Ads Top

Gigante de buscas começa a censurar sites que vão contra a new left



Hoje mais cedo, a NBC informou que o Google confirmou financeiramente que colocou na lista negra dois sites conhecidos por críticas à esquerda: o site de comentários conservadores The Federalist e o site de notícias alternativo ZeroHedge.
Se a moeda do século 21 é informação, e é, gigante distópica de mecanismos de busca e ditador completo da Internet Google é o velho Potter no comando do banco. O Google é a empresa mais poderosa da face da terra, sem dúvida. Quando você controla a informação, você controla tudo. Então, quando o Google decide que certas vozes não serão ouvidas, e elas fazem o tempo todo, tem um efeito muito arrepiante e imediatamente evocam imagens de Hitler queimando livros na biblioteca.

Vamos ver muito mais disso quanto mais perto chegamos da eleição de 2020, todas as empresas de mídia social, as principais onde todos estão, são todos liberais hardcore. No Facebook, Mark Zuckerberg contratou a empresa britânica de verificação de fatos Full Fact para "verificar os fatos" das coisas que são postadas. A organização com sede em Londres recebeu aproximadamente US$ 92.000 da Open Society Foundation de George Soros, US$ 296.000 do Google e US$ 147.000 da Omidyar Network, uma empresa de investimento de propriedade do bilionário fundador do eBay e magnata da mídia esperançoso Pierre Omidyar. Curiosamente, todas essas doações foram destinadas para pesquisas sobre "verificação automatizada de fatos", uma sinalização para onde a indústria está indo.

O que tudo isso significa? Significa que da próxima vez que você postar uma história expondo George Soros um dos vilões da Nova Ordem Mundial, onde ele realmente é, que verificadores de fatos que recebem dinheiro de George Soros estará dizendo-lhe como seu post viola os padrões da comunidade do Facebook e regras de discurso de ódio. Significa que o Google irá desmonetizar você e jogá-lo para o fundo dos resultados do mecanismo de busca.



DA BREITBART NEWS: Após sua publicação, a NBC alterou seu artigo para afirmar que o Federalista foi "avisado" pelo Google de uma lista negra iminente de seu serviço Google Ads devido a "violações políticas" em sua seção de comentários. A ZeroHedge também está trabalhando com o Google para resolver sua lista negra, que também é baseada em sua seção de comentários.
Se o Federalista não remediar o que o Google considera ser violações em sua seção de comentários, ambos os sites agora não serão capazes de gerar receita publicitária usando o Google Ads, de longe o serviço mais importante para qualquer site que tenta gerar receita de publicidade digital. Em um comentário ao Breitbart News, o federalista confirmou que não foi colocado na lista negra e está trabalhando com o Google para resolver quaisquer problemas. Em um comentário separado, a ZeroHedge também afirmou que está trabalhando com a gigante da tecnologia.
O Google tomou medidas depois que foi contatado por jornalistas da NBC, que apresentaram à empresa uma pesquisa de uma organização sem fins lucrativos de esquerda, o Center for Countering Digital Hate, que mancha vários sites conservadores, incluindo o Breitbart News, e convida os anunciantes digitais a listar financeiramente eles.
A organização sem fins lucrativos alega falsamente que a Breitbart News promoveu a teoria do "nascimento" de Obama, citando como "evidência" uma história de Breitbart que rejeita explicitamente a teoria. Como suposta evidência do "ódio" de Breitbart, a organização sem fins lucrativos também se liga a uma peça recente que recomenda que os americanos comprem armas e munições para se protegerem em meio a violentos tumultos.
A NBC alegou que a gigante da tecnologia disse que desmonetizou o Federalista e o ZeroHedge por causa do "ódio". De acordo com um porta-voz do Google, "Para ser claro, o Federalista não está atualmente desmonetizado. Temos políticas rigorosas de editores que regem os anúncios de conteúdo, o que inclui comentários no site. Esta é uma política de longa data.
"Quando uma página ou site viola nossas políticas, nós tomamos medidas. Neste caso, removemos a capacidade de ambos os sites de monetizar com o Google", disse um porta-voz do Google.
NBC seems to have updated its story on Google and The Federalist, but the update appears to break the lede
View image on TwitterView image on Twitter
77 people are talking about this
O repórter da Adweek Scott Nover apontou as imprecisões da NBC nas redes sociais:
De acordo com a história da NBC, publicada originalmente,o Google entrou em ação depois que a própria NBC entrou em contato com a gigante da tecnologia, usando pesquisas de uma organização sem fins lucrativos de esquerda:

