Ads Top

Mosquito transmissor vindo da Ásia com malária, ameaça mais de 120 milhões de pessoas por todo o mundo



As grandes cidades da África estão ameaçadas por um novo mosquito transmissor da malária da Ásia, que consegue sobreviver em áreas urbanas e está se espalhando por todo o continente africano, alerta um novo estudo.


A malária, que em 2018 matou 400 mil pessoas, a maioria crianças africanas, é causada por um grupo do mosquito Anopheles gambiae. Este tipo de inseto não conseguiu se adaptar às poças poluídas das cidades ou conseguiu depositar suas larvas em reservatórios urbanos de água potável. Isso explica porque a maioria dos casos de malária são registrados nas regiões rurais.


No entanto, em um estudo publicado na revista Proceedings on the National Academy of Sciences (PNAS), a médica entomologista Marianne Sinka, da Universidade de Oxford, indica as áreas de disseminação de outra espécie, Anopheles stephensi, nativa da Ásia, que aprendeu a entrar nas menores fendas, especialmente em tijolos e argamassa, para ter acesso aos tanques e aí deixar suas larvas.


“Ela é a única espécie que conseguiu para penetrar urbana do núcleo,” diz a AFP científica.


Em 2012, o Anopheles stephensi causou um surto em Djibouti, uma cidade africana onde a malária mal existia, já que casos foram observados na Etiópia, Sudão e outros lugares.


O novo estudo conclui que 44 cidades são lugares “muito adequados” para o inseto. São áreas urbanas de alta densidade, onde faz calor e chuvas abundantes, colocando em risco de malária mais 126 milhões de africanos, principalmente aqueles que vivem nas regiões equatoriais.


“Isso significa que a África, que já tem a maior carga de malária, pode ter um impacto ainda maior”, disse Sinka, já que 40% da população do continente vive em áreas urbanas.


Para se protegerem desses mosquitos, que costumam picar à tarde, quando ainda está calor, o entomologista aconselha instalar mosquiteiros, borrifar as paredes com inseticidas e cobrir o corpo. Embora o principal seja combater as larvas, o que exige a remoção da água parada e a vedação dos reservatórios de água, os métodos têm se mostrado eficazes na Índia, diz Sinka.


Fonte: RT.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.