Ads Top

Muito mais que a Copa do Mundo de 2022: Emir do Qatar diz à Jared Kushner que solução de 2 Estados é necessária para a Palestina

Emir se encontrou com o conselheiro sênior de Trump em Doha, após um acordo mediado pelos EUA entre os Emirados Árabes Unidos e Israel para normalizar os laços.

O emir xeique Tamim bin Hamad Al Thani do Qatar disse ao conselheiro da Casa Branca Jared Kushner que Doha apóia uma solução de dois estados, com Jerusalém Oriental como capital de um estado palestino, para encerrar o conflito com Israel.


O emir se encontrou com o conselheiro sênior e genro do presidente Donald Trump, Jared Kushner, em Doha na quarta-feira após um acordo mediado pelos EUA no mês passado entre os Emirados Árabes Unidos e Israel para normalizar os laços.


O xeque Tamim disse a Kushner que o Qatar permaneceu comprometido com a Iniciativa de Paz Árabe de 2002, na qual as nações árabes ofereceram a Israel laços normalizados em troca de um acordo de Estado com os palestinos e a retirada total de Israel do território capturado na Guerra do Oriente Médio de 1967. 

"Durante a reunião, eles revisaram as estreitas relações estratégicas entre o Estado do Qatar e os Estados Unidos da América, além de discutir uma série de questões de interesse comum, especialmente o processo de paz na região do Oriente Médio", relatou a Qatar News Agency .

Kushner visitou os Emirados Árabes Unidos esta semana com uma delegação israelense para negociações de normalização, antes de viajar também para Bahrein e Arábia Saudita. 

Os Emirados Árabes Unidos são o terceiro país árabe a chegar a um acordo desse tipo com Israel, depois do Egito e da Jordânia. Kushner espera que outro país árabe normalize os laços em alguns meses.

Israel trocou embaixadas com os vizinhos Egito e Jordânia sob acordos de paz décadas atrás, mas todos os outros países árabes exigiram que primeiro cedesse mais terras aos palestinos. No entanto, a decisão dos Emirados de ter uma embaixada gerou críticas de partes interessadas em toda a região.

Os palestinos  condenaram  o acordo como uma facada nas costas de um importante jogador árabe, enquanto eles ainda não têm um estado próprio.

A Turquia  ameaçou  suspender as relações com os Emirados Árabes Unidos depois que a normalização foi anunciada. 

O rival de Israel, o Irã, tem sido contundente em suas críticas. O líder supremo aiatolá Ali Khamenei tuitou na terça-feira que "os Emirados Árabes Unidos traiu o mundo do Islã, as nações árabes, os países da região e a Palestina".


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.