contraste isso com algo como covid-19, que é uma doença respiratória que se espalha facilmente pelo sistema respiratório — simplesmente respirando o mesmo ar que uma pessoa infectada — e pode ser transmitida mesmo antes de alguém estar visivelmente doente.

Dito isto, é definitivamente importante que os epidemiologistas e outros cientistas fiquem de olho em potenciais ameaças como o vírus Chapare, especialmente em áreas do mundo onde os recursos de saúde são limitados, aumentando o risco potencial de transmissão aos profissionais de saúde. Mesmo vírus que só se espalham pelo contato direto com fluidos corporais podem entrar em erupção em grandes surtos sob as condições certas, como quando um surto de Ebola na África Ocidental em 2014 quase infectou 30.000 pessoas e matou mais de 11.000. O vírus Lassa, relacionado a Chapare, também infecta regularmente até 300.000 pessoas por ano nas áreas da África onde é encontrado, matando cerca de 5.000 por ano.

Por enquanto, os cientistas planejam aprender o máximo que puderem sobre o vírus Chapare a partir desses casos mais recentes, incluindo seus prováveis hospedeiros roedores, onde ele pode ter se originado, e se ele tem circulado no país sem o conhecimento dos médicos. Após o surto de 2019, os médicos já documentaram outros três casos possíveis, embora todos os pacientes tenham sobrevivido.


O que se sabe sobre o CHAPARE VÍRUS: 


"O vírus Chapare está na família arenavirus. Os arenavírus geralmente são espalhados para as pessoas através do contato direto com roedores infectados ou indiretamente através da urina ou fezes (fezes) de um roedor infectado", explicou o CDC em seu site.


Surtos anteriores

Pesquisadores revelaram que houve dois surtos relatados da infecção no passado. A primeira ocorreu na província de Chapare, na Bolívia, em 2003, que resultou em um caso fatal. O segundo surto ocorreu em 2019 na província de Caranavi, na América do Sul, e resultou em cinco casos confirmados, três dos quais fatais.

Sinais e Sintomas

Os sintomas do CHHF "se assemelham aos de outras febres hemorrágicas sul-americanas, como a febre hemorrágica argentina (AHF) ou a febre hemorrágica boliviana (BHF)", disseram os pesquisadores. Embora existam informações limitadas sobre o período de incubação do vírus, os pesquisadores disseram que o tempo entre exposição e desenvolvimento dos sintomas geralmente variava de quatro a 21 dias para arenavírus.


Os sinais e sintomas documentados do CHHF do primeiro e segundo surtos incluíram alguns ou todos os seguintes:


Febre

Cefaléia

dor articular e muscular

dor atrás dos olhos

dor de estômago

Vômitos

Diarreia

gengivas sangrando

Erupção

Irritabilidade

Tratamento

A partir de agora, não há tratamento disponível para a infecção viral. No entanto, os pesquisadores do CDC enfatizaram que a "terapia de apoio" era importante para a recuperação e sobrevivência do CHHF. A terapia inclui práticas como manutenção da hidratação, manejo do choque (por exemplo, ressuscitação de fluidos, administração de estoques de vasopressina), sedação, alívio da dor e transfusões (quando necessário).


Prevenção

Em primeiro lugar, o CDC sugeriu melhorar o controle de roedores dentro e ao redor de casas e edifícios. De acordo com os cientistas, mantê-los afastados pode ajudar na redução da exposição a roedores que podem estar infectados com arenavírus. Em segundo lugar, como o vírus Chapare é capaz de transmissão humano-humano, é importante evitar o contato com os fluidos corporais de pessoas que estão doentes com Chapare. "Tome precauções para evitar o contato com fluidos corporais (por exemplo, sangue, saliva, urina, sêmen, secreções respiratórias, etc) de pessoas infectadas, mesmo depois de terem se recuperado até que tenham testado negativo", alertou o CDC.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.