Ads Top

Como Trump desafiou especialistas e promoveu um avanço para a paz no Oriente Médio, tudo isto graças ao oitavo rebe e seu genro: Jared Kushner

Em maio de 2020, antecipamos quem é Jared Kushner > https://www.bastidoresdanet.com/2020/05/jared-kushner-e-o-oitavo-rei-ivanka.html

Talvez a peça mais inexpugnável da sabedoria convencional nos últimos três anos e meio era de que não havia como Jared Kushner, conselheiro sênior da Casa Branca e genro de Donald Trump, fazer avanços em direção à paz no Oriente Médio.


Compreensível. Afinal, Kushner já tinha um vasto portfólio de políticas na Casa Branca de Trump e nenhuma experiência diplomática anterior. Na melhor das hipóteses, parecia difícil acreditar na ideia de que ele poderia ter sucesso em uma questão na qual pessoas que dedicaram suas carreiras a isso fracassaram.


Mas aqui estamos, com Israel e os Emirados Árabes Unidos assinando um acordo histórico de normalização das relações na Casa Branca. O Bahrein também concordou em normalizar as relações com Israel, um movimento que não poderia ter feito sem o consentimento dos sauditas.

Isso é o que Joe Biden poderia chamar de grande negócio. Quando os três líderes – o presidente Trump, o primeiro-ministro Bibi Netanyahu e o príncipe herdeiro Mohammed bin Zayed (MBZ) – estavam considerando a proposta por telefone, de acordo com um funcionário importante do governo americano, “o MBZ disse: ‘Ei, 2020 tem sido um ano realmente difícil. Essas devem ser as melhores notícias de 2020'. E o presidente disse: 'Sim, o que você acha, Bibi?'. E Bibi disse: 'Você está brincando? Essa é a melhor notícia dos últimos 20 anos'”.


E tudo aconteceu apesar de uma onda avassaladora de críticas. O funcionário sênior da administração se maravilhou com o fato de Kushner ter mantido o curso mesmo “quando foi obviamente atacado pela mídia”. “Todos os especialistas disseram que ele estava errado”.


A forma como o próprio Kushner coloca é: "Nos últimos três anos e meio, acho que fui a única pessoa otimista na região".


Um importante negociador dos EUA explica: “Quando você está trabalhando em algo e alguém lhe diz: 'Não há chance de sucesso nisso', mas você realmente ouviu da boca das pessoas que são responsáveis ​​por tomar essas decisões que estão prontos para fazer algo, você pensa consigo mesmo: 'Bem, um de nós é louco. Tenho certeza de que não sou eu. Então, vou seguir em frente aqui.

Os movimentos ¨ousados¨ ​​de Trump

A história desta ruptura diplomática é, no fundo, a história de Trump dando passos ousados ​​na região, o que definiu as condições para um novo pensamento florescer, mesmo com a opinião da elite totalmente errada – e, é claro, sem reconhecer que estava errada – a cada passo do caminho.


Em vez de acabar com qualquer possibilidade de paz na região, a mudança da embaixada dos EUA em Israel para Jerusalém fortaleceu um relacionamento de confiança com Israel que tornou todo o resto possível.


Em vez de alienar os aliados americanos, a retirada do acordo com o Irã atraiu os aliados da região para mais perto dos EUA.


Em vez de causar uma guerra, como até mesmo alguns dos aliados ideológicos de Trump temiam, a morte de Soleimani enviou uma mensagem inconfundível de determinação. “Acho que o assassinato de Soleimani foi uma grande vantagem”, disse o funcionário do governo americano, “porque mostrou que o presidente era ousado e sério, e acho que isso mudou enormemente o Oriente Médio”.


Uma nova abordagem

Claro, tudo isso ia exatamente contra a estratégia de Barack Obama na região. Como disse um funcionário do Departamento de Estado: “Quando assumimos o cargo, os Estados Unidos e o governo anterior haviam alienado nossos parceiros do Golfo, Israel e os palestinos, o que é realmente difícil de fazer. Eles tentaram acomodar o Irã e fortalecer o Irã como parte de uma aposta maior de que poderiam moderar o Irã”.

"O discurso de Trump em Riade enunciou uma mudança de abordagem. “Estávamos indo contra o Irã, estávamos com Israel e estávamos com nossos parceiros”, disse o oficial. Depois do discurso, “estávamos em um enorme saguão de hotel conversando com vários ministros árabes das Relações Exteriores que eu conhecia, e eles apenas disseram: ‘Oh, finalmente alguém que entende a região’”, lembrou. “Obama apenas continuou olhando para ela pelo lado errado do telescópio”.

Além de Jared Kushner, a equipe principal que trabalhava na estratégia incluía o associado de Kushner e Representante Especial para Negociações Internacionais, Avi Berkowitz, o enviado do Irã Brian Hook e o Conselheiro de Segurança Nacional, Robert O’Brien.