A PROIBIÇÃO DOS SITES PELO GOOGLE VEM DEPOIS QUE A EMPRESA FOI NOTIFICADA DE UMA PESQUISA CONDUZIDA PELO CENTER FOR COUNTER DIGITAL HATE, UMA ORGANIZAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS BRITÂNICA QUE COMBATE O ÓDIO ONLINE E A DESINFORMAÇÃO. ELES DESCOBRIRAM QUE 10 SITES COM SEDE NOS EUA PUBLICARAM O QUE DIZEM SER ARTIGOS RACISTAS SOBRE OS PROTESTOS, E PROJETARAM QUE OS SITES GANHARIAM MILHÕES DE DÓLARES ATRAVÉS DO GOOGLE ADS.

O GOOGLE BLOQUEOU O FEDERALISTA DE SUA PLATAFORMA DE PUBLICIDADE DEPOIS QUE A UNIDADE DE VERIFICAÇÃO DE NOTÍCIAS DA NBC TROUXE O PROJETO À SUA ATENÇÃO. A ZEROHEDGE JÁ HAVIA SIDO DESMONETIZADA ANTES DO INQUÉRITO DA NBC NEWS, DISSE O GOOGLE. ZEROHEDGE E O FEDERALISTA NÃO RESPONDERAM AOS PEDIDOS DE COMENTÁRIO.

A jornalista da NBC que escreveu o artigo, Adele-Momoko Fraser, produtora do "Centro de Verificação" da NBC, estagiou para a rede Al Jazeera, sediada no Catar, no início de sua carreira jornalística, de acordo com o LinkedIn. Ela passou a trabalhar para várias organizações de notícias, incluindo CBS News, BBC, Channel 4 e Sky News.
An NBC reporter thanks two far left wing activist groups for their collaboration in getting the Federalist banned from Google.
View image on Twitter
2,016 people are talking about this
Funcionários do Google já pediram à empresa que cortasse anúncios para a Breitbart News também. Com o incentivo do então diretor de monetização da gigante da tecnologia, funcionários esquerdistas do Google lançaram uma campanha de pressão direcionada à alta administração para retirar o serviço da Breitbart. Enquanto isso, esquerdistas do departamento de anúncios da empresa direcionaram anunciantes para o site dos Sleeping Giants, uma organização de extrema-esquerda que espalha manchas sobre a mídia conservadora para seus anunciantes.
A hostilidade do Google à mídia alternativa e conservadora está bem documentada. A empresa publicou um documento chamado "The Good Censor", que vazou para a Breitbart News, admitindo que ele e outros gigantes da tecnologia "mudaram para a censura" após 2016. Outro vazamento confirmou que o YouTube, de propriedade do Google, ajustou os resultados de pesquisa de uma maneira que des ranked vídeos conservadores e impulsionou a mídia mainstream. E o executivo do Google Kent Walker disse que quer fazer do movimento populista um "blip" na história.

Atualização — Esta história foi atualizada com base em comentários do Federalista e ZeroHedge, bem como a reportagem de Scott Nover da Adweek. O federalista não foi colocado na lista negra, mas foi avisado da lista negra iminente. Além disso, a Breitbart News recebeu o seguinte comentário do Google: "Para ser claro, o Federalista não está atualmente desmonetizado. Temos políticas rigorosas de editores que regem os anúncios de conteúdo, o que inclui comentários no site. Esta é uma política de longa data. LEIA MAIS
Tradução: BDN

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.