Ads Top

Vaticano anuncia que Jorge Mário Bergoglio Papa Francisco, ¨irá tomar¨ a vacina da PFIZER COVID-19; Dizendo que é desejo papal de que ela se torne UNIVERSAL, para todos do mundo

O Vaticano lançará seu programa de vacinação contra o coronavírus durante o primeiro trimestre de 2021, que também permitirá que o papa viaje com segurança para o Iraque em março. A vacinação não será obrigatória para trabalhadores e residentes do Vaticano, observou a chefe do departamento de saúde do Vaticano, Andrea Arcangeli, mas será disponibilizada para quem quiser recebê-la. "Deve ser universal, para todos", disse ele. O papa reiterou que na corrida para produzir uma vacina coronavírus, os resultados bem sucedidos devem ser compartilhados por todos.

O Vaticano anunciou que o Papa Francisco receberá a vacina pfizer coronavírus em janeiro, que também será disponibilizada para os 800 residentes e cerca de 3.000 trabalhadores do estado da Cidade do Vaticano.

Orei da Cidade do Vaticano, Jorge Bergoglio, anunciou que receberá a vacina pfizer COVID-19 coronavirus no início de janeiro, e que é seu desejo que essa vacina se torne universal, e dada a todos no mundo inteiro. Isso nada mais é do que preparar para a próxima Marca da Besta, que também será distribuída pelo Vaticano em um futuro muito próximo.


"Pois Deus colocou em seus corações para cumprir sua vontade, e concordar, e dar seu reino à besta, até que as palavras de Deus sejam cumpridas. E a mulher que você viu é aquela grande cidade, que reina sobre os reis da terra." Apocalipse 17:17,18 (KJB)


O Vaticano não disse se o Papa Francisco fingirá receber sua vacina publicamente como Netanyahu e Pence fizeram na semana passada, ou se sua vacinação falsa acontecerá em particular. Mas isso realmente importa? Não é assim. O importante é que você nunca esquece tudo isso é teatro COVID, não é real, mas vem com consequências muito reais e muito mortais.


Papa Francisco receberá vacina da Pfizer contra coronavírus

DA BREITBART NEWS: O Vaticano lançará seu programa de vacinação contra o coronavírus durante o primeiro trimestre de 2021, que também permitirá que o papa viaje com segurança para o Iraque em março. A vacinação não será obrigatória para trabalhadores e residentes do Vaticano, observou a chefe do departamento de saúde do Vaticano, Andrea Arcangeli, mas será disponibilizada para quem quiser recebê-la.


O Papa tem falado frequentemente da vacina, enfatizando a necessidade de garantir que ela chegue aos grupos que mais precisam. Em setembro, Francisco pediu a distribuição universal das vacinas coronavírus, insistindo que os indivíduos "mais ricos" não deveriam ser os primeiros na fila para recebê-las.


"A experiência recente da pandemia, além de uma grande emergência de saúde na qual quase um milhão de pessoas já morreram, está se transformando em uma grave crise econômica, dando ainda origem a pessoas pobres e famílias que não sabem como seguir em frente", disseo papa. "Enquanto a assistência de caridade está sendo realizada, é também uma questão de combater essa pobreza farmacêutica, em particular com uma distribuição generalizada de novas vacinas no mundo", continuou. "Repito que seria triste se as pessoas mais ricas priorizassem a realização da vacina, ou se essa vacina se tornasse propriedade desta ou daquela nação e não fosse mais para todos."


"DEVE SER UNIVERSAL, PARA TODOS", DISSE ELE.


O papa reiterou que na corrida para produzir uma vacina coronavírus, os resultados bem sucedidos devem ser compartilhados por todos.


"Aqueles que vivem na pobreza são pobres em tudo, incluindo medicamentos, e, portanto, sua saúde é mais vulnerável", disse Francisco. "Às vezes há o risco de não poder ser tratado por falta de dinheiro, ou porque algumas populações do mundo não têm acesso a certas drogas."


"No nível ético, se há a possibilidade de curar uma doença com uma droga, isso deve estar disponível para todos, caso contrário, uma injustiça é criada", declarou. "Muitas pessoas, muitas crianças ainda morrem no mundo porque não podem ter um medicamento ou uma vacina disponível em outras regiões."


De acordo com um Em setembro, segundo uma pesquisa do Pew Research Center, quase metade da população dos EUA não aceitaria uma vacina contra o coronavírus se uma estivesse disponível.


"Cerca de metade dos adultos dos EUA (51%) agora dizem que eles definitivamente ou provavelmente obteriam uma vacina para prevenir o COVID-19 se estivesse disponível hoje; quase tantos (49%) dizem que definitivamente ou provavelmente não seriam vacinados neste momento", declarou Pew. "A intenção de obter uma vacina COVID-19 caiu de 72% em maio, uma queda de 21 pontos percentuais."


Na segunda-feira passada, líderes da Conferência dos Bispos dos EUA divulgaram uma declaração controversa declarando-a uma "responsabilidade moral" para que todos sejam vacinados contra o coronavírus. Os bispos não disseram se essa mesma obrigação moral existe no caso de todas as vacinas contra qualquer doença possível, ou como determinar quais vacinas são moralmente obrigatórias e quais não são.


Em sua declaração, os bispos abordaram especificamente o caso da vacina Pfizer, declarando que, tendo em vista a gravidade da pandemia atual e a falta de disponibilidade de vacinas alternativas, as razões para aceitar a nova vacina COVID-19 da Pfizer são "suficientemente sérias" para justificar seu uso, apesar de sua "conexão remota com linhas celulares moralmente comprometidas". Nos estágios iniciais dos testes, a vacina Pfizer/BioNTech foi testada em linhas de células produzidas a partir de células que originalmente vinham de um feto abortado. A vacina, no entanto, não é uma daquelas que usam linhas celulares derivadas do aborto no processo de fabricação. LEIA MAIS

FONTE:NTEB

tradução: BDN

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.