Ads Top

Fundadora da ¨Black Lives Matter¨, Patrisse Cullors admite que ao cantarem: DIGA O SEU NOME, É CHAMADO para ressuscitar um espírito dos mortos, para liderá-los


Em uma conversa de 13 de junho entre o co-fundador da Black Lives Matter Patrisse Cullors e a co-fundadora do capítulo BLM-Los Angeles, Melina Abdullah, Abdullah discute como os dois "se tornaram muito íntimos com os espíritos que chamamos regularmente", e Cullors fala sobre como usar uma hashtag para o BLM está "quase ressuscitando um espírito para que ele possa trabalhar através de nós".

Quanto mais aprendemos sobre o Movimento Black Lives Matter, pior fica. Hoje descobrimos que os fundadores do BLM, além de auto-admitidos "marxistas treinados", também são seguidores ardentes da religião iorubá da África Ocidental. Iorubá é um sistema espiritual que usa sacrifícios muito parecidos com o encontrado em Santeria e vodu. É demoníaco, e está no cerne do que está impulsionando a agenda do Movimento Black Lives Matter. Você pode ouvi-lo deles mesmos no vídeo abaixo.


"Amado, não acredite em todos os espíritos, mas tente os espíritos se eles são de Deus: porque muitos falsos profetas são ido para o mundo. Por este meio, conheça o Espírito de Deus: Todo espírito que confessa que Jesus Cristo está vindo na carne é de Deus: E todo espírito que confessa não que Jesus Cristo vem na carne não é de Deus: e este é aquele espírito de anticristo, de onde vocês ouviram que ele deveria vir; e mesmo agora já é no mundo. 1 João 4:1-3 (KJB)


Patrisse Cullors continua dizendo que as hashtags e cantos repetitivos de "SayHerName" e "SayHisName" é na verdade um chamado aos espíritos para que eles estejam convidando com o propósito de liderar e orientar o movimento BLM. Isso explicaria o intenso nível de raiva e ódio exibido por parte dos seguidores da Black Lives Matter, e por que tudo está centrado em torno da violência.


Gostaria de agradecer a essas senhoras por sua honestidade, em admitir que vidas negras importam é principalmente uma religião que invoca espíritos, e confirmando para nós a natureza espiritual de sua causa. Como eu sempre disse, esses tumultos são muito mais espirituais do que sociais ou políticos. Mas esta religião é do Diabo, como toda religião é, e agora sabemos exatamente com o que estamos lidando. Agora você sabe por que eles fazem todos esses santuários, por que George Floyd teve 5 funerais em um caixão de ouro e bronze. Estes são seus novos deuses, e vidas negras importam é sua bíblia.

Líderes do BLM discutem 'ressuscitar um espírito para que ele possa trabalhar através de nós'

DA CNS NEWS: "Estamos invocando" nossos ancestrais, afirma Abdullah. A conversa entre os dois ativistas da Black Lives Matter ocorreu após um evento de arte ao vivo de Cullors intitulado "A Prayer for the Runner". A performance foi patrocinada como parte do Mês do Orgulho de Junho pelo Museu Fowler da UCLA. (Cullors se identifica como bicha e ela é "casada" com a ativista do BLM Janaya Kahn, que também se identifica como bicha.)


Além de seu ativismo Black Lives Matter, Melina Abdullah é presidente do departamento de Estudos Pan-Africanos da Cal State LA. Ela também é defensora de Louis Farrakhan e da Nação do Islã. Abdullah falou na Marcha do Milhão de Homens de 2015, organizada por Farrakhan.


A RELIGIÃO IORUBÁ DE IFA É UM SISTEMA DE ADIVINHAÇÃO ESPIRITUAL QUE É PRATICADO NA ÁFRICA OCIDENTAL, NAS ILHAS CANÁRIAS E NA AMÉRICA DO SUL. TAMBÉM É PRATICADO NOS ESTADOS UNIDOS. O SACRIFÍCIO É UMA PARTE FUNDAMENTAL DO IFA E ELEMENTOS DO SISTEMA SÃO ENCONTRADOS EM VODU E SANTERIA. ESTA É A BASE ESPIRITUAL DO MOVIMENTO VIDAS NEGRAS IMPORTAM.


Na entrevista, Abdullah afirma, "talvez eu esteja compartilhando demais, mas nos tornamos muito íntimos com os espíritos que chamamos regularmente. Direita? Tipo, cada um deles parece ter uma presença e personalidade diferentes. Você sabe, eu rio muito com Wakiesha [Wilson]. Você sabe? E eu não a conheci em seu corpo.


