Ads Top

Em Voo Histórico: De Abu Dhabi para Jerusalém, Jared Kushner diz que ¨o palco está pronto para o progresso de paz no Oriente Médio¨

 

Enquanto os Estados Unidos vivem numa crise racial e na luta pelo Covid 19. O Oitavo Rebe, e Messias dos Judeus (Falso Cristo) Jared Corey Kushner vem se adiantando e em estabelecer um acordo de paz no Oriente Médio, para depois fazer o concreto envolvendo Israel e Palestina. 

Leia também: 

DOSSIÊ JARED KUSHNER

A ASCENSÃO DE JARED KUSHNER EM 2020

JARED E OS OVNIS

O Palco para a enganação final está começando. 

O conselheiro da Casa Branca Jared Kushner alardeou no último domingo (30 de Agosto de 2020) o recente acordo de Israel e dos Emirados Árabes Unidos para estabelecer relações diplomáticas como um avanço histórico e disse que "o cenário está definido" para outros Estados árabes seguirem o exemplo, mas não deu nenhuma indicação de que quaisquer novos acordos eram iminentes.


Ao lado do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu e do conselheiro de Segurança Nacional dos EUA Robert O'Brien, Kushner falou um dia antes de se juntar a uma delegação israelense sênior no primeiro voo comercial de Israel para os Emirados Árabes Unidos. O voo tem grande valor simbólico e é um passo fundamental no que se espera ser a normalização total entre Israel e os Emirados Árabes Unidos.


O anúncio de 13 de agosto faz dos Emirados Árabes Unidos apenas o terceiro país árabe a estabelecer relações diplomáticas plenas com Israel, e o primeiro a fazê-lo em mais de 25 anos. Isso reflete uma mudança no Oriente Médio, na qual preocupações compartilhadas sobre o Irã tomaram o tradicional apoio árabe de parede a parede para os palestinos.


"Hoje, obviamente, celebramos um avanço histórico para a paz", disse Kushner, acrescentando que o acordo criará uma cooperação econômica, de segurança e religiosa "antes impensável".


"Embora este acordo de paz tenha sido considerado impossível por muitos, o cenário agora está definido para ainda mais", disse ele, alegando ter ouvido otimismo em toda a região desde que o acordo foi anunciado.


"Devemos aproveitar esse otimismo e continuar a pressionar para que essa região alcance o potencial que ela realmente tem", disse Kushner, genro do presidente Donald Trump e principal conselheiro do Oriente Médio.

Israel e os Emirados Árabes Unidos agiram rapidamente para consolidar seus laços nas últimas duas semanas. Quase imediatamente, eles abriram linhas telefônicas diretas, e ministros do Gabinete têm mantido conversas telefônicas amigáveis.


No sábado, os Emirados Árabes Unidos encerraram formalmente seu boicote comercial a Israel, embora os dois países tenham conduzido discretamente negócios por anos. O voo de segunda-feira de um avião el al de Tel Aviv para Abu Dhabi será o primeiro voo conhecido de um avião comercial israelense de Israel para os Emirados. Espera-se que os dois países do Oriente Médio assinem um acordo formal na Casa Branca nas próximas semanas.


Mas até agora, as previsões de autoridades israelenses e americanas, incluindo Kushner, de que outros países árabes seguiriam os Emirados Árabes Ainda não se concretizaram.


O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, visitou a região na semana passada, parando no Sudão, Bahrein e Omã — três países amplamente vistos como candidatos a estabelecer laços com Israel — mas pareciam sair de mãos vazias.


A enxurrada de atividades diplomáticas dos EUA vem à medida que o governo Trump avança com planos ambiciosos para promover a aproximação árabe-israelense, mesmo na ausência de um acordo para o conflito israelo-palestino, que há muito era visto como um pré-requisito para que Israel chegasse a acordos de paz com todos os seus vizinhos árabes.


Os países árabes do Golfo, que como Israel compartilham profunda animosidade em relação ao Irã, têm mostrado uma crescente disposição de tornar públicos os laços de back-channel com Israel.


O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse que o acordo com os Emirados Árabes Unidos traria comércio e oportunidades "desenfreadas".


"Você vai ver como as faíscas voam", disse ele.


Trump revelou um plano do Oriente Médio em janeiro que foi rejeitado pelos palestinos, que dizem que ele favorece injustamente Israel.