Jared Kushner e Robert O’Brien e comitiva chegando de Jerusalém aos Emirados Árabes em primeiro Voo no dia 31 de Agosto de 2020. Notem que no Avião de Jared está escrito Paz em três idiomas acima das bandeiras de Israel, Estados Unidos e Emirados Árabes Unidos. Os 3 idiomas são: Árabe, Inglês e Hebraico. 

Kushner adotou uma abordagem modesta no início. “No primeiro ano, não íamos dizer às pessoas como fazer”, diz ele. “Fomos e realmente ouvimos as pessoas dizerem: ‘Como você achou que deveria ser feito?’ E acho que isso fez uma grande diferença.

"E o que eu mostrei a eles é que toda vez que o processo de paz falhou, duas coisas aconteceram: 1) os palestinos ganharam mais dinheiro e 2) Israel expandiu os assentamentos. E então eu disse: "Por que qualquer uma das partes faria um acordo se ambos os lados estavam conseguindo o que queriam?"

O início de uma nova abordagem era construir a confiança dos israelenses, daí o reconhecimento de Jerusalém como a capital de Israel, a mudança da embaixada e o reconhecimento da soberania israelense sobre as colinas de Golã.

Isso também impressionou os líderes árabes. Trump “acabou conquistando o respeito dos árabes porque é um cara que cumpre suas promessas”, disse o funcionário do Departamento de Estado. “Eles viram todos esses outros presidentes assumirem os cargos e nenhum deles mover a embaixada”. Kushner observa que a realocação da embaixada e outras medidas foram "todas as coisas que mostraram às pessoas que Trump não será dissuadido por ameaças de violência".

Superando a rejeição dos palestinos
Então, o governo fez aos palestinos ofertas de boa-fé sobre desenvolvimento econômico e paz que acabou destacando a rejeição sistemática das ofertas de paz por parte dos palestinos e abrindo um caminho diferente."


"O governo realizou uma conferência no Bahrein no ano passado, cuja peça central foi um plano econômico de US$ 50 bilhões para os Territórios Palestinos. Os palestinos nem se importaram em comparecer. “Isso mostrou que todos estavam interessados ​​em ajudar os palestinos”, disse Kushner. “Mas os palestinos pareciam idiotas por não aparecerem. Portanto, no decorrer disso, realmente expusemos o fato de que a liderança palestina não estava interessada em realmente promover a paz, eles estavam apenas mantendo o conflito em andamento”."

"O plano do governo para uma solução de dois estados, incluindo um mapa detalhado, também foi categoricamente rejeitado pelos palestinos. Como disse Abbas, “dizemos mil vezes: não, não, não”.


O modus operandi de costume seria que Washington tentasse pressionar os israelenses a dar ainda mais aos palestinos. Não dessa vez. “Quando os palestinos reclamaram e houve um grande problema”, disse o alto funcionário do governo, “nós não recuamos”.


Além disso, no passado, as objeções palestinas teriam sido suficientes para manter os estados árabes no campo rejeicionista também. “Basicamente, você tem uma situação agora em que os governos árabes por mais de 60 anos deram aos palestinos o direito de veto em sua política externa”, disse o funcionário. Mas isso acabou. O funcionário do Departamento de Estado explica:


Agora, nossa mensagem para os palestinos foi: "Se você não gosta do mapa, então venha até a mesa e vamos conversar sobre isso". Mas eles decidiram nos rejeitar, e eles decidiram recuar, e a região decidiu: "Nós simplesmente não vamos permitir que eles retenham o resto da região". Então, se a liderança palestina não vai vir para a mesa, bem, então os Emirados Árabes Unidos vão, e foi isso que eles fizeram.


Além disso, os governos da região simplesmente começaram a se mover. “Eu percorri a região várias vezes quando assumimos o cargo”, disse o funcionário do Departamento de Estado sobre suas discussões com autoridades árabes. “E uma coisa que eu esperava ouvir deles, mas nunca ouvi, foi sobre os palestinos. Eles queriam falar sobre o Irã. Eles queriam falar sobre empregos. Eles queriam falar sobre a Irmandade Muçulmana. Quero dizer, as questões palestinas não estavam entre as cinco mais importantes".



Um negociador dos EUA descreveu suas próprias conversas com os estados árabes antes de divulgar o plano de paz. “Então, enquanto conversamos”, disse ele, “você via que os palestinos não estavam se envolvendo, não estavam dispostos a negociar, não estavam dispostos a falar com você, e então via os chefes regionais que honestamente estavam mais nervosos com o Irã do que com qualquer coisa outra coisa, e via Israel como um aliado em potencial nessa luta, que estava ansioso pela oportunidade perdida".


A Importância do Irã

A campanha de pressão do governo sobre o Irã foi um pano de fundo crucial. “Minha opinião era que é impossível obter qualquer acordo de paz entre as nações do Golfo e Israel se você tiver a estratégia errada para o Irã”, disse o funcionário do Departamento de Estado, observando que líderes estrangeiros e ministros disseram a ele repetidamente que consideram o acordo com o Irã "uma traição". Ele rejeitou a declaração de Joe Biden após o acordo Israel-Emirados Árabes Unidos, no qual ele quase assumiu o crédito pelo negócio ao falar sobre todas as reuniões que teve com os Emirados Árabes Unidos e Israel quando ele era vice-presidente.


