Ads Top

Donald Trump mobiliza militares dos EUA para acabar com d0esordem sem precedentes provocada pelos Antifa



O presidente Trump invocou nesta segunda-feira uma lei de 1807 que lhe permite enviar forças militares para estados abalados pela agitação pela morte de George Floyd em um súbito endereço da Casa Branca no Rose Garden interrompido pelos sons de manifestantes sendo esvaziados pela polícia nas proximidades.

"Não podemos permitir que os gritos justos de manifestantes pacíficos sejam abafados por uma multidão furiosa", disse Trump, declarando-se o "presidente da lei e da ordem" enquanto culpava grupos extremistas como o Antifa pela agitação.

"Estou mobilizando todos os recursos federais disponíveis, civis e militares, para parar os tumultos e saques, para acabar com a destruição", disse ele, mobilizando imediatamente a Lei de Insurreição de 1807, que lhe permite enviar tropas em qualquer lugar do país.

Foi usado pela última vez em 1992, pelo presidente George H.W. Bush para acabar com os distúrbios de Los Angeles, que foram provocados pelo espancamento policial de Rodney King.

"Se uma cidade ou estado se recusar a tomar as ações necessárias para defender a vida e a propriedade de seus residentes, então implantarei os militares dos Estados Unidos e resolverei rapidamente o problema para eles", disse Trump sobre o ato.

De acordo com a Lei posse comitatus da era da Guerra Civil, as tropas federais estão proibidas de realizar ações de aplicação da lei doméstica, como fazer prisões, tomar propriedade ou revistar pessoas. Em casos extremos, no entanto, o presidente pode invocar a Lei de Insurreição, que permite o uso de tropas de serviço ativo ou da Guarda Nacional para a aplicação da lei.

O discurso de última hora do presidente veio em justaposição ao local do lado de fora, onde uma série de veículos militares rolaram em frente à Avenida Pensilvânia e a polícia militar e a polícia entraram em confronto com manifestantes no Parque Lafayette, disparando gás lacrimogêneo, estrondos piscantes, balas de borracha e spray de pimenta em uma grande, mas pacífica multidão.


O presidente Donald Trump passa por um prédio desfigurado com pichações por manifestantes no Parque Lafayette hoje em frente à Casa Branca. Reuters


Trump descreveu as cenas de violentos tumultos e saques que abalaram a nação na última semana como uma "desgraça total" e disse que qualquer um que não respeitasse as ordens de toque de recolher seria "processado em toda a extensão da lei".

"Estou tomando essas ações hoje para reafirmar a determinação e com um verdadeiro e apaixonado amor pelo nosso país, de longe nossos grandes dias estão por vir", disse ele enquanto o caos se desenrolava nas ruas ao redor da Casa Branca.

Após seu discurso, Trump saiu da frente dos portões da Casa Branca, através do Parque Lafayette até a histórica Igreja Episcopal de São João, em Washington, que foi parcialmente destruída em um incêndio aceso por manifestantes na noite de domingo.

O procurador-geral William Barr, o secretário de Defesa Mark Esper e o chefe de gabinete Mark Meadows estavam entre os funcionários de alto escalão com Trump, que posaram para fotos do lado de fora da igreja, segurando uma Bíblia, onde os manifestantes haviam se manifestado minutos antes.

A polícia fez o avanço agressivo em mais de mil manifestantes fora do discurso executivo após dias de agitação em todo o país sobre a morte de George Floyd sob custódia da polícia.

Mais cedo na segunda-feira, o presidente Trump atacou os governadores por sua resposta à crise de uma semana - chamando-os de "fracos" e dizendo-lhes que precisavam assumir o controle da agitação após a morte de Floyd.

Em 1º de maio de 1992, Bush enviou 4.000 tropas do Exército e da Marinha para o centro-sul de Los Angeles no esforço para acabar com dois dias de tumultos desenfreados que incluíram 40 pessoas mortas, mais de 1.500 feridas, mais de 3.700 incêndios e mais de 3.000 prisões, informou o Washington Post na época.

Bush se dirigiu à nação naquele dia, dizendo que a violência em Los Angeles "não é sobre direitos civis" ou "as grandes questões da igualdade" mas "a brutalidade de uma multidão, pura e simples". Ele disse que "usaria qualquer força necessária" para restaurar a ordem.

Esse tumulto veio depois que quatro policiais brancos de Los Angeles que foram pegos em vídeo espancando o motorista negro King em 3 de março de 1991, foram virtualmente exonerados por um júri. Bush disse que também estava "atordoado" com o veredicto, informou o jornal.

Em 1993, Stacey Koon e Laurence Powell, dois dos quatro oficiais, foram considerados culpados por um júri federal de violar os direitos civis de King. Ambos cumpriram 30 meses de prisão e não retornaram à polícia. Os outros dois oficiais, Timothy Wind e Theodore Briseno, foram ambos demitidos pela polícia de Los Angeles.

Fonte: NYPOST

Tradução BDN

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.