Ads Top

Vaticano: Papa Francisco se une com Iman Ahmed Al-tayeb em prol da ÚNICA RELIGIÃO MUNDIAL

 


Recentemente uma reunião de líderes religiosos de alto nível de todo o mundo ocorreu no Vaticano. Mas cerca de 40 deles se reuniram na manhã de segunda-feira no grande Salão de Benediões acima do pórtico da Basílica de São Pedro. Nesta Festa de São Francisco de Assis, eles assinaram um texto que exorta os governos a tomar medidas urgentes para limitar o aquecimento global. 


A iniciativa baseada na fé veio menos de quatro semanas antes da abertura da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP26), em Glasgow. O Papa Francisco se juntou a líderes protestantes, judeus, muçulmanos, hindus, sikhs e outros líderes religiosos para assinar um forte apelo de sete páginas "para aumentar a consciência dos desafios sem precedentes que nos ameaçam e à vida em nossa bela casa comum, a Terra". 


O apelo enfatiza fortemente a condição extremamente frágil em que o planeta se encontra agora." A natureza é um dom, mas também uma força que dá vida sem a qual não podemos existir", diz. "As ameaças enfrentadas por nossa casa comum" "A fé e a ciência são pilares essenciais da civilização humana", apontam os líderes religiosos. E por causa disso, eles dizem que é imperativo "enfrentar as ameaças que enfrentamos em nossa casa comum" e levar a sério os avisos dos cientistas. 



O Reino Unido e a Itália lançaram a iniciativa baseada na fé lançada em janeiro passado e a Santa Sé emprestou seu apoio. "As temperaturas globais já subiram ao ponto em que o planeta está mais quente do que em qualquer momento nos últimos 200.000 anos", alertam os líderes religiosos. É por causa desta situação dramática que eles estão apelando para os líderes políticos que se reunirão no início de novembro em Glasgow para a COP26."Agora é o momento para uma ação urgente, radical e responsável", dizem eles em seu apelo. 


Eles também pedem uma mudança de paradigma econômico. "Mas também precisamos mudar a narrativa do desenvolvimento e adotar um novo tipo de economia: uma que coloque a dignidade humana em seu centro e que seja inclusiva", insistem os líderes religiosos. Eles defendem uma economia "que seja ecologicamente correta, que se importe com o meio ambiente e não a explore; um baseado não em crescimento infinito". 



A ausência do Dalai Lama Os líderes religiosos estão especialmente incentivando a sociedade civil, instituições financeiras e educadores. O apelo ecoa uma série de preocupações e expressões que o papa tem repetido muitas vezes, especialmente a necessidade de abordar a "cultura descartável".


"A humanidade deve repensar suas perspectivas e valores, rejeitando o consumismo", diz o texto. Tão impressionante quanto o apelo em si, foi a reunião a portas fechadas dos muitos líderes religiosos que assinaram. Nenhuma imprensa foi permitida, mas o Vaticano forneceu uma transmissão de vídeo do evento em tempo real. 


Mas uma das principais figuras religiosas visivelmente ausentes foi o Dalai Lama. Os organizadores não convidaram o líder espiritual do Tibete, sem dúvida, porque não queriam agravar as relações com a China. Outros indivíduos proeminentes ao lado do Papa incluíram o Grande Imã de Al-Azhar, Ahmed Al Tayeb; o patriarca de Constantinopla, Bartolomeu; Hilarion Metropolitano da Igreja Ortodoxa Russa, Martin Junge, secretário geral da Federação Mundial Luterana; e o rabino Noam Marans do Comitê Internacional Judaico em Consultas Interreligiosas. Um apelo aos jovens muçulmanos. Os líderes religiosos tiveram dois minutos para falar, permitindo a cada um deles a oportunidade de enfatizar o que consideravam ser o mais importante.

O arcebispo de Cantuária, Dr. Justin Welby, pediu uma reforma do sistema de tributação global para promover "atividades verdes", e o Metropolitan Hilarion disse esperar "arrependimento e responsabilidade".

"Peço a todos os jovens muçulmanos e todos os crentes que estejam prontos para lutar contra qualquer ação que degrade o meio ambiente", disse o Grande Imã de Al-Azhar."Assumir a responsabilidade nesta crise é um dever religioso", disse ele a eles.Por sua vez, o papa ressaltou que "a COP26 em Glasgow representa uma convocação urgente para fornecer respostas efetivas à crise ecológica sem precedentes e à crise de valores que vivemos atualmente".


Ele disse que este desafio é ainda mais importante porque "tudo em nosso mundo está profundamente interrelacionado". 


Esse é um conceito central em sua encíclica Laudato si' de 2015 e o papa terá a oportunidade de repetir a mensagem nas próximas semanas. Espera-se que ele viaje para Glasgow em 1º de novembro para se dirigir aos chefes de Estado e de governo que estarão reunidos na COP26.


FONTE: https://international.la-croix.com/news/religion/forty-religious-leaders-join-pope-francis-in-a-plea-for-the-planet/14995

TRADUÇÃO: BDN

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.