Os palestinos procuram a Cisjordânia, Jerusalém Oriental e a Faixa de Gaza — áreas capturadas por Israel na guerra do Oriente Médio de 1967 — para um Estado independente. O plano Trump oferece-lhes autonomia limitada em 70% da Cisjordânia, deixando Israel no controle geral do território, e uma presença simbólica nos arredores de Jerusalém, enquanto entrega a Israel o controle dos locais sagrados sensíveis da cidade.


Netanyahu disse que o acordo com os Emirados Árabes Unidos prova que os palestinos não têm mais um "veto" sobre a paz regional. Os palestinos acusaram os Emirados Árabes Unidos de traição.


"Se tivermos que esperar pelos palestinos, teremos que esperar para sempre", disse Netanyahu. "À medida que mais países árabes e muçulmanos se juntarem ao círculo de paz, os palestinos eventualmente entenderão que seu veto se dissipou e eles serão duramente pressionados a ficar fora da comunidade de paz."

Orando pela ¨paz¨? Jared Kushner visita o Muro das Lamentações em Jerusalém ao dizer que 'o palco está pronto' para mais estados árabes reconhecerem Israel após acordo dos Emirados Árabes Unidos


    Vídeo> https://www.yahoo.com/entertainment/jared-kushner-visits-jerusalems-western-105340821.html 







"Devemos aproveitar esse otimismo e continuar a pressionar para que essa região alcance o potencial que ela realmente tem", disse Kushner, principal conselheiro de Trump no Oriente Médio.

Israel e os Emirados Árabes Unidos agiram rapidamente para consolidar seus laços nas últimas duas semanas. Quase imediatamente, eles abriram linhas telefônicas diretas, e ministros do Gabinete têm mantido conversas telefônicas amigáveis.

No sábado, os Emirados Árabes Unidos encerraram formalmente seu boicote comercial a Israel, embora os dois países tenham conduzido discretamente negócios por anos. O voo de segunda-feira de um avião el al de Tel Aviv para Abu Dhabi será o primeiro voo conhecido de um avião comercial israelense de Israel para os Emirados. Espera-se que os dois países do Oriente Médio assinem um acordo formal na Casa Branca nas próximas semanas.

Mas até agora, as previsões de autoridades israelenses e americanas, incluindo Kushner, de que outros países árabes seguiriam os Emirados Árabes Ainda não se concretizaram.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, visitou a região na semana passada, parando no Sudão, Bahrein e Omã - três países amplamente vistos como candidatos a estabelecer laços com Israel - mas parecia sair de mãos vazias.

A enxurrada de atividades diplomáticas dos EUA vem à medida que o governo Trump avança com planos ambiciosos para promover a aproximação árabe-israelense, mesmo na ausência de um acordo para o conflito israelo-palestino, que há muito era visto como um pré-requisito para que Israel chegasse a acordos de paz com todos os seus vizinhos árabes.

O acordo com os Emirados Árabes Unidos deu ao governo Trump uma vitória bem-vinda na política externa antes das eleições presidenciais de novembro. Enfrentando uma dura batalha de reeleição, a Casa Branca está ansiosa para construir esse impulso.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse que o acordo com os Emirados Árabes Unidos traria comércio e oportunidades "desenfreadas".

"Você vai ver como as faíscas voam", disse ele.

Trump revelou um plano do Oriente Médio em janeiro que foi rejeitado pelos palestinos, que dizem que ele favorece injustamente Israel.

Os palestinos procuram a Cisjordânia, Jerusalém Oriental e a Faixa de Gaza - áreas capturadas por Israel na guerra do Oriente Médio de 1967 - para um Estado independente. O plano Trump oferece-lhes autonomia limitada em 70% da Cisjordânia, deixando Israel no controle geral do território, e uma presença simbólica nos arredores de Jerusalém, enquanto entrega a Israel o controle dos locais sagrados sensíveis da cidade.

Netanyahu disse que o acordo com os Emirados Árabes Unidos prova que os palestinos não têm mais um "veto" sobre a paz regional. Os palestinos acusaram os Emirados Árabes Unidos de traição.

"Se tivermos que esperar pelos palestinos, teremos que esperar para sempre", disse Netanyahu. "À medida que mais países árabes e muçulmanos se juntarem ao círculo de paz, os palestinos eventualmente entenderão que seu veto se dissipou e eles serão duramente pressionados a ficar fora da comunidade de paz."

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.