Wakiesha Wilson era uma mulher negra que sofria de desordem bipolar e supostamente se enforcou enquanto estava sob custódia da polícia de Los Angeles. Sua morte tornou-se uma causa entre os ativistas do BLM. 


Cullors responde, dizendo que ela foi criada como Testemunha de Jeová, mas, "à medida que envelheci, ancestral, a adoração ancestral tornou-se realmente importante". Cullors então explica como as hashtags como #SayHerName e #BLM são um meio de honrar os mortos e invocá-los.


"HASHTAGS PARA NÓS SÃO MUITO MAIS DO QUE UMA HASHTAG", DIZ CULLORS. "ESTÁ LITERALMENTE QUASE RESSUSCITANDO UM ESPÍRITO PARA QUE ELE POSSA TRABALHAR ATRAVÉS DE NÓS PARA QUE POSSAMOS OBTER O TRABALHO QUE PRECISAMOS FAZER."


Mais tarde, na conversa,Abdullah diz que "mesmo além de lembrar deles [antepassados], estamos invocando-os". Ela ainda descreve "em nossa tradição, quando chamamos nossos ancestrais, os chamamos para propósitos específicos", e "a primeira coisa que fazemos quando ouvimos falar de um desses assassinatos é sair, orar, e derramar libação, construímos com a comunidade onde a vida da pessoa foi roubada".


Antes desses protestos, onde as pessoas morreram, sabemos que "estamos literalmente de pé sobre sangue derramado", diz Abdullah.


Em um artigo de 3 de julho de 2020, "A Luta por Vidas Negras é um Movimento Espiritual", Farrag diz: "Os capítulos black lives matter (BLM), juntamente com organizações afiliadas ao movimento maior para vidas negras, canalizam profundo luto e trauma causados pela injustiça racial em ação política através de um movimento espiritualmente informado."


Farrag então descreve um protesto BLM-Los Angeles fora da casa do prefeito Eric Garcetti que ocorreu em 2 de junho de 2020.


"MELINA ABDULLAH, PRESIDENTE DO DEPARTAMENTO DE ESTUDOS PAN-AFRICANOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA CALIFÓRNIA, EM LOS ANGELES, E CO-FUNDADORA DO BLM-LA, ABRIU O EVENTO EXPLICANDO QUE, EMBORA O MOVIMENTO SEJA UM MOVIMENTO DE JUSTIÇA SOCIAL, É, ANTES DE TUDO, UM MOVIMENTO ESPIRITUAL", ESCREVEU FARRAG.


Ela continuou, "Abdullah liderou o grupo em um ritual: a recitação de nomes daqueles levados pela violência do Estado antes de seu tempo - ancestrais agora sendo chamados de volta para animar sua própria justiça: 'George Floyd. Asé, o que está sendo o que está sendo Philandro Castille, 83. Asé, o que está sendo o que está sendo Andrew Joseph. Asé, o que está sendo o que está sendo Michael Brown. Asé, o que está sendo o que está sendo Erika Garner. Asé, o que está sendo o que está sendo Harriet Tubman. Asé, o que está sendo o que está sendo Malcom X. Asé. Martin Luther King. Asé.'" "À medida que cada nome é recitado, o Dr. Abdullah derramou libações no chão enquanto o grupo de mais de 100 entoava 'Asé', [Amém] um termo iorubá frequentemente usado por praticantes do Ifa, um sistema de fé e adivinhação que se originou na África Ocidental", escreveu Farrag. "Este ritual, explicou o Dr. Abdullah, é uma forma de adoração."


"O MOVIMENTO INFUNDE UMA MISTURA SINCROMÁTICA DAS PRÁTICAS E CRENÇAS ESPIRITUAIS DAS CULTURAS AFRICANAS E INDÍGENAS, ABRAÇANDO A ADORAÇÃO ANCESTRAL; RITUAL BASEADO EM IFA, COMO CANTAR, DANÇAR E CONVOCAR DIÁRIES; E PRÁTICAS DE CURA, COMO ACUPUNTURA, REIKI, MASSAGEM TERAPÊUTICA E MEDICINA VEGETAL EM GRANDE PARTE DE SEU TRABALHO, INCLUINDO PROTESTO", DISSE FARRAG.


Ela então descreveu Patrisse Cullors durante o confinamento covid-19 da seguinte forma: "Como uma pessoa ordenada no Ifa, ela também liderou meditações que permitiram aos participantes imaginar melhor o futuro enquanto defendiam o autocuidado, a consciência da saúde mental, a justiça curativa e o ativismo artístico durante a pandemia. LEIA MAIS

Fonte: https://www.nowtheendbegins.com/black-lives-matter-founder-patrisse-cullors-admits-chanting-say-her-name-resurrecting-spirits/

Tradução: BDN

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.