Ads Top

11 De Outubro de 2021: Kushner no Knesset inaugura acordos de Abraão para expandir pactos de paz para Israel, Presidente da Nação Judaica Isaac Herzog diz que foi um prazer conhecer Jared e Ivanka Trump


O ex-conselheiro sênior da Casa Branca Jared Kushner, que ajudou a forjar tratados de paz entre Israel e estados árabes, disse na segunda-feira que os chamados Acordos de Abraão "criam um novo paradigma na região".


Falando em uma cerimônia no Knesset israelense marcando o aniversário de um ano dos acordos históricos e a inauguração do Abraham Accords Caucus, Kushner, que estava acompanhado de sua esposa Ivanka Trump, enfatizou que "altas expectativas" devem ser estabelecidas. O Caucus se concentrará na promoção dos acordos de normalização intermediados pelos EUA e no avanço de acordos futuros com outros países.


Os Emirados Árabes Unidos, o Bahrein, o Sudão e o Marrocos concordaram no ano passado em formalizar seus laços diplomáticos com Israel sob os Acordos de Abraão intermediados com a ajuda do governo Trump.


"Os Acordos de Abraão implicam uma oportunidade real de unir as pessoas, e abre para todos nós uma riqueza de oportunidades nos campos da economia, ciência e tecnologia", disse MK Ruth Wasserman Lande, que co-lidera o grupo parlamentar. "A bancada para o avanço dos Acordos de Abraão produzirá iniciativas transfronteiriços frutíferas e significativas com seus homólogos no Marrocos, Bahrein e Emirados Árabes Unidos."


O ministro das Relações Exteriores, Yair Lapid, agradeceu a Kushner e Ivanka Trump por ajudarem a transformar os acordos em "realidade" quando poucos pensaram que era possível.


"Você já entrou para a história, já mudou a história. A história não vai te esquecer. O povo de Israel não vai te esquecer", disse Lapid.


Comentando os desenvolvimentos nos últimos meses, Lapid disse que o novo governo transformou os Acordos de Abraão em "uma alavanca para uma nova realidade, econômica e em termos de segurança, bem como diplomaticamente".


"Aproveito esta oportunidade para dizer aos palestinos e aos cidadãos de todas as nações árabes que buscamos a paz. O povo de Israel não voltou à sua antiga pátria para lutar, mas para construir uma vida de prosperidade e boa vizinhança aqui", disse Lapid. "A paz não é um compromisso; é a decisão mais decisiva que podemos tomar. Paz não é fraqueza; incorpora todo o poder do espírito humano. A guerra é render-se a tudo o que há de errado conosco; paz é a vitória de tudo o que é bom em nós.


Também falando no evento do Knesset, o ministro da Defesa Benny Gantz disse que os Acordos de Abraão "servirão como motores de mudança no Oriente Médio, uma vez que estabeleceram a paz entre nosso povo".


"O fato de termos impedido a anexação unilateral [dos territórios] permitiu que a visão dos Acordos de Abraão rompesse e se materializasse. Para que o Estado de Israel alcance acordos de paz, deve continuar sendo o Estado mais poderoso do Oriente Médio. Este é e continuará sendo nosso princípio norteador para sempre", comentou Gantz.


"Israel está trabalhando para expandir os acordos existentes e buscar acordos adicionais. No momento, estamos trabalhando para fortalecer a cooperação em segurança entre os países que assinaram os Acordos de Abraão e o Estado de Israel", acrescentou.



Presidente de Israel, Isaac Herzog disse que foi um prazer conhecer Jared e Ivanka e comemorou o Avanço Histórico do Acordo de Abraão:


Delighted to meet @IvankaTrump and Jared Kushner today during their visit in Israel. I thanked them for promoting the historic breakthrough of the Abraham Accords, which I hope will expand to include more Middle Eastern nations in the circle of peace. pic.twitter.com/TRvZl2Nd1v


Tradução do Tweet: Prazer em conhecer @IvankaTrump e Jared Kushner hoje durante sua visita a Israel. Agradeci a eles por promoverem o avanço histórico dos Acordos de Abraão, que espero que se expandam para incluir mais nações do Oriente Médio no círculo da paz. disse Herzog.


O que tudo isso significa?


Esse encontro tem por objetivo promover a paz no Oriente Médio por meio do chamado “Acordo do Século“. Esse Acordo do Século foi apresentado em janeiro de 2020, e ficou conhecido como Plano de Paz para Israel e Palestina.


Teve como finalidade resolver os embates históricos entre esses vizinhos, já que os confrontos no território são milenares e mesclam disputas por territórios e heranças religiosas. 


É preciso salientar que a ideia do “Acordo do Século” inicialmente era o de proporcionar um cenário mais diplomático no território que inclui outros países como:

Afeganistão, Arábia Saudita, Bahrein, Catar, Emirados Árabes Unidos, Irã, Iraque, Jordânia, Kuwait, Líbano, Omã e Síria.


"Quando andarem dizendo: Paz e segurança, eis que lhes sobrevirá repentina destruição, como vêm as dores de parto à que está para dar à luz; e de nenhum modo escaparão" (1 Ts 5.3).


Jesus disse: "Eu vim em nome de meu Pai, e não me recebeis; se outro vier em seu próprio nome, certamente, o recebereis" (Jo 5.43).  Israel está a caminho de se tornar parte integrante do último império gentílico do mundo e aceitará o anticristo.


O que, porém, vos digo, digo a todos: vigiai!" (Mc 13.34-47). Jesus não tardará para buscar os seus.



