Ads Top

Liberais do New York Times e de Harvard agora pedem a criação do ¨Ministério da Verdade¨ no governo Biden, para controlar o que as pessoas dizem e pensam




Os especialistas concordaram que antes que o governo Biden possa combater a desinformação e o extremismo, ele precisa entender o escopo do problema. Um "ministério da verdade" seria o lugar perfeito para começar, dizem eles.

É engraçado como toda vez que os liberais falam sobre "grupos radicais", eles nunca mencionam roupas como ANTIFA e Black Lives Matter cujos 6 meses de tumultos mortais causaram 12 mortes, 2 estupros e mais de US $ 2 bilhões em danos. Eles nunca mencionam ocupar Wall Street, o Movimento Nascer do Sol ou qualquer outro dos grupos agitadores esquerdistas. Oh espere, meu mau, totalmente esquecido que George Soros gastou milhões por uma parte no NY Times, sim o mesmo George Soros que gasta bilhões financiando os motins esquerdistas aqui nos Estados Unidos desde 2013.


"O Ministério da Paz se preocupa com a guerra, o Ministério da Verdade com mentiras, o Ministério do Amor com tortura e o Ministério da Abundância com fome. Essas contradições não são acidentais, nem resultam de hipocrisia comum: são exercícios deliberados em duplo pensar"— George Orwell, 1984


Se você é um cristão crente na Bíblia, é melhor se preparar para um toque de perseguição antes do voo #777 decolar, neste momento isso é quase uma conclusão precipitada, mesmo que a Arrebatamento de Pré-Tribulação aconteça nesta primavera. Mas seja forte, saia como homens e mulheres que servem o Salvador ressuscitado. É por este momento que fomos salvos, e para este momento somos chamados a fazer o que os soldados naturalmente fazem. A guerra é real,a batalha quente e o tempo é curto... para a LUTA!!!


Como o governo Biden pode ajudar a resolver nossa crise de realidade criando um 'Ministério da Verdade'

DO NY TIMES: Joan Donovan, diretora de pesquisa do Centro Shorenstein de Mídia, Política e Políticas Públicas da Universidade de Harvard, sugeriu que a administração Biden poderia criar uma "comissão da verdade", semelhante à Comissão do 11 de Setembro, para investigar o planejamento e a execução do cerco ao Capitólio em 6 de janeiro. Esse esforço, disse ela, seria idealmente liderado por pessoas com profundo conhecimento das muitas "facções em rede" que coordenavam e realizavam o motim, incluindo grupos supremacistas brancos e milícias de extrema-direita.

"DEVE HAVER RESPONSABILIDADE POR ESSAS AÇÕES", DISSE O DR. DONOVAN. "MEU MEDO É QUE NOS DISTRAIAMOS COMO SOCIEDADE E NOS CONCENTREMOS DEMAIS EM DAR VOZ AOS GRUPOS MARGINAIS QUE SAÍRAM EM MASSA PARA TRUMP."


Esses especialistas ficaram entusiasmados que o governo Biden já havia anunciado uma "avaliação abrangente de ameaças" do extremismo doméstico após os distúrbios no Capitólio. Mas eles advertiram que classificar esses extremistas como "terroristas domésticos" - embora compreensíveis, dado o dano que causaram - poderia sair pela culatra. Eles observaram que os esforços de contraterrorismo foram historicamente usados para justificar a expansão do poder estatal de maneiras que acabam prejudicando minorias religiosas e étnicas, e que a crise do extremismo doméstico de hoje não mapeou perfeitamente os tipos mais antigos e convencionais de ameaças terroristas.


Em vez disso, eles sugeriram o uso de rótulos novos e mais estreitos que poderiam ajudar a distinguir entre diferentes tipos de movimentos e diferentes níveis de influência dentro desses movimentos. Um aposentado paranoico que passa o dia todo lendo fóruns de QAnon não é o mesmo que um líder de milícia armada, e devemos delinear um do outro. Vários especialistas com quem falei recomendaram que o governo Biden montasse uma força-tarefa entre agências para combater a desinformação e o extremismo doméstico, que seria liderado por algo como um "czar da realidade".


PARECE UM POUCO DISTÓPICO, EU GARANTO. MAS VAMOS OUVI-LOS.


Neste momento, esses especialistas disseram que a resposta do governo federal à desinformação e ao extremismo doméstico é casual e espalhada por várias agências, e há muita sobreposição desnecessária. Renée DiResta, pesquisadora de desinformação do Observatório da Internet de Stanford, deu o exemplo de dois problemas aparentemente não relacionados: desinformação sobre o Covid-19 e desinformação sobre fraude eleitoral.


Muitas vezes, disse ela, as mesmas pessoas e grupos são responsáveis por espalhar ambos os tipos. Assim, em vez de dois processos paralelos - um nos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, destinados a abafar teorias conspiratórias relacionadas ao Covid, e outro na Comissão Federal de Eleições, tentando corrigir a desinformação eleitoral — uma força-tarefa centralizada poderia coordenar uma resposta única e estratégica.


"SE CADA UM DELES ESTÁ FAZENDO ISSO DE FORMA DISTINTA E INDEPENDENTE, VOCÊ CORRE O RISCO DE PERDER CONEXÕES, TANTO EM TERMOS DE CONTEÚDO QUANTO EM TERMOS DAS TÁTICAS QUE SÃO USADAS PARA EXECUTAR NAS CAMPANHAS", DISSE DIRESTA.


Essa força-tarefa também poderia se reunir regularmente com plataformas tecnológicas, e pressionar por mudanças estruturais que poderiam ajudar essas empresas a enfrentar seus próprios problemas de extremismo e desinformação. (Por exemplo, poderia formular isenções de "porto seguro" que permitiriam que as plataformas compartilhassem dados sobre qanon e outras comunidades de teoria da conspiração com pesquisadores e agências governamentais sem executar a falta de leis de privacidade.) E pode se tornar a ponta da lança para a resposta do governo federal à crise da realidade. LEIA MAIS


Tradução: BDN

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.