“Não tem como,” ele diz. “Ele poderia ter tido mais 30 anos no cargo e nunca poderia ter conseguido, porque eles não confiavam nele. Eles não confiam nos Estados Unidos quando fazemos parceria com nossos adversários e nos marginalizamos e nos distanciamos de nossos amigos”.


A preocupação comum com o Irã aproximou Israel e os países árabes. No início do ano passado, o governo realizou uma conferência em Varsóvia com autoridades estrangeiras focadas no Irã e a outras questões regionais. “Em Varsóvia”, disse o funcionário, “colocamos os chanceleres árabes e Netanyahu na mesma sala para jantar e falar sobre o Irã, e isso nunca aconteceu antes, e eles simplesmente adoraram, e havia todo esse entusiasmo entre os ministros das Relações Exteriores. Os árabes estavam, tipo, ‘Temos que continuar com isso’”.


A anexação força o problema

O evento que precipitou o acordo entre Israel e os Emirados Árabes Unidos foi a promessa de Netanyahu de anexar assentamentos judeus na Cisjordânia. O embaixador dos Emirados Árabes Unidos nos EUA escreveu um artigo em um importante jornal israelense alertando que a anexação colocaria a normalização em risco. No caso, a normalização deu a Netanyahu uma maneira de dar um passo atrás quanto à anexação, enquanto a suspensão da anexação deu aos Emirados Árabes Unidos um ponto diplomático a mais, além da normalização.



“Quando ele publicou aquele artigo em hebraico”, disse o funcionário do Departamento de Estado, “foi um grande ponto de inflexão, e fez com que todos dessem um passo para trás, e então, porque estávamos trabalhando com os israelenses e os Emirados tão próximos por três anos e meio, fomos capazes de entrar e intermediar este acordo”.


Os Emirados Árabes Unidos fizeram sentido como o primeiro dominó a cair. Como Kushner coloca:


Eles sempre foram os líderes na região. Eles são os mais avançados tecnologicamente, eles têm uma sociedade muito moderna. . . Eles vêm desenvolvendo seu relacionamento com Israel há anos, então ajudamos a acelerar isso do ponto de vista da segurança. Do ponto de vista econômico, eles são o centro financeiro do Oriente Médio. Portanto, foi um passo muito natural para eles darem. E, obviamente, eles têm um líder muito corajoso, Mohammed bin Zayed, que realmente queria ser o primeiro.


O alto funcionário do governo lembrou ter ouvido os israelenses conversando durante o voo histórico da El Al para os Emirados Árabes Unidos, que levou uma delegação de autoridades americanas e israelenses no final de agosto. Embora estivessem empolgados, eles tentaram diminuir as expectativas do que inicialmente seriam capazes de realizar. “Mas quando eles entraram na primeira reunião”, disse ele sobre os israelenses e os emiradenses, “os dois estavam discutindo e disseram: ‘Olha, a primeira coisa que precisamos fazer é criar um sistema bancário. Precisamos ter um banco. 'No dia seguinte, eles conseguiram”. Ele acrescentou: “Era como se fossem amigos que não se viam havia tempos”.


A relação Israel-Emirados Árabes Unidos deve continuar a se aprofundar. Um diplomata dos EUA aponta:


Este é um país que não tem fronteira com Israel, que não tem argumentos reais com Israel e que nunca esteve em guerra com Israel. E você já pode ver que é diferente. Os israelenses que estiveram lá já começaram a falar sobre a calorosa saudação que receberam.


O caminho à frente

Olhando para o futuro, pode-se ver que a influência da liderança palestina foi comprovadamente reduzida, já que a normalização era para ser um dos prêmios da paz israelense-palestina, e há uma sensação de que a região está avançando sem ela.


É possível que a nova situação possa criar uma abertura para mudanças políticas entre os palestinos. Diz o negociador dos EUA:


Acho que o povo palestino olha em volta e diz a si mesmo: “Espere um segundo. Por que esses países podem sentar-se à mesa, mas nossa liderança escolheu o caminho de se destacar completa e obstinadamente, dizendo: ‘Não vamos negociar com você’?”


“Quem perde nisso?” pergunta Adam Boehler, que, como chefe da U.S. International Development Finance Corporation, tem estado fortemente envolvido na diplomacia econômica. “A liderança do Irã e da Autoridade Palestina porque sua estratégia não está funcionando. No final das contas, será melhor para os palestinos. O governo deixou claro que queremos investir na segurança econômica do povo palestino e espero que isso os capacite a exigir a mudança necessária de sua liderança”."

Fonte: https://www.nationalreview.com/2020/09/how-trump-defied-the-experts-and-forged-a-breakthrough-in-the-middle-east/

Tradução e informações acrescentadas: BDN

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.