O Knesset lançou na segunda-feira uma nova bancada dedicada aos Acordos de Abraão, os acordos de normalização intermediados pelos EUA com países árabes alcançados há um ano. Jared Kushner e Ivanka Trump estavam presentes ao lado do ex-primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, representando as lideranças dos EUA e israelenses que assinaram os acordos de normalização entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Marrocos e Sudão. Mas o ministro da Defesa Benny Gantz — que também ocupou esse cargo durante o governo anterior liderado por Netanyahu — destacou o papel de seu próprio partido Azul e Branco ao chegar aos acordos, que foram anunciados ao lado do sucateamento de planos para anexar grandes faixas da Cisjordânia.


"O fato de termos impedido uma anexação unilateral permitiu que os Acordos de Abraão se solidificem e avançassem", disse Gantz, em um aparente golpe em Netanyahu, o atual líder da oposição. "Estou feliz que esses acordos de paz foram assinados e tenho certeza de que serão ampliados e promoverão mudanças no Oriente Médio, porque esta é a paz entre os povos", disse ele, acrescentando que Jerusalém "está agindo para expandir os acordos e até mesmo adicionar mais acordos".


"Não podemos esquecer os importantes acordos de paz com o Egito e a Jordânia, que são um trunfo para o Estado de Israel", acrescentou Gantz. "Temos o dever de desenvolver todos os acordos de paz e também continuar trabalhando para alcançar a paz com os palestinos."


Durante o evento, o ministro das Relações Exteriores Yair Lapid também disse que o novo governo estava avançando na normalização com mais estados árabes. "Renovamos as relações com o Egito, abrimos embaixadas, melhoramos nossas relações com os EUA", disse Lapid. "Convoco os palestinos e todas as nações árabes que estão ouvindo: buscamos a paz. A paz não é um compromisso ou uma fraqueza, mas sim uma personificação do espírito humano. Aqueles que vivem no Oriente Médio são bem-vindos para olhar ao redor e ver quais países estão em uma posição melhor - aqueles que buscam a paz, ou aqueles que buscam a guerra."



O Knesset lançou na última segunda-feira 11 DE OUTUBRO DE 2021 uma nova bancada dedicada aos Acordos de Abraão, os acordos de normalização intermediados pelos EUA com países árabes alcançados há um ano. Jared Kushner e Ivanka Trump estavam presentes ao lado do ex-primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, representando as lideranças dos EUA e israelenses que assinaram os acordos de normalização entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Marrocos e Sudão. Mas o ministro da Defesa Benny Gantz — que também ocupou esse cargo durante o governo anterior liderado por Netanyahu — destacou o papel de seu próprio partido Azul e Branco ao chegar aos acordos, que foram anunciados ao lado do sucateamento de planos para anexar grandes faixas da Cisjordânia. "O fato de termos impedido uma anexação unilateral permitiu que os Acordos de Abraão se solidificem e avançassem", disse Gantz, em um aparente golpe em Netanyahu, o atual líder da oposição. "Estou feliz que esses acordos de paz foram assinados e tenho certeza de que serão ampliados e promoverão mudanças no Oriente Médio, porque esta é a paz entre os povos", disse ele, acrescentando que Jerusalém "está agindo para expandir os acordos e até mesmo adicionar mais acordos". "Não podemos esquecer os importantes acordos de paz com o Egito e a Jordânia, que são um trunfo para o Estado de Israel", acrescentou Gantz. "Temos o dever de desenvolver todos os acordos de paz e também continuar trabalhando para alcançar a paz com os palestinos." O ministro da Defesa Benny Gantz discursa em um evento de lançamento de uma bancada do Knesset dedicada aos Acordos de Abraão, em Jerusalém, 11 de outubro de 2021. (Yonatan Sindel/Flash90) Durante o evento, o ministro das Relações Exteriores Yair Lapid também disse que o novo governo estava avançando na normalização com mais estados árabes. "Renovamos as relações com o Egito, abrimos embaixadas, melhoramos nossas relações com os EUA", disse Lapid. "Convoco os palestinos e todas as nações árabes que estão ouvindo: buscamos a paz. A paz não é um compromisso ou uma fraqueza, mas sim uma personificação do espírito humano. Aqueles que vivem no Oriente Médio são bem-vindos para olhar ao redor e ver quais países estão em uma posição melhor - aqueles que buscam a paz, ou aqueles que buscam a guerra."


Lapid fará uma visita de três dias aos Estados Unidos, a partir de terça-feira, durante a qual se reunirá com o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, e com o ministro das Relações Exteriores dos Emirados Árabes Unidos.


"Um dos assuntos [que surgirão] na minha viagem a Washington [partindo] esta noite é expandir o número de nações que estão neste acordo", disse Lapid durante o evento.

"Quero agradecer ao presidente Trump por seu papel nos acordos e agradecer ao líder da oposição Netanyahu, que fez uma grande coisa com esses acordos", acrescentou Lapid.

O próprio Netanyahu, que conheceu Kushner e Trump no Knesset antes do evento, disse: "Enquanto as pessoas dissessem que a paz não pode ser feita com o mundo árabe sem paz com os palestinos, não poderíamos ter alcançado a paz. Quebramos o veto palestino e trouxemos quatro acordos históricos de paz."

A nova bancada é liderada pelo Likud MK Ofir Akunis e pela azul e branca Ruth Wasserman Lande.


Jared Kushner olha a maquete de como será o Terceiro Templo em Jerusalém. 


Dias atrás Muçulmanos do Bahrein estavam no Muro das Lamentações em Jerusalém: 

As coisas estão acontecendo

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.