Ads Top

Governo de Quebec no Canadá, quer multar severamente e financeiramente quem não quiser ser picado pela vacina experimental C-19


O governo de Quebec quer impor uma penalidade financeira "significativa" à "pequena minoria" dos quebequenses que se recusam a se vacinar contra o COVID-19.

Temos relatos vindos de toda a nação socialista do Canadá de que seus governos estão realmente apertando os parafusos contra os não vacinados, agora de Quebec vem um relatório que eles vão impor uma "carga tributária significativa" às pessoas que optaram por não tomar a vacina. Como sabe que algo é uma farsa? Quando eles anexam um imposto a ele.


"Quando os justos estão em autoridade, o povo se alegra: mas quando os malvados governam,o povo chora." Provérbios 29:2 (KJB)


Engraçado, toda essa raiva é direcionada a menos de 10% da população de Quebec que eles acusam de "entupir os hospitais" porque eles não são vacinados, com cerca de 50% dos hospitalizados sendo não vacinados. Mas isso também significa que os outros 50%, os vacinados, estão "entupindo os hospitais" no mesmo ritmo. Então por que alguém deveria tomar uma vacina? Ahh, lógica e razão, você não tem lugar nessa discussão de "ciência e medicina".


O primeiro-ministro François Legault fez o anúncio — que seria o primeiro no Canadá — durante uma coletiva de imprensa na terça-feira. Ele disse que estava trabalhando no imposto com o ministro das Finanças Eric Girard, enquanto também revisava a legalidade da medida.


"INFELIZMENTE, AINDA HÁ UMA PEQUENA MINORIA, CERCA DE 10% DA POPULAÇÃO, QUE SE RECUSA A SE VACINAR", DISSE LEGAULT. "SINTO A FRUSTRAÇÃO DOS QUEBEQUENSES EM RELAÇÃO A ESSA MINORIA QUE ... ESTÁ ENTUPINDO NOSSOS HOSPITAIS. É POR ISSO QUE ESTOU ANUNCIANDO QUE ESTAMOS TRABALHANDO ATUALMENTE EM UMA CONTRIBUIÇÃO DE SAÚDE QUE SERÁ COBRADA A TODOS OS ADULTOS QUEBEQUENSES QUE SE RECUSAM A SE VACINAR", CONTINUOU ELE, ACRESCENTANDO QUE PESSOAS COM ISENÇÕES MÉDICAS SERIAM EXCLUÍDAS DO NOVO IMPOSTO.


Legault não anunciou detalhes nem data para o novo imposto, nem especificou o valor, exceto para dizer que seria "significativo". O premier disse que os quebequenses não vacinados ocupam atualmente 50% dos leitos de unidades de terapia intensiva na província, apesar de serem um décimo da população.


"É chocante", disse ele. "As pessoas que se recusam a se vacinar impõem um ônus aos profissionais de saúde e um importante fardo financeiro para a maioria dos quebequenses. Todos os adultos em Quebec que não aceitarem tomar pelo menos uma primeira dose nas próximas semanas terão uma conta a pagar porque há consequências em nosso sistema de saúde e não cabe a todos os quebequenses pagar por isso", acrescentou.


A medida, que certamente será controversa tanto na província quanto no Canadá, foi imediatamente criticada pelo partido de oposição Québec Solidaire como "radical" por esquecer "completamente" pessoas vulneráveis, como os sem-teto ou aqueles que sofrem de graves problemas de saúde mental.


"EU ACHO QUE É JUSTO CHAMAR ISSO DE UM MANDATO DE VACINAÇÃO EM TODA A PROVÍNCIA... ISSO É UM EMPURRÃO MUITO AGRESSIVO", DIZ TIM CAULFIELD, PRESIDENTE DE PESQUISA EM DIREITO E POLÍTICA EM SAÚDE DO CANADÁ NA UNIVERSIDADE DE ALBERTA.


Caulfield diz que a medida provavelmente funcionará "um pouco", mas o diabo está nos detalhes, que ainda estão faltando. Ele também acha que a aceitabilidade social da medida também dependerá da evolução da pandemia nas próximas semanas. Pesquisas recentes mostraram que a maioria dos canadenses vacinados estão cada vez mais frustrados pelos poucos não vacinados.


"Legault pode sentir que este é um movimento politicamente palatável, apesar do quão extremo pode parecer", disse ele. "Se isso continuar piorando, se o sistema de saúde continuar a ser sobrecarregado especialmente por pessoas não vacinadas, então isso pode não parecer uma medida tão extrema", diz Caulfield.


"Se Omicron for para o outro lado, se o COVID for para o outro lado, então acho que a percepção disso pode mudar."


O premier estima que mais 1.000 funcionários do hospital e 1.500 trabalhadores de longo prazo são necessários para passar pela quinta onda alimentada pela variante extremamente transmissível Omicron. Legault fez o anúncio ao mesmo tempo em que anunciou um novo chefe da agência de saúde pública da província. Dr. Luc Boileau está substituindo o Dr. Horatio Arruda, que anunciou sua demissão na segunda-feira à noite, principalmente porque temia ter perdido a confiança do público.


O primeiro-ministro François Legault soltou essa bomba na terça-feira durante uma conferência de imprensa ostensivamente organizada para tratar da renúncia um dia antes de seu principal funcionário de saúde pública, Dr. Horacio Arruda. Mas depois de agradecer brevemente a Arruda e nomear seu substituto, Dr. Luc Boileau, o primeiro-ministro voltou seus pensamentos para o aumento das hospitalizações COVID-19 em sua província e o número de quebequenses que permanecem não vacinados.

Canadense detalha permanência 'traumática' em uma instalação de quarentena | Restrições COVID-19

Tiffany Guara detalha a estadia "cansativa" de sua família em uma instalação federal de quarentena depois de retornar ao Canadá do Egito.

Fonte: NTEB

TRADUÇÃO: BDN

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.